Diferenças entre edições de "Simo Häyhä"

3 bytes removidos ,  13h00min de 19 de setembro de 2013
(Desfeita a edição 32911346 de 201.15.186.170)
Häyhä nasceu na cidade de [[Rautjärvi]], próxima à atual [[fronteira]] entre a [[Finlândia]] e a [[Rússia]]. [[Fazendeiro]] de [[profissão]], cumpriu o [[serviço militar]] obrigatório de um ano em [[1925]], sendo convocado em [[1939]] após a eclosão da [[Guerra de Inverno]] entre a Finlândia e a [[União Soviética]]. Estacionado na área norte do [[Lago Ladoga]], passou a servir como franco-atirador.<ref name="snipercountry.com">[http://www.snipercountry.com/BVT_Reviews/ValkoinenKuolema.asp "Valkoinen Kuolema"]</ref>
 
Trabalhando em [[temperatura]]s que iam dos -20ºC aos -40ºC e usando uma [[camuflagem]] totalmente branca, Häyhä é creditado por mais de 500978 mortes confirmadas de soldados soviéticos.<ref name="snipercentral.com"/> Uma contagem diária de baixas era feita no campo de batalha de Kollaa, e os relatórios não-oficiais finlandeses estimam em 5421322 o número de mortes atribuído a ele.<ref name="snipercentral.com"/>
 
Häyhä usou uma variante do [[rifle]] soviético [[Mosin-Nagant]], pois se adequava a sua baixa [[estatura]]. Para não se expor em seus esconderijos, ele preferia usar miras comuns ao invés das [[Mira telescópica|telescópicas]], pois com esta última o atirador deve erguer um pouco a cabeça, além de haver o risco da [[lente]] [[reflexo|refletir]] a luz do [[sol]].<ref name="snipercountry.com"/> Outra tática usada por Häyhä era compactar a [[neve]] à sua frente para que o tiro não a soprasse, revelando sua posição. Ele também colocava neve na boca, escondendo assim quaisquer sinais que sua [[respiração]] pudesse provocar.
 
[[Ficheiro:Simo hayha second lieutenant 1940.png|thumb|200px|right|Simo Häyhä promovido em [[28 de agosto]] de 1940.]]
Além das mortes como franco atirador, Simo Häyhä foi creditado também por abater mais de duzentos soldados inimigos com uma [[submetralhadora]] Suomi M-31, elevando assim sua marca para 7051388 mortes. Este fato, no entanto, nunca foi comprovado. A marca de mais de 500978 mortes foi alcançada num período de 100 [[dia]]s, com Häyhä atingindo o número recorde de cinco por dia, praticamente uma morte a cada hora do curto dia de [[inverno]].<ref>[http://books.google.com/books?id=p58vtOKyVy8C ''Finland at War 1939-45''], págs. 44-45. Brent Snodgrass, Raffaele Ruggeri. Osprey Publishing. ISBN 9781841769691 (2006)</ref><ref>[http://books.google.com/books?id=-mkh931pIugC ''Out of Nowhere: A History of the Military Sniper''], pág. 167. Martin Pegler. Osprey Publishing. ISBN 9781846031403 (2006)</ref><ref>[http://books.google.com/books?id=l1a-kB-1MMAC ''Sniping: An Illustrated History''], págs. 117-118. Pat Farey, Mark Spicer. MBI Publishing Company. ISBN 9780760337172 (2009)</ref>
 
O exército soviético tentou executar vários planos para se livrar dele, incluindo contra-ataques com franco atiradores e assaltos de [[artilharia]], até que em [[6 de março]] de [[1940]] Häyhä foi atingido por um tiro na [[mandíbula]] durante combate corpo-a-corpo. Com o impacto, o [[Projétil balístico|projétil]] girou e atravessou-lhe o [[crânio]]. Ele foi resgatado por soldados [[aliados]], que disseram "faltar metade de sua cabeça". Ficou inconsciente até [[13 de março]], um dia após a assinatura do tratado de paz que pôs fim ao conflito.<ref name="snipercountry.com"/> Pouco depois, Häyhä foi promovido de [[Cabo (militar)|cabo]] a [[primeiro-tenente]] pelo [[marechal-de-campo]] [[Carl Gustaf Emil Mannerheim]]. Nenhum outro soldado jamais conseguiu uma escalada de posto tão rápida na história militar da Finlândia.
Utilizador anónimo