Diferenças entre edições de "Política da Espanha"

4 bytes adicionados ,  16h10min de 10 de abril de 2013
m
Espanha se uniu à [[Organização do Tratado do Atlântico Norte]] (OTAN) em princípios de 1982. Em outubro desse mesmo ano, o Partido Socialista Operário Espanhol ([[PSOE]]), liderado por [[Felipe González Márquez]], ganhou as eleições do Congresso dos Deputados e do Senado com maioria absoluta. O PSOE também obteve a maioria absoluta nas eleições de [[1986]] e [[1989]]. González, a frente do PSOE, governou durante os seguintes 13 anos. Durante seu mandato se desenvolveu o Estado do Bem Estar, o modelo autonômico e se produziu trocas importantes na política social, muito atrasada por causa da ditadura. Também, este período esteve marcado por escândalos políticos de corrupção e de terrorismo de Estado ([[GAL]]). Em 1986, Espanha passou a formar parte da [[União Europeia]] (UE).
 
Em março de [[1996]], o Partido Popular (PP) de [[José María Aznar]] foi o partido mais votado, conseguindo quase a metade dos cadeiras no Congresso. Aznar se propôs liberalizar a economia, com um programa de privatizações, reforma do mercado laboral, e medidas destinadas a incrementar a competitividade em certos mercados, principalmente o de telecomunicações. Durante a primeira legislatura de Aznar, Espanha conseguiu os objetivos da Economia da União Europeia. Durante este período, Espanha participou, junto com os [[Estados Unidos]] e outras nações aliadas da [[OTAN]], nas operações militares na [[República Federal Socialista da Jugoslávia|Jugoslávia]]. Espanha se propôs tomar parte na [[Guerra de Kosovo]] em [[1999]], e as Forças Armadas Espanholas e algumas unidades de policia foram incluídas nas forças de pacificação na [[Bósnia]] (IFOR, [[SFOR]]) e em [[Kosovo]] (KFOR).
 
O PP obteve a maioria absoluta nas duas câmaras das Cortes Gerais nas eleições gerais espanholas de março de [[2000]]. Este resultado permitiu a Aznar formar um governo sem necessidade de se coligar com outras forças políticas como em sua anterior legislatura. Aznar é um firme defensor das relações transatlânticas e da [[Guerra contra o terrorismo]]. Esta legislatura esteve marcada pela agitação social produzida por algumas leis ou decisões (Troca das leis de Educação Lei Orgânica de Qualidade da Educação, [[Guerra de Iraque|invasão do Iraque]], [[Prestige]], [[Atentados de 11 de março de 2004]]) que certos setores da população não aceitaram. Para as eleições gerais espanholas de [[2004]] Aznar nomeou a [[Mariano Rajoy]] (até então vice-presidente 1º do Governo) como candidato do PP.