Diferenças entre edições de "Cerco de Berati (1280–1281)"

1 byte adicionado ,  22h06min de 30 de dezembro de 2012
m
== Resultado ==
 
A vitória de Berat representou o maior sucesso de Miguel VIII na batalha contra os latinos desde a [[batalha de PelagoniaPelagônia]] 20 anos antes. Os muitos prisioneiros, incluindo Hugo, foram levados para Constantinopla, onde eles desfilaram publicamente em um triunfo celebrado pelo exultante imperador, que ordenou ainda [[afresco]]s em seu palácio que retratassem as cenas da campanha.<ref name=Nicol66 /><ref name=Set137 />{{harvref|Geanakoplos|1959|p=333-334}} No rescaldo de sua vitória em Berat, as tropas imperiais restauraram seu controle na Albânia exceto em duas fortalezas angevinas, Dirráquio e Valona. A derrota encerrou os projetos de Carlos de um assalto em território bizantino, mas o governante angevino agora redobrou seus esforços, com o objetivo de lançar uma invasão marítima do império, com a ajuda de [[República de Veneza|Veneza]].{{harvref|Nicol|1993|p=66-67}}{{harvref|Geanakoplos|1959|p=334}} Isso ele garantiu com o [[Tratado de Orvieto]] em 1281. O papado também, após a eleição do pró-angevino [[Papa Martinho IV|Martinho IV]], finalmente sancionou seus planos, excomungando Miguel Paleólogo e terminando com a união das Igrejas. Miguel VIII contestou isto com uma aliança com [[Pedro III de Aragão]] (r. 1276-1285), e com seu apoio a várias forças anti-angevinas na Itália. Assim como Carlos estava pronto para lançar seu ataque, um levante conhecido como as [[vésperas sicilianas]] eclodiu em 30 de março de 1282. As [[Guerras das vésperas sicilianas|guerras]] subsequentes, em grande parte, resultaram dos esforços diplomáticos de Miguel, terminando a ameaça angevina ao império.{{harvref|Geanakoplos|1959|p=335ff.}}{{harvref|Setton|1976|p=138ff.}}
 
{{referências|col=2}}