Diferenças entre edições de "Wilza Carla"

663 bytes removidos ,  00h17min de 9 de julho de 2013
m
Reversão de uma ou mais edições de 177.124.57.35 para a versão 36287174 de Raul Caarvalho (Especulação com linguagem de orkut), (com Reversão e avisos).
m (Reversão de uma ou mais edições de 177.124.57.35 para a versão 36287174 de Raul Caarvalho (Especulação com linguagem de orkut), (com Reversão e avisos).)
 
O grande momento de Wilza na televisão foi interpretando a personagem Dona Redonda, na novela ''[[Saramandaia]]'', exibida em 1976 pela [[Rede Globo]].<ref>{{citar web|url=http://br.noticias.yahoo.com/morre-s%C3%A3o-paulo-ex-vedete-atriz-wilza-carla-123500681.html|título=Morre em São Paulo a ex-vedete e atriz Wilza Carla|publicado=Yahoo|acessodata=21 de junho de 2011}}</ref> e reviveu a personagem na mini-novela ''[[Expresso Brasil (telenovela)|Expresso Brasil]]'' em 1987. A última novela em que atuou foi ''[[A História de Ana Raio e Zé Trovão]]'', de 1990, produzida pela extinta [[Rede Manchete]]. Foi também jurada em programas de calouros, em especial o de [[Silvio Santos]].
 
Dos muitos programas de humor em que participou do elenco fixo, Wilza Carla brilhou ao lado do ator e redator Guilherme Osty no humorístico "Alegria 82 e Alegria 83", no SBT de São Paulo, direção de Detto Costa, onde Osty escreveu especialmente para ambos o quadro do "Elvison", fazendo respectivamente mãe e filho. Wilza interpretando uma ex-cantora de rádio decadente, escandalosa e encrenqueira, e Guilherme Osty fazendo seu filho tímido, desajeitado, preguiçoso e desempregado, fã de Elvis Presley e sempre vestido como seu ídolo, sempre levado por sua espalhafatosa mãe-coruja para que o filho arranjasse emprego e se tornasse um grande artista.
 
Sérios problemas de saúde, agravados pela [[obesidade]], afastaram-na da carreira artística a partir da década de 1990. No final de sua vida, Wilza sofria de [[diabetes]] e do [[Mal de Alzheimer]].
629 500

edições