Diferenças entre edições de "Gastão Cruz"

68 bytes removidos ,  01h07min de 2 de setembro de 2006
sem resumo de edição
Ligado à actividade teatral, Gastão Cruz foi um dos fundadores do Grupo de Teatro Hoje (1976-1977), para o qual encenou peças de [[Crommelynck]], [[Strindberg]], [[Camus]], [[Tchekov]] ou uma adaptação sua de ''Uma Abelha na Chuva'' (1977), de [[Carlos de Oliveira]]. Algumas delas foram, pela primeira vez, traduzidas para português pelo poeta.
 
O percurso literário de Gastão Cruz inclui a tradução de nomes como [[William Blake]], [[Jean Cocteau]], [[Jude Stéfan]] e [[Shakespeare]]. ''As Doze Canções de Blake'' que traduziu fazem, aliás, parte da sua bibliografia poética[[Strindberg]], [[Albert Camus]], [[Shakespeare]] ou [[Crommenlick]].
 
As quatro recolhas de toda a sua poesia e a antologia que até à data organizou (1974, 1983, 1990/1992, 1999), acabam por corresponder ao encerrar de determinadas fases temáticas. A morte e o corpo – [[Manuel Gusmão]] fala de uma tensão permanente entre [[Eros]] e [[Thanatos]] – são duas das metáforas mais usadas pelo poeta, correspondendo a significados tão diferentes quanto a esperança, o desespero, o amor e o sexo, o caos, o próprio País, a opressão ou a fugacidade.
Utilizador anónimo