Diferenças entre edições de "Anno II"

15 bytes adicionados ,  19h19min de 27 de julho de 2012
Desambiguação
 
(Desambiguação)
Nasceu por volta de 1010, pertencente à família [[suábia]] dos von Steusslingen, e foi educado em [[Bamberg]]. Tornou-se confessor do [[Henrique III, Sacro Imperador Romano-Germânico|imperador Henrique III]], que o nomeou arcebispo de [[Colônia (Alemanha)|Colônia]], em 1056. Teve um papel de destaque no governo da [[Alemanha]] durante a menoridade de [[Henrique IV, Sacro Imperador Romano-Germânico|Henrique IV]] e foi líder de uma facção que em 1062 sequestrou Henrique, e privou a sua mãe, a [[Inês da Aquitânia|imperatriz Inês]], do poder. Por um curto período Anno exerceu a principal autoridade no reino, mas logo foi obrigado a compartilhar isso com [[Adalberto de Bremen|Adalberto, Arcebispo de Bremen]], e [[Sigefredo I|Sigefredo I, Arcebispo de Mainz]], retendo para si a supervisão da educação de Henrique e o título de ''magistrado''.
 
O cargo de chanceler do [[Reino Itálico|reino da Itália]] foi, neste período considerado como um [[apanágio]] do arcebispado de Colônia, e esta foi provavelmente a razão pela qual Anno teve uma boa parte da participação na resolução do litígio papal em 1064. Declarou que [[Papa Alexandre II|Alexandre II]] era o papa legítimo em um sínodo realizado em [[Mântua]] em maio de 1064, e tomou outras medidas para garantir o seu reconhecimento. Retornando à Alemanha, encontrou o supremo poder nas mãos de Adalberto, e como não era benquisto pelo jovem rei, deixou a corte, mas voltou e recuperou parte de sua antiga influência quando Adalberto foi destituído do poder em 1066. Teve sucesso em reprimir um levante contra a sua autoridade em Colônia, em 1074, e foi relatado que se aliou a [[Guilherme I de Inglaterra|Guilherme, o Conquistador]], Rei da Inglaterra, contra o imperador. Após ter-se livrado dessa acusação, Anno não tomou mais parte dos negócios públicos e morreu na Abadia de Michaelsberg, [[Siegburg]], em 4 de dezembro de 1075, onde foi sepultado.
 
Foi [[Canonização|canonizado]] em 1183 pelo [[Papa Lúcio III]]. Foi fundador e co-fundador de mosteiros ([[Abadia de Michaelsberg|Michaelsberg]], [[Abadia de Grafschaft|Grafschaft]] e [[Abadia de Affligem|Affligem]]) e um construtor de igrejas. Defendeu o [[celibato]] clerical e introduziu uma disciplina rigorosa em vários mosteiros. Era um homem de grande energia e capacidade, cuja ação em reconhecer Alexandre II foi da maior importância para Henrique IV e para a Alemanha.