Línguas osco-úmbricas: diferenças entre revisões