Diferenças entre edições de "Radio Days"

40 bytes adicionados ,  14h21min de 1 de setembro de 2006
sem resumo de edição
A ERA DO SOM
 
As décadas de 30 e 40 foram os momentos áureos do [[rádio]] nos [[Estados Unidos]]. Inspirado por esse período, [[Woody Allen]] escreveu e dirigiu o filme A Era do Rádio, que conta as lembranças de um garoto e sua família judia em [[Nova Iorque]], durante a [[Segunda Guerra Mundial]]. Woody Allen narra alguns episódios fictícios do [[tempo de ouro do rádio]] norte-americano, e também conta histórias, como se fosse o protagonista, [[Seth Green]], relembrando sua infância permeada pelos programas de rádio da época.
Naquela época, o rádio tinha um papel preponderante como [[veículo de comunicação de massa]]. A melhor maneira de se manter informado sobre os acontecimentos de sua cidade e do mundo era através do rádio. O filme mostra como toda a população americana acompanhou apreensivamente a narrativa do ataque à base naval de [[Pearl Harbor]] e o resgate de uma menina que tinha ficado presa no fundo de um poço. Woody Allen também explora bem o rádio como forma de [[lazer]], quando mostra todos os membros da família do pequeno Seth escutando seus artistas e programas de rádio favoritos.
Outra demonstração da influência do rádio na vida das pessoas, e que realmente aconteceu e acabou sendo aproveitado no filme, foi o programa de Orson Welles, inspirado no livro A Guerra dos Mundos, de H.G. Wells. Na ocasisão, Orson Welles transmitiu um programa especial de Dia das Bruxas, no ano de 1938, simulando uma série de relatos sobre invasões alieníginas à Terra. O programa causou tanta repercussão que a bolsa de Nova Iorque caiu e alguns americanos, assustados com a notícia, cometeram suicídio.
A força do rádio também é apresentada através da personagem Sally White, interpretada por Mia Farrow, que busca incessantemente trabalhar em um programa de rádio. Ela só consegue sua chance quando melhora sua dicção, porque como o meio rádio se utiliza apenas do som, nunca foi importante a aparência da pessoa. Isto fica evidente com o personagem que vive O Vingador no rádio. No programa, ele é o arquétipo de um super-herói, no entanto, na vida real ele é baixo, pouco atraente e careca.
Utilizador anónimo