Diferenças entre edições de "Sistema límbico"

Sem alteração do tamanho ,  22h30min de 21 de novembro de 2012
* '''[[Hipocampo]]''': Envolvido com os fenômenos da memória de longa duração. Quando ambos os hipocampos (direito e esquerdo) são destruídos, nada mais é gravado na [[memória]]. Um hipocampo intacto possibilita ao animal comparar as condições de uma ameaça atual com experiências passadas similares, permitindo-lhe, assim, escolher qual a melhor opção a ser tomada para garantir sua preservação.
* '''[[Tálamo (anatomia)|Tálamo]]''': São lesões ou estimulações do dorso medial e dos núcleos anteriores que estão correlacionadas com as reações da reatividade emocional do homem e dos animais. A importância dos núcleos na regulação do comportamento emocional possivelmente decorre, não de uma atividade própria, mas das conexões com outras estruturas do sistema límbico. O núcleo dorso-medial conecta com as estruturas corticais da área pré-frontal e com o hipotálamo. Os núcleos anteriores ligam-se aos corpos mamilares no hipotálamo(e através destes, via fornix, com o hipocampo) e ao giro cingulado.
* '''[[Hipotálamo]]''': É parte mais importante do sistema límbico (que atua principalmente no controle da temperatura corporal das aves e mamíferos). Além de seus papéis no controlocontrole do [[comportamento]], essas áreas também controlam várias condições internas do corpo, como a temperatura, o impulso para comer e beber, etc. Essas funções internas são em conjunto denominadas funções vegetativas do encéfalo, e seu controlo está relacionado com o comportamento. Ele mantém vias de comunicação com todos níveis do sistema límbico. O hipotálamo desempenha, ainda, um papel nas emoções. Especificamente, as partes laterais parecem envolvidas com o prazer e a raiva, enquanto que a porção mediana parece mais ligada à aversão, ao desprazer e a tendência ao riso (gargalhada) incontrolavel. De um modo geral, contudo, a participação do hipotálamo é menor na gênese do que na expressão(manifestações sintomáticas) dos estados emocionais. Quando os sintomas físicos da emoção aparecem, a ameaça que produzem, retorna, via hipotálamo, aos centros límbicos e, destes, aos núcleos pré-frontais, aumentando, por um mecanismo de feed-back negativo, a [[ansiedade]], podendo até chegar a gerar um estado de [[pânico]]. O Conhecimento desse fenômeno tem, como veremos adiante, importante sentido prático, dos pontos de vista clínico e terapêutico.
* '''[[Giro cingulado]]''': Situado na face medial do cérebro entre o sulco singulado e o [[corpo caloso]], que é um feixe nervoso que liga os 2 hemisférios cerebrais. Há ainda muito por conhecer a respeito desse giro, mas sabe-se que a sua porção frontal coordena odores, e visões com memórias agradáveis de emoções anteriores. Esta região participa ainda, da reação emocional à dor e da regulação do comportamentto agressivo. A ablação do giro cingulado ([[cingulectomia]]) em animais selvagens, domestica-os totalmente. A simples secção de um feixe desse giro ([[cingulomia]]), interrompendo a comunicação neural do [[circuito de Papez]], reduz o nível de depressão e de ansiedade pré-existentes.
* '''[[Tronco cerebral]]''': Região responsável pelas reações emocionais. Na verdade, apenas respostas reflexas de alguns [[vertebrados]], como [[répteis]] e os [[anfíbios]]. As estruturas envolvidas são a formação [[retículo|reticular]] e o [[locus cérulus]], uma massa concentrada de neurônios secretores de norepinefrina. É importante assinalar que, até mesmo em humanos, essas primitivas estruturas continuam participando, não só dos mecanismos de alerta, vitais para a sobrevivência, mas também da manutenção do [[ciclo vigília-sono]].
Utilizador anónimo