Diferenças entre edições de "Mímica"

751 bytes removidos ,  03h19min de 9 de junho de 2013
m
Corrigi cabeçalhos; removi lixo; corrigi ligações
m (Corrigi cabeçalhos; removi lixo; corrigi ligações)
'''Mímica''' é uma das formas de comunicação humana, normalmente conhecida como a [[arte]] de exprimir os pensamentos e/ou os sentimentos por meio de gestos, é dentro das artes cênicas, o estudo da ação física do homem em seu meio. Assim portanto, é uma classe de [[sematologia]]. Um mímico é alguém que utiliza [[Linguagem corporal|movimentos corporais]] para se [[comunicação|comunicar]], sem a necessidade do uso da fala. A mímica enquanto expressão artística, como no caso da dança, se apresenta de várias formas e estilos, sendo mais conhecido a Pantomima, onde os artistas usam cara branca e se inspiram na figura do pierrot.
 
===Como Brincadeira===
 
===Como Brincadeira===
Mímica é o nome de uma [[brincadeira]] tradicional da qual podem participar crianças, adolescentes e adultos. Possui variantes, mas, basicamente, consiste em uma pessoa ter que [[representação|representar]] somente utilizando-se da mímica, sem usar, portanto, quais quer códigos, letras ou palavras, uma entidade de sua escolha relativa a um assunto pré-determinado com os demais participantes. Pode ser um animal, um objeto, o nome de um filme, de uma pessoa, etc… O restante dos participantes deve, então, tentar adivinhar qual a entidade que está sendo comunicada pela mímica. Quem acertar ganha alguma forma de prêmio.
 
 
===Breve História da Mímica===
 
A origem dramática da mímica ocidental reporta-se ao teatro grego. Segundo alguns, estaria ela atrelada a uma das Musas – Polímnia – que, juntamente com Terpsícore (dança) e Calíope (poesia) teria sido responsável pela educação de Apolo, antes de sua ascensão ao monte Parnaso. Entenda-se, portanto, que essas três manifestações estão intimamente associadas.
 
Aparentemente a mímica teria sido bastante empregada no Teatro de Dioniso, em Atenas, onde atores à luz do dia, portando máscaras, encenariam para cerca de 10.000 pessoas (ou até mais, nos Festivais a Dioniso). Nessa época, a forma mais elaborada de mímica, a "hypothesis", era representada por atores que se concentravam mais na construção e desenvolvimento de suas personagens propriamente ditas. Com freqüência, um único ator representava várias personagens. O teatro grego floresceu entre os séculos V e IV aC, com a tragédia e a comédia. Posteriormente, com as conquistas, os romanos levaram a mímica para a Itália, adequada que era ao gosto do espetáculo entre os romanos. Com o tempo, eles desenvolveram sua própria técnica, incluindo a pantomima.
 
Com a queda do Império Romano, a Igreja Católica proibiu a mímica, fechou teatros. Mesmo assim a forma de arte sobreviveu.
 
Já na Idade Média, devido à enorme fragmentação e à quantidade de dialetos existentes na Itália do século XVI, os atores da chamada "commedia dell'arte" precisavam ter uma "concepção plástica de teatro". Nessa hora a mímica voltou à cena, sendo representada basicamente nas praças e mercados, e tornou-se um dos fatores mais importantes de atuação do espetáculo teatral e circense, tanto mais intensificada pela presença das máscaras (lembremo-nos de Veneza), que determinavam papéis mais ou menos estereotipados para os atores.
 
O ator na "commedia dell'arte" precisava efetivamente ter "uma concepção plástica do teatro", exigida em todas as formas de representação, com a criação de pensamentos e de sentimentos através do gesto mímico, da dança, da acrobacia, consoante as necessidades; do mesmo modo era necessário o conhecimento de uma verdadeira gramática plástica, além desses dotes do espírito que facilitam qualquer improvisação falada em um espetáculo.
 
A performance exageradamente cômica atraía a atenção para as performances acrobáticas, vindo a consolidar o gênero. Afetuosamente eles eram chamados de "Zanni", dando origem a personagens como o Arlequim (representante da classe mais servil). As trupes eram acessíveis a todas as classes sociais e a temática era sempre contemporânea, mantendo um caráter crítico forte, dado pela proteção trazida pelas máscaras.
Como a mímica não apresentava problemas de comunicação com a platéia, não tardou para que os "Zanni" viajassem e, pelo ano de 1576, uma das companhias italianas foi à França, onde a arte da mímica tornou-se imensamente popular. Muito dos gestos tradicionais e da constituição visual do Arlequim vieram desse momento.
 
Já, em 1881, uma família de acrobatas da Boêmia viajou a Paris e um dos filhos, Jean Gaspard Batiste Deburau, engajou-se na representação mímica junto aos "Funâmbulos do Boulevard do Templo".
 
Permaneceu com esta Companhia até a sua morte, mas todo o tempo em que lá esteve a serviço dessa manifestação artística serviu para que ele começasse a dar o estilo que sobreviveu dentro da mímica até hoje, associando o mímico a figura do Pierrô.
 
==Artistas de mímica notáveis==
[[Ficheiro:Mime in Rome.jpg|thumb|270px|Um mímico na [[Ponte Sant'Angelo]]]]
Alessandro Müller
*[[Alejandro Jodorowsky]]
*[[Wolfe Bowart]]
*[[Zillur Rahman John]]
<gallery>
<gallery>
Ficheiro:Exemplo1.jpg|Legenda1
Ficheiro:Exemplo2.jpg|Legenda2
</gallery>
<gallery>
<gallery>
Ficheiro:Exemplo1.jpg|Legenda1
Ficheiro:Exemplo2.jpg|Legenda2
</gallery>
<gallery>
<gallery>
Ficheiro:Exemplo1.jpg|Legenda1
Ficheiro:Exemplo2.jpg|Legenda2
</gallery>
<gallery>
<gallery>
Ficheiro:Exemplo1.jpg|Legenda1
Ficheiro:Exemplo2.jpg|Legenda2
</gallery>
<gallery>
<gallery>
Ficheiro:Exemplo1.jpg|Legenda1
Ficheiro:Exemplo2.jpg|Legenda2
</gallery>
<gallery>
<gallery>
Ficheiro:Exemplo1.jpg|Legenda1
Ficheiro:Exemplo2.jpg|Legenda2
</gallery>
<gallery>
<gallery>
Ficheiro:Exemplo1.jpg|Legenda1
Ficheiro:Exemplo2.jpg|Legenda2
</gallery>Alessandro Müller
</gallery>
</gallery>
</gallery>
</gallery>
</gallery>
</gallery>
</gallery>
 
==Ver também==
3 039

edições