Abrir menu principal

Alterações

m
Colocadas algumas referencias
O [[PCE]] exige a ilegalização do POUM e procede-se à detenção dos seus dirigentes famílias, que passam à clandestinidade. As milícias do partido na frente são dissolvidas à força.
 
[[Andreu Nin]] e a maior parte dos dirigentes do POUM foram detidos e sequestrados sem que as autoridades da Generalitat da Catalunha tivessem sido advertidas nem consultadas. Seis dias depois da sua detenção, [[Andreu Nin]] foi sequestrado. A versão oficial calunia o POUM, acusando-o de ser uma ligação fascista e conclui que os seus raptores eram agentes da [[Gestapo]]. Após a abertura, a seguir a [[1989]], de alguns arquivos secretos em Moscovo, foram obtidas provas concludentes da participação de agentes de Estaline no sequestro e posterior assassinato de [[Andreu Nin]]. Outras figuras importantes do partido foram sequestrados e mortos sem julgamento,<ref>{{citar livro|autor= Hellmuth Gunter Dahms|título=”A Guerra Civil Espanhola” |página=166 |editora=Editorial Ibis Ltda |ano=1968 |tradução=Daniel Brilhante de Brito|local=Rio de Janeiro|lingua3=pt}}</ref> como o anarquista italiano [[Camillo Berneri]].<ref name=berneri>{{citar web |url=http://www.libcom.org/library/tragic-week-may-days-barcelona-1937-souchy|publicado=libcom.org|título="The Murder of Berneri and Barbieri"|data= |acessodata=6 janeiro 2013 |língua=en}}</ref>
 
O governo de [[Largo Caballero]] (PSOE) tentou resistir as pressões soviéticas para erradicar os partidos dissidentes, nomeadamente tentou opor-se à ilegalização e repressão contra o POUM. Porém, a queda de Largo Caballero, devida em parte aos Factos de Maio, veio promover a figura de Juan Negrín, menos renuente a tais manobras, o qual sentenciou o destino do POUM.
Na União Soviética, parte da política de erradicação dos opositores, como [[Bukharine]], [[Kamenev]] ou o mesmo [[Trotsky]], centrou-se na associação propagandística destes num conluio fascista internacional do qual seriam meros agentes para a desestabilização da revolução.
 
A mesma política foi promovida na Espanha por Moscovo contra os anarquistas e contra o POUM. [[George Orwell]] escreve que, na véspera dos Factos de Maio de [[1937]] em Barcelona, as publicações em mãos do governo tinham assumido e espalhado a ideia com tanta naturalidade que era difícil até em periódicos esquerdistas estrangeiros que não se pensasse que o POUM era manejado a partir de Berlim. Isto parecia ainda mais evidente se tivermos em conta que o partido acusava a república, e a sua prioridade de ganhar a guerra, de contrarrevolucionários.
 
== O POUM após o fim da Guerra Civil (1939-1980) ==
== Memória do POUM ==
A social-democracia espanhola e, sobretudo, a catalã (via MSC), tem tentado reivindicar com própria a memória do POUM. Ao mesmo tempo, os diversos grupos políticos que se reclamam herdeiros do [[PCE]] histórico mantêm acusações similares contra o POUM àquelas que foram feitas a partir de [[1937]]. Contudo, a mensagem marxista revolucionária do partido é mantida graças à [http://www.fundanin.org Fundação Andreu Nin], que se declara continuadora do POUM. Igualmente, historiadores como Andrew Durgan ou Agustín Guillamón Iborra têm publicado desde a [[década de 1990]] uma série de trabalhos sobre o POUM.
 
{{referências}}
 
{{Portal3|Espanha|Sociedade|Política}}