Diferenças entre edições de "Púrpura tíria"

2 bytes removidos ,  03h39min de 3 de janeiro de 2013
m
Typo fixing replaced: violetas → violeta; púrpuras -> púrpura utilizando AWB (8686)
m (Robô: A adicionar: la:Coccum (baca))
m (Typo fixing replaced: violetas → violeta; púrpuras -> púrpura utilizando AWB (8686))
No [[hebraico bíblico]], a tinta extraída do ''Murex brandaris'' era conhecida como ''argaman'' (ארגמן). Outra tinta, extraída do ''Hexaplex trunculus'', produzia uma cor [[índigo]] chamada de ''[[tekhelet]]'' (תְּכֵלֶת‎), usada em vestes trajadas para funções rituais.<ref>Elsner, O. "Solution of the enigmas of dyeing with Tyrian purple and the Biblical tekhelet", ''Dyes in history and Archaeology'' '''10''' (1992) p 14f.</ref>
 
Diversas espécies de moluscos da família [[Muricidae]], como por exemplo o ''Plicopurpura pansa'' (Gould, 1853), das regiões [[Trópico|tropicais]] do [[Oceano Pacífico]] oriental, e ''Plicopurpura patula'' (Linnaeus, 1758) da região do [[Caribe]], no [[Oceano Atlântico]] ocidental, também produzem uma substância semelhante (que se transforma numa cor púrpura duradoura após exposição à luz do sol), e esta característica foi também explorada pelos habitantes locais nas regiões de ocorrência destes animais. Alguns outros gastrópodes predatórios, como os membros da família [[Epitoniidae]], parecem produzir uma substância similar, que ainda não foi estudada nem explorada comercialmente. O molusco ''[[Nucella lapillus]]'', do [[Atlântico Norte]], também pode ser usado para produzir tintas púrpuraspúrpura e violetasvioleta.<ref>Biggam, Carole P. ''Whelks and purple dye in Anglo-Saxon England''. Departmento da Língua Inglesa, [[Universidade de Glasgow]], [[Escócia]]. ''The Archaeo-Malacology Group Newsletter'', ed. 9, março de 2006. [http://triton.anu.edu.au/MalacGp09.pdf]</ref>
 
Na natureza estes moluscos utilizam esta secreção como parte de seu comportamento [[predatório]], e para funcionar como uma camada [[antimicrobiana]] que cobre seus [[ovo]]s.<ref name="Benkendorff">{{citar periódico | autor = Benkendorff, Kirsten | título = Bioactive molluscan resources and their conservation: Biological and chemical studies on the egg masses of marine molluscs | editora = [[Universidade de Wollongong]] |data= março de 1999|url = http://www.library.uow.edu.au/adt-NWU/public/adt-NWU20011204.154039/index.html|formato = PDF | acessodata = 25-2-2008| arquivourl = http://web.archive.org/web/20070830143907/http://www.library.uow.edu.au/adt-NWU/public/adt-NWU20011204.154039/index.html <!-- Bot retrieved archive --> | arquivodata = 30-8-2007}}</ref><ref>Devido aos estudos de Benkendorff et al., o precursor da púrpura tíria, [[tirindoleninona]], vem sendo examinada como sendo um potecial agente antimicrobiano para ser utilizado contra [[bactérias]] [[resistentes a múltiplas drogas]].</ref> O molusco secreta esta substância quando é tocado ou atacado fisicamente por humanos, portanto a tinta pode ser extraída através de um processo de "[[ordenha]]", que embora seja mais trabalhoso é um [[recurso renovável]], ou através do método destrutivo, que consiste da coleta dos moluscos e do esmagamento de suas conchas. Segundo David Jacoby,<ref>Jacoby, "Silk Economics and Cross-Cultural Artistic Interaction: Byzantium, the Muslim World, and the Christian West" ''Dumbarton Oaks Papers'' '''58''' (2004:197-240) p. 210.</ref> "doze mil conchas de ''[[Murex brandaris]]'' não produzem mais que 1,4 g de tinta pura, suficiente apenas para colorir a bainha de uma única veste."
81 985

edições