Abrir menu principal

Alterações

Sem alteração do tamanho, 07h04min de 28 de junho de 2013
sem resumo de edição
|ordem =205
}}
O '''Papa Gregório XII''', nome de batismo ''Angelo Correr'', nasceu em [[Veneza]]. Patriarca latino de [[Constantinopla]], foi eleito [[Papa]] no dia [[30 de novembro]] de [[1406]]. Com mais de oitenta anos de idade, foi coroado no dia [[19 de dezembro]] do mesmo ano. Fisicamente muito magro e alto, somente "''pele e ossos''" segundo crónicas da época, assumiu o espírito ascético e conciliatório com relação aos problemas da [[Igreja Católica]], principalmente com [[Antipapa Bento XIII|Bento XIII]], o [[antipapa]] que residia em [[AvignonAvinhão]].
 
== O Cisma do Ocidente ==
Decidido a resolver o problema do chamado [[Grande Cisma do Ocidente]] encarou-o de forma sincera, declarando inclusive a ideia de abdicar a Cátedra de São Pedro, se isso resultasse em paz definitiva. Declarou-se pronto a imitar a mãe que, em presença do [[rei Salomão]], preferiu entregar o próprio filho em mãos estrangeiras a vê-lo morrer. Gregório XII conquistou o coração do [[clero]] internacional e de diversos soberanos, colocando o antipapa contra a parede. Este, sem poder se esquivar de tal vontade, aceitou encontrar-se com Gregório na cidade italiana de [[Savona]].
 
A ideia de abdicar resultou em uma rápida reação dos familiares de Correr, muitos deles já então instalados em diversos postos de comando da administração da Igreja. Beneficiados pelo [[nepotismo]], reagiram firmemente à ameaça. Gregório XII então cedeu aos apelos da família. A opinião publica na época ficou horrorizada com a atitude dos parentes do Papa, insultando-os inclusive com cartas "a Satanás", endereçadas ao [[Arcebispo]] de [[Ragusa]]. Apesar do insucesso, Bento XIII se viu sob assédio em AvignonAvinhão do rei francês. Consegue fugir para [[Aragão]] em 1408, e, emitindo uma [[bula]], convoca um [[concílio]] para [[Perpignan]]. Em [[Paris]], o rei decidiu então concorrer com ambos os Papas e decretou um outro Concilio, reunindo os [[Cardeal|cardeais]] dos dois líderes católicos, a [[Pisa]] em marco de 1409. A convocação se deu por meio de sete cardeais rebelados de Gregório XII porque este havia nomeado dois sobrinhos como cardeais. Unindo-se aos rebeldes um grupo de cardeais de AvignonAvinhão, reunidos em [[Livorno]]. A ideia era reunir os dois Papas e - fosse o caso - força-los a renunciar ou então depô-los. Gregório XII reage com firmeza aos rebeldes, e após uma primeira tentativa de aproximação e perdão, anunciando um novo Concílio em uma cidade do [[Veneto]] para esclarecer os fatos. Não obtendo sucesso,acabou por nomear dez novos cardeais e excomungou os rebeldes. Dado a reação da opinião publica romana, decide partir para uma região mais segura aos seus interesses, se mudando para [[Rimini]] em [[1409]].
 
Estava formada uma enorme confusão no seio da Igreja. Com tais acontecimentos, o primeiro Concílio, em [[Perpignan]] (anunciado por Bento XIII) começou de fato, com a presença de 120 prelados e diversos soberanos que estavam tomando partido de um ou de outro. O rei Roberto do Palatinado Renano apoiava Gregório, porque via no [[Concílio de Pisa]] a influência poderosa do [[Anexo:Lista de monarcas da França|Rei da França]]. [[Ladislau I de Nápoles|Ladislau I de Nápoles]], como titular de "defensor da [[Igreja de Roma]]", também se apoderou da cidade deixada pelo Papa e anunciou ser contra o Concílio desejado pelo rei francês.