Abrir menu principal

Alterações

Sem alteração do tamanho ,  22h46min de 26 de agosto de 2013
sem resumo de edição
[[Ficheiro:Cin Shihhuang Shaanxi statue.jpg|thumb|200px|estátua de Shi Huangdi]]
 
O final do período da história chinesa conhecido como [[dinastia chou|Zhou Oriental]] assistiu a uma crescente descentralização política. Embora o rei da dinastia [[dinastia chou|Zhou]] continuasse existindo, seus vassalos cresceram em importância econômica e política, tornando-se senhores muito mais influentes que o [[rei]]. O período entre 403 e 221 a.C., chamado de [[Período dos Reinos Combatentes|“a época dos Estados Guerreiros”]], foi marcado pelas guerras entre esses senhores, cujos objetivos eram apoderar-se de pequenos territórios visando aumentar a extensão de seus próprios domínios. Em 335 a.C., senhores regionais passaram a chamar a si mesmos de reis, rejeitando a soberania da antiga dinastia. Desta forma, os domínios desses senhores passaram a funcionar como pequenos reinos sob o nome de seus donos: Han, Wei, Song, Lu, Yue, Chu, Qin. Com o passar do tempo, os reinos mais poderosos foram absorvendo os reinos menores, consolidando sua influência política. No final da época dos Estados Guerreiros, os reinos de Chu (no sul) e Qin (no oeste) eram os mais poderosos. Chu conquistou os reinos de Yue e Lu respectivamente em 334 a.C. e 249 a.C. O reino de Qin obteve suas vitórias brilhantes graças ao sucesso militar do jovem rei Zheng, aclamado rei com apenas nove anos em 247 a.C., e seus ministros, Lü Buwei e [[Lǐ Sī|Li Si]]. Entre 230 e 221 a.C., o jovem rei conquistou muitos reinos, inclusive seu grande adversário no sul, ChuChin.
 
Ao consolidar seus domínios, o rei assumiu o título de [[qin shihuang|Shi huangdi]] (onde Shi significa “primeiro” e huangdi imperador, uma palavra criada a partir dos termos “augusto” e “senhor”, normalmente atribuídos aos reis mitológicos da [[China]] antiga). A política do Shi huangdi centrou-se na unificação da [[China]] a partir de uma reforma administrativa que consistiu no combate da nobreza, na adoção de princípios e filosofias [[Legalismo (filosofia chinesa)|legalistas]] e na criação de pequenas unidades administrativas diretamente ligadas ao governo central. O rei também proibiu o porte privado de armas, deslocou famílias, e castigou seus opositores com penas cruéis: alguns foram enterrados vivos, outros sofreram mutilação e outros ainda foram condenados a trabalhos forçados. Durante seu governo, o imperador mandou construir palácios, estradas e fortificações, como os primeiros trechos da famosa [[Muralha da China]]. Um vasto exército de soldados de terracota enterrado na tumba do Primeiro Imperador, encontrado recentemente por arqueólogos, é um outro exemplo dos empreendimentos grandiosos operados durante o governo de Zheng – acredita-se que tenham sido colocados lá na crença de que defenderiam o imperador na outra vida. O primeiro imperador também chegou a visitar seus domínios completos e, ao final da vida, mandou uma delegação de soldados para o mar na busca da terra mística de Peng Lai, em busca do segredo da imortalidade.
Utilizador anónimo