Abrir menu principal

Alterações

1 567 bytes adicionados, 02h04min de 21 de agosto de 2012
sem resumo de edição
 
O acordo firmado em 2008 previa ainda que a Petrobras receberia direitos de exploração de petróleo na principal região petrolífera da Venezuela, a Faixa do [[Orinoco]]. Após um novo e duro ciclo de negociações<ref>''"Imbróglio na Refinaria Abreu e Lima"'', '''Energia Hoje''', 21/02/2009 http://www.energiahoje.com/index.php?ver=mat&mid=375531</ref> <ref>''"Lula e Chavez não chegam a acordo sobre refinaria Abreu e Lima em Pernambuco"'', '''O Globo''', 26/05/2009, http://oglobo.globo.com/economia/mat/2009/05/26/lula-chavez-nao-chegam-acordo-sobre-refinaria-abreu-lima-em-pernambuco-756036600.asp</ref> <ref>''"Brasil e Venezuela avançam em Mercosul, mas refinaria fica para depois"'', '''BBC''', 26/05/2009, http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2009/05/090526_lula_chavez_cq.shtml </ref>, em 2012, o diretor do Abastecimento da Petrobras, José Carlos Cosenza, afirmou que o prazo da estrangeira vai até novembro deste ano. O acordo prevê instalações ainda maiores, com maior capacidade de refino. Sozinha, a estatal brasileira já construiu 50% do projeto e prevê início de operação para meados de 2013 <ref>''"Consenza dá prazo até Novembro para PDVSA entrar como sócia em RNEST"'', '''petronoticias''', 18/05/2012 http://www.petronoticias.com.br/archives/9025</ref>.
 
O acordo inicial previa um projeto com dois trens de refino, um para o petróleo brasileiro do Campo de Marlim, da bacia de Campos, e um segundo para processar o óleo de Carabobo, na Venezuela, mais pesado.
Atualmente a refinaria está preparada somente para o óleo brasileiro.
Para receber o petróleo mais pesado do país vizinho, seria necessário um investimento extra de US$ 300 milhões em uma planta de redução de enxofre.
Para formalizar a parceria, a PDVSA precisaria acertar as garantias de um empréstimo feito junto ao BNDES e também colocar 40% do que foi gasto no projeto.
 
== Perspectivas, críticas e disputas ==
 
Além disso, novas refinarias podem ser consideradas fundamentais para a economia do Brasil, pois a atividade industrial de refino agrega um valor enorme ao petróleo. Com o barril de petróleo (159 litros) sendo negociado a US$ 50,00, o preço do litro de petróleo fica em cerca de 0,30 centavos, enquanto o litro da gasolina vale 4 vezes mais. Outros derivados de petróleo, como os polímeros (plásticos), podem valer 40 ou até 50 vezes mais do que o óleo cru.
 
De acordo com uma fonte próxima à Petrobras, os protestos do último ano e meio paralisaram em pelo menos 60 dias as obras da Rnest, como também é chamada a Abreu e Lima.
 
O início das operações da Abreu e Lima já foi adiado cinco vezes. O cronograma inicial da refinaria, em construção no Estado de Pernambuco, previa a partida do primeiro trem de refino em novembro de 2011. Hoje, a previsão é de que a refinaria fique pronta somente em novembro de 2014, segundo a Petrobras.
O custo inicial do projeto, segundo dados oficiais do plano de negócios da estatal para o período 2012-2016, era de US$ 2,3 bilhões. Atualmente o seu custo total já chega US$ 20,1 bilhões, ou nove vezes o valor inicial, segundo a estatal.
O atraso da refinaria ocorre em um momento em que a Petrobras atinge recordes de importação de combustíveis que a levaram, juntamente com o câmbio, a um prejuízo trimestral de R$ 1,34 bilhão de abril a junho, o primeiro em 13 anos.
 
 
===Disputas políticas===
Utilizador anónimo