Abrir menu principal

Alterações

7 bytes adicionados ,  22h50min de 1 de agosto de 2012
sem resumo de edição
 
== História ==
Binot Paulmier de Goneville, nobre da [[Normandia]] (região norte da França), partiu do porto de [[Honfleur]] em [[24 de junho]] de [[1503]], no comando do navio l'Espoir (o Esperança), com destino às [[Índias Orientais]]. Após escala nas [[Cabo Verde]] e em vários trechos do litoral africano, chegou ao [[Cabo da Boa Esperança]], onde uma tempestade desviou seu navio da rota original e o fez vagar durante semanas pelo [[Atlântico]]. Em [[6 de janeiro]] de [[1504]], o capitão Gonneville ancorou nas proximidades do estuário de um pequeno rio, que ele compara ao Orne, no litoral sul do [[Brasil]]. Neste local, que muitos identificam como sendo a IlhaPraia deda SãoTainha Francisco,e Canto Grande em [[Santa Catarina]], permaneceu durante seis meses, estabelecendo amizade com os indígenas locais, liderados por um ancião chamado Arô Içá, a que os franceses, pelas características de sua língua natal, chamavam Arosca. Ao partir, Gonneville levou consigo o filho do [[cacique]] Arosca, Içá Mirim, então com 14 anos de idade, para "ensinar-lhe a arte da artilharia e mostrar-lhe a vida entre os cristãos", conforme assinala o escritor Carlos da Costa Pereira, em Um Capítulo da Expansão Bandeirante. Prometeu a Arosca que o traria de volta em 20 meses, mas o naufrágio do Espoir já no litoral da França o impediu de cumprir a palavra empenhada.
 
Içá-Mirim, acompanhado por um guerreiro da tribo Carijó, chamado Namoa, embarcou para a França e recebeu o batismo a bordo do Espoir, adotando o nome de Binot. Namoa faleceu na viagem, provavelmente de [[escorbuto]]. Içá-Mirim foi educado na França, e casou-se com Suzanne, uma das filhas do Capitão Binot Paulmier, com a condição de que os descendentes do casal usassem o nome e o brasão de armas da tradicional família francesa. Içá Mirim, ou Binot entre os franceses, nunca mais retornou ao Brasil, mas tornou-se um homem de grande importância e cultura, tendo recebido o título de [[Barão]]. Faleceu aos noventa e seis anos de idade. Tornou-se célebre o abade Jean de Gonneville, bispo de Saint Pierre de Lissieux, em Calvados, que era neto de Essomeric e que tentou localizar a Declaração de Viagem de seu trisavô Binot Paulmier, empreendimento no qual não teve sucesso. O documento da viagem foi encontrado no [[século XIX]], por [[Paul Gaffarel]], no Almirantado da Normandia. Foi graças a ele que se pôde reconstruir boa parte da história da heróica e ousada viagem do Conde Binot Paulmier de Gonneville, certamente o maior dos navegadores franceses do [[século XVI]].
Utilizador anónimo