Abrir menu principal

Alterações

Em meados de [[2001]] foi retomada a discussão da COP 6 em [[Bonn]], no que ficou conhecida como COP 6 BIS. Nessa reunião foi estabelecido o [[Acordo de Bonn]], no qual foram feitas concessões de modo a garantir a permanência de países como o [[Japão]] e a [[Federação Russa]], necessária para a entrada em vigor do Protocolo. Este acordo também permitiu diferentes interpretações quanto a temas como [[LULUCF]] (Land use, Land use change and Forestry), por países que passaram a rever suas posições quando da saída dos EUA e das concessões realizadas a outros países.
 
No fim de [[2001]], foi realizada a COP 7 em [[Marraquech]], sendo obtido o [[Acordo de MarraquexeMarraquech]] que contemplava aspectos políticos do [[Acordo de Bonn]] e ambientais do [[Protocolo de Quioto]]. Este acordo define as regras operacionais para LULUCF, [[mecanismos de flexibilização]], definição do sistema nacional de inventários de emissões, informações adicionais derivadas do Protocolo de Quioto e do processo de revisão das comunicações nacionais. Foi necessário que os países da União Européia e do [[G77]] e [[China]] cedessem espaço aos países do ''Umbrella Group'' (Japão, Austrália, Canadá e Federação Russa). Mesmo que as reduções previstas no Protocolo de Quioto sejam atingidas, estas não serão suficientes para diminuir significativamente a interferência do homem no sistema climático. Na COP 7 foi criado também o Comitê Executivo do MDL e foi elaborada uma declaração que enfatiza a relação entre desenvolvimento sustentável e mudanças climáticas, definindo como prioridade nos países em desenvolvimento a erradicação da pobreza e o desenvolvimento.
 
Existe grande preocupação com o regime pós-Quioto, e sua discussão oficial começou na COP-11 em [[Montreal]]. Têm ocorrido discussões sobre o que deve ser feito após 2012 e como incluir países em desenvolvimento (principalmente [[China]], [[Índia]] e [[Brasil]]) na questão da limitação das emissões, o que é uma questão problemática já que neste bloco encontram-se tanto países muito pobres, como aqueles do continente africano, quanto o país com a maior taxa de crescimento no mundo e, em breve, um dos maiores emissores de GEE, a [[China]].
Utilizador anónimo