Diferenças entre edições de "Bobby Fischer"

1 271 bytes removidos ,  21h58min de 30 de janeiro de 2013
m
Reversão de uma ou mais edições de 189.94.73.205 para a versão 32520963 de Yanguas (Achismo com assassinatos ao idioma), com Reversão e avisos.
m (Reversão de uma ou mais edições de 189.94.73.205 para a versão 32520963 de Yanguas (Achismo com assassinatos ao idioma), com Reversão e avisos.)
* "Não sou um computador como os outros querem pensar. Botvinnik disse uma vez que calculo melhor que os demais, que sou uma máquina, um homem prodígio e também fui uma criança prodígio. Aqui não há prodígio algum. Sou meramente um homem, mas um homem extraordinário. Estudo e aprendo cada dia mais e mais, um dia hão de ser meus o carro mais caro e a casa mais bonita. Na América não há ninguém que possa comparar-se comigo. Fui campeão nacional 7 vezes o que começa a ser fatigante. Aos 14 anos fui campeão nacional, com 16 "grande mestre", com 27 anos sou o melhor do mundo e com 28 serei declarado oficialmente campeão mundial. Meu objetivo é que ninguém no planeta saiba "mexer as peças" melhor do que eu!" Robert James (Bobby) Fischer, 1971.
* "No final dos anos 1990 surgiu no ICC (Internet Chess Club) um jogador anônimo que superou muitos dos melhores jogadores do mundo em jogos relâmpago de 3 minutos, e rapidamente se disseminaram os boatos de que este jogador poderia ser Bobby Fischer. Nada ficou comprovado e até hoje não se sabe quem foi este jogador, mas um episódio envolvendo o vice-campeão mundial Nigel Short foi bastante marcante. Short havia sido informado sobre estas "aparições", mas não as levava a sério, até que em certa ocasião foi convidado por um ''guest'' para uma partida. Ele aceitou e o ''guest'' começou a jogar lances exóticos e passear com o Rei pela frente dos Peões logo nos primeiros lances. Porém, repentinamente, depois de intencionalmente ter degradado muito a própria posição, o ''guest'' passou a jogar lances fortíssimos e o venceu. Jogaram várias outras partidas, e em todas elas o ''guest'' passeava com o Rei, deteriorava a própria posição, e depois começava a jogar 'para valer' e vencia. Ao relatar o episódio, Short apresenta vários motivos para ter concluído que de fato foi Fischer quem o venceu daquela maneira. Short comentou que há alguns meses ele havia empatado em 12x12 um ''match'' relâmpago contra Kasparov, portanto não havia muitas pessoas no mundo que pudessem vencê-lo por 7x0 ou algo assim, sobretudo iniciando o jogo com ''handcap'' de roque e vários lances a mais, aliás, provavelmente só uma pessoa poderia ter feito isso: Bobby Fischer."
 
* "
Em uma entrevista sobre as perseguições americanas, ele declarou o seguinte:
''Estavam(governo americano) esperando que o povo ficasse com a atenção voltada para os jogos olimpicos pela TV para só então me deportarem. Minha historia será pequena e ninguém dará atenção. É questão de tempo. Eu serei acusado, convicto, sentenciado, posto na prisão assassinado
 
Estão se preparando para me deportarem para os Estados Unidos onde serei assassinado.
Não há nenhuma justiça lá. Estão prontos para me julgar e matar-me. É difícil deportar-me porque "o suposto crime" qual eu cometi em 1992, não é um crime em nenhuma parte do planeta. Assim fizeram todo este circo ao redor disso dizendo que tinha um passaporte ilegal. Não me tocaram na Suíca, aquele é um país neutro, mas esperaram que eu chegasse ao Japão, onde os estados unidos têm o controle.
Eu penso de que os estados unidos queriam me deportar dois dias depois de minha prisão. Tentaram me fazer parecer um fugitivo, correndo e escondendo com um passporte ilegal, pelo quê fui detido. Mais tarde todo o mundo se deu conta dessa farça. Ainda bem que ainda existem muitas pessoas honestas que não jogarão a favor da America do Norte.
Os Estados Unidos são o mau do mundo..''"
 
 
 
{{referências}}
640 529

edições