Diferenças entre edições de "Usina Hidrelétrica de Baguari"

166 bytes removidos ,  12h28min de 13 de julho de 2012
Alterado formato e adicionando ligações internas e externas
(E#20 impugnado - substituído por ESR-empresa)
(Alterado formato e adicionando ligações internas e externas)
Etiqueta: Retirada de marcação de eliminação
 
{{ESR2|1=18 de julho|marcação=20120718|2=Artigo sobre organização sem [[WP:FF|fontes fiáveis]] independentes que confirmem as afirmações do texto e atestem notoriedade. Ver [[WP:V|princípio da verificabilidade]] e [[WP:CDN|critérios de notoriedade]]. Páginas oficiais, blogues, fóruns e redes sociais (como Facebook, etc.) não são considerados fontes fiáveis. [[Usuário:Defrancos|DeFrancos]] ([[Usuário Discussão:Defrancos|discussão]]) 10h14min de 13 de julho de 2012 (UTC)}}
Parceria da Eletrobras Furnas com a Neoenergia e a Companhia de Energia de Minas Gerais (Cemig), a usina hidrelétrica Baguari possui capacidade instalada de 140 MW, o suficiente para abastecer uma cidade de 350 mil habitantes.<br/><br/>
Parceria da Eletrobras Furnas com a Neoenergia e a Companhia de Energia de Minas Gerais (Cemig), a usina hidrelétrica Baguari possui capacidade instalada de 140 MW, o suficiente para abastecer uma cidade de 350 mil habitantes.<br/><br/> O empreendimento foi o primeiro do Sistema Furnas, e quarto do país, acima de 30 MW a utilizar turbinas do tipo bulbo, indicadas para quedas d’água menores, como a da unidade, de apenas 18 metros.<br/><br/> <b>Localização</b><br/><br/> Localizada no rio Doce, região Leste de Minas Gerais, o reservatório da hidrelétrica Baguari abrange áreas dos municípios de Governador Valadares, Alpercata, Fernandes Tourinho, Iapu, Periquito e Sobrália.<br/><br/> <b>História</b><br/><br/> O consórcio UHE Baguari venceu a disputa para o empreendimento no leilão A-5 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em 2005. A Licença de Implantação foi emitida pela Fundação Estadual do Meio Ambiente (MG), em 15 de dezembro de 2006.<br/><br/> Para a construção do empreendimento foi contratado um EPC (sigla em inglês para Projeto, Fornecimento e Construção) constituído pela Engevix Engenharia S.A., Construtora Norberto Odebrecht S.A., e Voith Siemens Hydro Power Generation Ltda. A conclusão da usina, em 33 meses, antecipou o prazo inicial em 120 dias.<br/><br/> A inauguração da hidrelétrica, em 22 de outubro de 2009, contou com a presença dos presidentes das três empresas responsáveis pelo empreendimento - Eletrobras Furnas, Neoenergia e Cemig, de autoridades locais e do governo.<br/><br/> <b>Meio Ambiente</b><br/><br/> A utilização de turbinas do tipo bulbo, mesma tecnologia que será empregada na Usina de Santo Antônio (RO), reduziu consideravelmente a área alagada pela barragem da hidrelétrica. Seu reservatório ocupa 16 km², o que resulta numa relação de 8,75 MW por km².<br/><br/> Com isso, o empreendimento poderá negociar Certificados de Crédito de Carbono, mecanismo de compensação de impactos ambientais estabelecido pelo Protocolo de Kyoto. A hidrelétrica deixará como legado à região Leste de Minas Gerais uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) de 34 hectares e 170 hectares de corredores ecológicos.<br/><br/> <b>Receita</b><br/><br/> Até setembro de 2009, a obra pagou aproximadamente R$ 3,1 milhões em Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) a Governador Valadares (75 por cento do total), Alpercata (20 por cento) e Fernandes Tourinho (5 por cento). Depois do início de sua operação, os cofres dos municípios banhados pelo reservatório de Baguari passaram a receber, proporcionalmente à sua área alagada, a Compensação Financeira pelo Uso de Recursos Hídricos (Cfurh), também conhecida como "royalties da água".<br/><br/> Além de gerar energia para o crescimento sustentável do Brasil, Baguari produz emprego e renda. Suas obras propiciaram a criação de 1.700 empregos diretos - a maior parte para moradores dos municípios próximos ao empreendimento.
 
O empreendimento foi o primeiro do Sistema [[Eletrobras Furnas]], e quarto do país, acima de 30 MW a utilizar turbinas do tipo bulbo, indicadas para quedas d’água menores, como a da unidade, de apenas 18 metros.<br/><br/> <b>
== Localização ==
</b>
Localizada no rio Doce, região Leste de Minas Gerais, o reservatório da hidrelétrica Baguari abrange áreas dos municípios de Governador Valadares, Alpercata, Fernandes Tourinho, Iapu, Periquito e Sobrália.<br/><br/>
<b>
== História ==
</b>
O consórcio UHE Baguari venceu a disputa para o empreendimento no leilão A-5 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em 2005. A Licença de Implantação foi emitida pela Fundação Estadual do Meio Ambiente (MG), em 15 de dezembro de 2006.
Para a construção do empreendimento foi contratado um EPC (sigla em inglês para Projeto, Fornecimento e Construção) constituído pela Engevix Engenharia S.A., Construtora Norberto Odebrecht S.A., e Voith Siemens Hydro Power Generation Ltda. A conclusão da usina, em 33 meses, antecipou o prazo inicial em 120 dias.
A inauguração da hidrelétrica, em 22 de outubro de 2009, contou com a presença dos presidentes das três empresas responsáveis pelo empreendimento - Eletrobras Furnas, Neoenergia e Cemig, de autoridades locais e do governo.
<br/>
<b>
== Meio Ambiente ==
</b>
A utilização de turbinas do tipo bulbo, mesma tecnologia que será empregada na Usina de Santo Antônio (RO), reduziu consideravelmente a área alagada pela barragem da hidrelétrica. Seu reservatório ocupa 16 km², o que resulta numa relação de 8,75 MW por km².
Com isso, o empreendimento poderá negociar Certificados de Crédito de Carbono, mecanismo de compensação de impactos ambientais estabelecido pelo Protocolo de Kyoto. A hidrelétrica deixará como legado à região Leste de Minas Gerais uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) de 34 hectares e 170 hectares de corredores ecológicos.
<br/>
<br/>
<b>
== Receita ==
</b>
Até setembro de 2009, a obra pagou aproximadamente R$ 3,1 milhões em Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) a Governador Valadares (75 por cento do total), Alpercata (20 por cento) e Fernandes Tourinho (5 por cento). Depois do início de sua operação, os cofres dos municípios banhados pelo reservatório de Baguari passaram a receber, proporcionalmente à sua área alagada, a Compensação Financeira pelo Uso de Recursos Hídricos (Cfurh), também conhecida como "royalties da água".
Além de gerar energia para o crescimento sustentável do Brasil, Baguari produz emprego e renda. Suas obras propiciaram a criação de 1.700 empregos diretos - a maior parte para moradores dos municípios próximos ao empreendimento.
<br><br><b>
== {{Ver também}} ==
</b>
* [[Eletrobras_Furnas|Sistema Eletrobrás Furnas]]
<br>
<b>
== {{Ligações externas}} ==
</b>
* {{Link||2=http://www.furnas.com.br |3=Página da Eletrobras Furnas}}
* {{Link||2=http://www.furnas.com.br/hotsites/sistemafurnas/usina_hidr_bagauari.asp |3=Página da usina hidrelétrica de Baguari da Eletrobras Furnas}}
4

edições