Abrir menu principal

Alterações

126 bytes adicionados, 22h31min de 9 de abril de 2013
títulos em minúsculas + tradução notas
|coroação =
|outrostítulos =
|nome completo = Flávio Basilisco Augusto<br>''Flavius Basiliscus Augustus''
|antecessor = [[Zenão I]], deposto
|sucessor = [[Zenão I]], restaurado
|suc-tipo =
|herdeiro = [[Marcos (filho de Basilisco)|Marcos]], ([[César (título)|''Césarcésar'']] e mais tarde [[Augusto (título)|''Augustoaugusto'']])
|rainha =
|consorte =
Basilisco era irmão da imperatriz [[Aelia Verina]], a esposa do imperador [[Leão I de Bizâncio]] (457-474). Sua relação com o imperador lhe permitiu ter uma carreira militar que lhe trouxe pequenos êxitos, terminando em 468, quando liderou a desastrosa invasão bizantina na [[África]] [[Vândalos|vândala]], uma das maiores operações militares da [[antiguidade tardia]].
 
Basilisco conseguiu o poder em 475, explorando a impopularidade do imperador Zenão, o sucessor "bárbaro" de [[Leão II de Bizâncio|Leão II]]. Um complô organizado por Verina provocou a fuga de Zenão de Constantinopla. Todavia, durante seu pequeno mandato, Basilisco ganhou a antipatia da [[Igreja Católica]] e do povo de Constantinopla, exaltando o [[Cristianismocristianismo]] em oposição a fé do [[Concílio de Calcedônia]], que recebia maior aceitação. Além disso, sua política de assegurar seu poder mediante a nomeação para cargos importantes de homens leais a si o tornou inimigo de figuras influentes da corte imperial, incluindo sua irmã Verina. Então, quando Zenão tentou recuperar seu império, praticamente não encontrou oposição, entrando em Constantinopla triunfalmente, capturando e matando Basilisco e sua família.
 
A luta entre Basilisco e Zenão impediu a intervenção do [[Império Romano do Oriente]] na queda do [[Império Romano do Ocidente]], que se iniciou no princípio de setembro de 476. Quando o chefe dos [[hérulos]], [[Odoacro]], depôs o imperador do Ocidente, [[Rômulo Augusto]], enviando as insígnias imperiais a Constantinopla, Zenão acabava de recuperar seu trono, e teve que nomear Odoacro ''[[dux]]'' da [[Itália (província romana)|Itália]], terminando assim o Império Romano do Ocidente.
== Origem e começo de carreira==
[[Imagem:Tremissis-Aelia Verina-s4344.jpg|thumb|300px|upright|Moeda cunhada em nome de [[Aelia Verina]], esposa e posterior viúva do imperador [[Leão I de Bizâncio|Leão I]]. Como irmã de Basilisco, Verina o ajudou tanto em sua carreira política como militar.]]
Provavelmente de origem [[Bálcãs|balcânica]],<ref name="elton">Elton.</ref> Basilisco era irmão de [[Aélia Verina]], esposa do imperador [[Leão I de Bizâncio|Leão I]]. Tem-se argumentado que Basilisco era tio do chefe dos [[hérulos]], [[Odoacro]]. Essa ligação é baseada na interpretação de um fragmento de [[João I de Antioquia]] (209.1), que afirma que Odoacro e [[ArmatusArmato]], sobrinho de Basilisco, eram irmãos.<ref>Krautschick.</ref> Entretanto, essa interpretação não é aceita por todos os estudiosos, pois as fontes não dizem nada sobre uma origem estrangeira de Basilisco.<ref>Macgeorge.</ref> Sabe-se que Basilisco tinha uma esposa, [[Zenonis]], e pelo menos um filho, [[Marcos (filho de Basilisco)|Marcos]].
 
A carreira militar de Basilisco começou sob o comando de Leão I. O imperador deu a seu cunhado o título de ''[[dux]]'', ou comandante em chefe, na [[Trácia]].<ref name="smith">Smith.</ref> Neste país Basilisco liderou uma bem-sucedida campanha militar contra os [[Protobúlgaros|búlgaros]] em 463. Não obstante, sucedeu Rusticius no cargo de ''[[Magister militum|magister]] militumda per Thracias[[Trácia]]'' (464), e obteve vários sucessos contra os [[godos]] e [[hunos]] (466 ou 467).<ref name="martindale">Martindale.</ref>
 
Por estes êxitos, a influência de Basilisco foi crescendo e ganhando uma maior consideração com o imperador Leão. A intercessão de Verina em favor de seu irmão ajudou a carreira militar e política de Basilisco, com a atribuição do [[cônsul]] em 465 e, possivelmente o posto de ''[[patrício]]''.<ref>Martindale. ItÉ istambém alsopossível possibleque thato hegrau attained the rank ofde ''patriciuspatrício'' intenha sido atribuído em 471/472, forpara helpingajudar LeoLeão toa getlivrar-se ridda ofinfluência thegermânica Germanicna influencesua incorte, hismas court, butuma therereferência isanterior a referenceBasilisco to Basiliscus ascomo ''patriciuspatrício"'' earlier, inem 468.</ref> Sua breve ascensão, no entanto, sofreu umaum sériasério reversãorevés.<ref name="elton" />
 
==A desastrosa expedição contra os vândalos==
Em 468, Leão escolheu Basilisco para que fosse o líder da famosa expedição militar contra [[Cartago]]. A invasão do reino dos [[vândalos]] foi uma das maiores operações militares registrada na história, com mais de mil navios e cem mil soldados envolvidos. O objetivo da operação era punir o rei vândalo [[Genserico]] pelo [[Saque de Roma (455)|saque de Roma em 455]], no qual a antiga capital do [[Império Romano do Ocidente]] havia sido devastada, e a imperatriz [[Licínia Eudóxia]] (viúva do imperador [[Valentiniano III]]) e suas filhas foram tomadas como reféns.<ref name="elton" /><ref name="smith" />
 
O plano foi concluído entre o imperador do Império Romano do Oriente, Leão, e o imperador do [[Império Romano do Ocidente]], [[Antêmio]] e o general [[MarcellinusMarcelino]] que desfrutava de uma certa independência em [[Ilíria]]. Basilisco recebeu ordens de navegar diretamente para Cartago, enquanto MarcellinusMarcelino atacava e tomava a [[Sardenha]], e um terceiro exército, comandado por [[HeracliuHeráclio de Edessa]], desembarcava na costa da [[Líbia]] a leste de Cartago, avançando rapidamente. Aparentemente as forças encontraram-se na [[Sicília]], onde as três frotas dividiram-se em períodos distintos.<ref name="smith" />
 
Historiadores antigos e modernos, fornecem diferentes estimativas sobre o número de navios e tropas sob o comando de Basilisco, bem como sobre o custo da expedição. Ambas eram enormes; [[Nicéforo Gregoras]] estima em cem mil navios, enquanto [[Jorge Cedreno]] proporciona dados mais confiáveis afirmando que a frota que atacou Cartago consistia em mil cento e treze navios, estando cada navio com cem homens a bordo.<ref>[[Georgios Kedrenos|Georgius Cedrenus]], through Smith.</ref> A estimativa mais conservadora para as despesas da expedição é de {{formatnum:64000}} libras de ouro, uma quantia que superava a receita de um ano inteiro.<ref>Boardman.</ref>
 
Sardenha e Líbia já haviam sido conquistadas por MarcellinusMarcelino e HeracliuHeráclio, quando Basilisco chegou emno ''promontorium Mercurii'', hoje chamado [[Cabocabo Bon]], a cerca de quarenta milhas de Cartago. Genserico solicitou cinco dias para poder elaborar as condições de uma paz.<ref>Procopius[[Procópio suggestsde thatCesareia]] Geisericsugere supportedque hisGenserico requestapoiou forseu apedido trucede withuma atrégua com um bribesuborno.</ref> Durante as negociações, no entanto, Genserico reuniu seus navios e de repente atacou a frota romana. Os vândalos haviam levado muitos de seus navios com materiais combustíveis, e, à noite, estes [[brulote]]s foram enviados contra a frota invasora. Por sua vez, os comandantes bizantinos tentaram resgatar alguns navios da destruição, porém suas tentativas foram bloqueadas pelo ataque de outros navios vândalos.<ref name="smith" />
 
Basilisco fugiu no meio da batalha.<ref>Basiliscus'O lieutenantlugar-tenente de Basilisco, Joannes, whenquando overpoweredvencido bypelos the Vandalsvândalos, refusedrecusou theo pardonperdão thatque wasfoi promisedprometido hima byele por Genso, theo sonfilho ofde GaisericGenserico, andvestiu leapeduma overboardgrande inarmadura heavye armor and drowned himself inafogou-se theno seamar. HisSuas lastúltimas wordspalavras wereforam thatque heele couldnão notpodia bearsuportar torender-se surrender to thoseaos "impiouscães dogsímpios" ofdos the Vandalsvândalostheos Vandalsvândalos, inde factfato, wereeram [[ArianismArianismo|Ariansarianos]] (ProcopiusProcópio).</ref> Metade da frota romana foi queimada, afundada, ou capturada, e a outra metade fugiu com Basilisco. A expedição foi um fracasso. Heráclio se retirou através do deserto até [[Tripolitânia]], mantendo a posição por dois anos até que foi chamado de volta;. Marcelino retirou-se para Sicília, onde foi acompanhado por Basilisco;<ref name=friell /> o general foi, no entanto, assassinado, talvez por instigação de [[Ricimero]], por um de seus próprios capitães. O rei dos vândalos, expressou sua surpresa e satisfação pelo fato de que os próprios romanos se dedicaram a eliminar seus inimigos mais formidáveis.<ref name="smith" />
 
Depois de voltar para Constantinopla, Basilisco se escondeu na [[Basílica de Santa Sofia]] para escapar da ira do povo e da vingança do imperador. Através da mediação de Verina, ele obteve o perdão imperial, e foi punido simplesmente com o exílio para [[Heraclea Sintica]], na Trácia.<ref name="bury">Bury.</ref>
 
==Ascensão ao poder==
Em 471 e 472, Basilisco ajudou Leão I a se livrar da influência germânica em sua corte, ajudando no assassinato do ''Magistermagister militum'' [[Alanos|alano]] [[Aspar]]. A morte de Aspar causou uma revolta na Trácia, liderada pelo [[Ostrogodos|ostrogodo]] trácio [[Teodorico Estrabão]], e Basilisco foi enviado para reprimir a revolta, onde obteve sucesso com a ajuda de seu sobrinho ArmatusArmato. Em 474, recebeu a patente de ''caput senatus'', "o primeiro entre os senadores".<ref name="martindale"/>
 
Com a morte de Leão, [[Zenão I]], que era um "bárbaro" de [[Isáuria]], todavia ao mesmo tempo era casado com uma filha do imperador, subiu ao trono, depois de um curto reinado de seu próprio filho, [[Leão II de Bizâncio]] (474). As origens "bárbaras" do imperador Zenão causaram uma certa antipatia entre o povo de [[Constantinopla]]. Além disso, uma parte significativa do exército era formada por soldados de origem germânica, liderado por Teodorico Estrabão, que detestava os oficiais [[Isáuria|isáuricos]] que Leão trouxe para reduzir sua dependência dos ostrogodos. Por último, Zenão fugiu de seu companheiro e general isáurico [[Illus]], que havia sido subornado por Basilisco. No meio da conspiração estava Verina, que promovia uma revolta popular contra o imperador. A revolta, apoiada por Teodorico Estrabão, Illus e ArmatusArmato, foi bem sucedida, e Verina convenceu o imperador a deixar a cidade. Zenão fugiu para sua terra natal, levando consigo alguns dos isáuricos que viviam em Constantinopla, junto com o tesouro imperial.
 
Basilisco foi, então, proclamado ''Augustoaugusto'' em 9 de Janeirojaneiro 475,<ref>ThereExiste existsum ahoróscopo horoscopefeito madeno ondia theda daycoroação ofde Basiliscus'Basilisco coronation —1212 Januaryde janeiro de 475, atàs 9 am—,da probablymanhã by aprovavelmente supporterpor ofum partidário de ZenoZenão. TheO horoscopehoróscopo, preservedpreservado withcom theos horoscopeshoróscopos ofde otheroutros twodois usurpersusurpadores ofdo Zenotrono throughde Zenão através de Arabfontes sourcesárabes, correctlycorretamente predictsprediz theo endfim ofdo Basiliscus'governo rulede inZenão em twodois yearsanos. SeeVer {{cite book |last=Barton |first=Tamsyn |title=Power and knowledge: Astrology, physiognomics, and medicine under the Roman Empire |year=2002 |month=December |publisher=University of Michigan Press |isbn=0-472-08852-1 |pages=&nbsp;60 }}</ref> no palácio [[Bakirköy|Hebdomon]], pelos ministros do palácio e do Senadosenado.<ref>TraditionA allowedtradição thepermitia Senateque too recognisesenado anreconhecesse usurper,o thususurpador Basiliscusum wasusurpador, theentão newBasilisco lawfultornou-se ruler.o Howevernovo itgovernante. wasEntretanto, thefoi firstprimeira military-basedsucessão successionde inbase themilitar lastnos oneúltimos hundredcem yearsanos (Friell).</ref> A população de Constantinopla conseguiu a sua vingança contra Zenão, matando quase todos os isáuricos que estavam na cidade.<ref name="friell">Friell.</ref><ref name="bury" />
 
No início, tudo parecia ir bem para o novo imperador, que inclusive tentou criar uma nova dinastia, conferindo o título de ''[[Augusta (título)|Augustaaugusta]]'' aà sua esposa ''Aelia Zenonis'' e nomeando ''[[César (título)|Césarcésar]]'' seu filho Marcos e mais tarde ''[[Augusto (título)|Augustoaugusto]]'';<ref>BasiliscusBasílico alsotambém issuedcunhou coinsmoedas celebratingcelebrando theo jointgoverno ruleconjunto withcom his son MarcusMarcos;[http://www.romancoins.info/Byzantines.html#basiliscus]Também Also,moedas goldde andouro e bronze coinsforam werecunhadas mintedem inhonra honour ofde ''Aelia Zenonis'', [[Augusta (honorific)|''Augusta'']][http://www.wildwinds.com/coins/ric/zenonis/i.html] The coinsAs bearmoedas thetinham legenda inscrição AVGGG, withcom theos threetrês '"G'" referringreferindo-se toaos thetrês three ''Augusti''"augustos". SeeVer {{cite book |last=Yonge Akerman |first=John |title=A Descriptive Catalogue of Rare and Unedited Roman Coins |origyear=1834 |year=2002 |publisher=Adamant Media Corporation |isbn=1-4021-9224-X |pages=&nbsp;383}}</ref> porém, devido à sua má administração como imperador, Basilisco rapidamente perdeu a maioria de seus partidários.
 
==Governo==
O problema mais urgente que enfrentava o imperador era a escassez de recursos deixados no cofre imperial. Basilisco se viu obrigado a aumentar os impostos, e retornar à prática de leiloar os cargos públicos, obviamente causando um descontentamento na população. Também extorquiu dinheiro da igreja, com a ajuda do prefeito Epinicus, um dos favoritos de longa data de Verina.<ref name="friell" />
 
No começo de seu reinado, Constantinopla sofreu um enorme incêndio, que destruiu casas, igrejas, e incendiou completamente a grande biblioteca construída pelo imperador [[Juliano, o Apóstata]].<ref>ThisEsta librarybiblioteca, whicha wasqual housedfoi withinestabelecida anuma basilicabasílica nextpróxima to the undergroundà cisterna builtconstruída bypor [[JustinianJustiniano I]], containedcontinha 120,.000 volumes, includingincluindo theo famousfamoso parchment[[pergaminho]], de {{convert|35|m|0|abbr=on}} longde comprimento, uponno whichqual wereera inscribedescrita Homer'sa Ilíada e a IliadOdisseia andde OdysseyHomero inem goldenletras lettersdouradas.</ref> O fogo foi visto como um mal presságio para o governo de Basilisco.<ref name="bury" />
 
===Tensões com seus colaboradores===
Basilisco havia confiado o apoio de algumas das mais importantes figuras da corte em sua oferta para alcançar o trono. No entanto, rapidamente perdeu a maioria deles. Primeiramente, Basilisco perdeu o apoio de sua própria irmã Verina, após a execução de Patrício, o ''[[Magistermagister officiorum]]''. Patrício era o amante de Verina, a imperatriz havia planejado elevá-lo ao posto imperial e se casar com ele: a própria revolta contra Zenão tinha sido organizada para tornar Patrício o novo imperador. Basilisco mandou martarmatar Patrício, devido ao cargo político que ocupava era o candidato natural para derrubar o novo imperador, como consequência, mais tarde Verina cospirou contra Basilisco, por causa da execução de seu amante.<ref>Bury. AccordingDe toacordo com [[Candidus]], afterdepois theda deathmorte ofde PatriciusPatrício, Verina intriguedfez inintrigas favoura offavor Zenode Zenão, butmas herseu planplano wasfoi discovereddescoberto bypor BasiliscusBasílico, ande onlysomente thea intercessioninterseção ofde ArmatusArmato sparedsalvou hersua lifevida.</ref>
 
Além disso, Teodorico Estrabão, também se afastou do novo imperador, após ter sido um dos principais pilares da sua ascensão através do ódio pelo isáurico Zenão. Basilisco havia elevado Armatus seu próprio sobrinho, que segundo boatos foi também o amante da esposa de Basilisco, para o posto de ''magister militum'', o mesmo que ocupava Estrabão. Por último, o apoio de Illus foi bastante instável, devido ao massacre dos isáuricos que Basilisco havia permitido.<ref name="smith" /><ref name="friell" />
* {{citar livro |sobrenome=Martindale |nome=J.R. |título=[[The Prosopography of the Later Roman Empire]] |ano=1980 |editora=Cambridge University Press |id=ISBN 0-521-20159-4 | páginas=pp. 212–214}}
* {{citar livro |sobrenome=Samuel |nome=Vilakuvel Cherian |título=The Council of Chalcedon Re-Examined |ano=2001 |editora=Xlibris Corporation |id=ISBN 1-4010-1644-8 | páginas=pp. 134–139}}
* {{citar livro |sobrenome=Smith |nome=William |autorlink=William Smith (lexicographerlexicógrafo) |título=Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology |origdate=1870 |url=http://www.ancientlibrary.com/smith-bio/index.html |acessodata=2006-08-23 |editora=C. Little and J. Brown |local=Boston | páginas=p.&nbsp;466}}
</div>
 
38 796

edições