Tuba auditiva: diferenças entre revisões

1 byte adicionado ,  16h50min de 29 de agosto de 2013
sem resumo de edição
{{sem-fontes|data=Setembro de 2010}}
[[Ficheiro:Ear-anatomy.png|thumbnail|250px|O nº 12 é a trompa de Eustáquio]]
A '''tuba auditiva''' ou '''trompaTrompa de Eustáquio''' é um canal que liga o [[ouvido médio]] dos [[mamífero]]s à [[faringe]] e que ajuda a manter o equilíbrio da [[pressão]] do ar entre os dois lados da [[membrana timpânica]].
 
A tuba abre e fecha à medida que [[engolir|engolimos]] ou [[bocejo|bocejamos]], permitindo uma equalização entre a pressão do ouvido externo e do ouvido médio. Uma sensação de pressão pode ser causada no ouvido por este processo de equalização em um avião ou em situações de mudanças de [[altitude]], por exemplo. O terço posterolateral da tuba é ósseo e o restante é cartilagíneo. A tuba auditiva é revestida por mucosa, que é continua posteriormente com a mucosa da cavidade timpânica e anteriormente com a mucosa da parte nasal da faringe.¹
 
A função da tuba auditiva é igualar a pressão na orelha média à pressão atmosférica, permitindo, assim, o livre movimento da membrana timpânica. Essa tuba permite a entrada e a saída de ar da cavidade timpânica, equilibrando a pressão nos dois lados da membrana. Como normalmente há aposição das paredes da parte cartilaginosa da tuba, a tuba deve ser ativamente aberta. A tuba é aberta pela expansão da circunferência do ventre do músculo levantador do véu palatino quando se contrai longitudinalmente, empurrando uma parede enquanto o músculo tensor do véu palatino traciona a outra. Como esses são músculos do palato mole, a equalização da pressão (“estalido nos ouvidos”) está comumente associada a atividades como bocejar e deglutir.¹
 
As artérias da tuba auditiva provêm da artéria faríngea ascendente, um ramo da artéria carótida externa, e da artéria meníngea média e artéria do canal pterigoideopterigóideo, ramos da artéria maxilar.¹
 
Outra função da trompaTuba de Eustáquioauditiva é a drenagem, não permitindo o acúmulo de secreções no interior da orelha média, sendo que o responsável por encaminhar estas secreções para a porção nasal da faringe é o músculo tensor do véu palatino. Além do mais, as células ciliadas e secretoras encontradas na orelha média e trompa deTuba Eustáquioauditiva compõem um sistema de transporte muco ciliar.¹
Diferentes fatores interferem no funcionamento da tuba auditiva, como, por exemplo, adenoides hipertrofiadas, fissura palatina, tumores na rinofaringe e fatores de desenvolvimento.¹
 
O desenvolvimento da tuba auditiva só se completa aos 18 anos de vida. No feto a base do crânio é relativamente plana, de modo que a tuba auditiva tem em desvio de cerca de 10 graus do plano horizontal. Com o desenvolvimento pós-natal há aumento das dimensões verticais da base do crânio, além de um distanciamento do palato duro, gerando,no adulto um aumento da angulação da tuba auditiva para 45 graus. O crescimento da mesma varia de 30a 38 mm.³
A tuba auditiva é usualmente dividida em uma porção óssea intratemporal, e uma porção cartilaginosa. Pouco é descrito sobre a porção intratemporal, pois ela é patente. A parede medial da porção óssea está em íntimo contato com o canal carotídeo e o labirinto. A mucosa desta região é semelhante a do ouvido médio, incluindo células mucosas e ciliares.³
A trajetória da tuba auditiva até a rinofaringe tem a morfologia de um S invertido. O término na rinofaringe está a cerca de 20 mm acima do plano do palato duro e protrai com sua cartilagem no chamado tórus tubareotubáreo. Há uma fina camada de epitélio recobrindo a cartilagem.³
 
<ref>MOORE,K.L;DALLEY,F.A,AGUR.A.M.R. Anatomia orientada para clinica/6º Ed. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan,2013</ref>