Diferenças entre edições de "Mesopotâmia (província romana)"

21 bytes removidos ,  04h54min de 17 de outubro de 2013
sem resumo de edição
No tumulto que se seguiu ao [[ano dos seis imperadores]], em 239–243, {{Lknb|Artaxes|I}} {{nwrap|r.|224|241}}, o fundador do novo [[Império Sassânida]] que substituiu os Partas, atacou e invadiu a área, que no entanto seria {{ilc|retomada|Batalha de Resaena|Batalha de Resaina|Batalha de Resena}} por {{ilc|Timesitheus|Gaius Furius Sabinius Aquila Timesitheus|Timesitheus}} antes da sua morte em 243.<ref name=Sout70 /> Na década de 250, os [[xá]] {{Lknb|Sapor|I}} {{nwrap|r. ca.|240|270}} atacou a Mesopotâmia romana e combateu com o imperador romano [[Valeriano]] {{nwrap|r.|253|260}}, que {{ilc|capturou|Batalha de Edessa|Batalha de Edesa}} em [[Edessa (Mesopotâmia)|Edessa]] em 260.{{Harvy|Momm|Mommsen et. all|2004|p=100}} Contudo, no ano seguinte Sapor sofreu uma pesada derrota frente a [[Odenato]], o rei [[Árabes|árabe]] de {{Ilink condicional|Império de Palmira|Palmira|[[Palmira (Síria)|Palmira]]}} e foi expulso da Mesopotâmia.{{Harvy|Momm|Mommsen et. all|2004|p=103–104}}
 
Com as reformas de [[Diocleciano]] {{nwrap|r.|284|305}} e [[Constantino]] {{nwrap|r.|306|337}}. a província passou a fazer parte da [[Diocese romana|Diocese]] do {{ilc|Oriente|Diocese do Oriente|Dioecesis Orientis}}, que por sua vez estava subordinada à [[prefeitura pretoriana]] do {{ilc|Oriente|Prefeitura pretoriana do Oriente|Praefectura praetorio Orientis|Oriens}}. Nísibis e [[Singara]], juntamente com o território de Adiabena conquistado por Diocleciano, foram perdidas depois do fiasco da [[Batalha de Ctesifonte (363)|expedição]] de [[Juliano, o Apóstata|Juliano]], e a capital foi movida para [[Amida (Mesopotâmia)|Amida]], enquanto que a sede do comandante militar, o ''[[dux]] Mesopotamiae'', ficou em [[Viranşehir|Constantina]]. Outras cidades importantes da província eram, por exemplo, {{ilc|Martyropolis||Silvan (Turquia)}}[[Martirópolis]] e [[Kephas]].<ref name=Kaz1348 />
 
Depois das dificuldades enfrentadas pelas tropas romanas na [[Guerra Anastácia]] de 502–506, o [[Império Bizantino|imperador romano do Oriente]] {{Lknb|Anastácio|I|Dicoro}} {{nwrap|r.|491|518}} construiu a [[Fortaleza (arquitetura militar)|fortaleza]] de {{ilc|Dara|Dara (Mesopotâmia)|Daras (Mesopotâmia)}} para contrabalançar o peso estratégico de Nísibis e ser a nova base do '''''dux Mesopotamiae'''''. Durante as reformas de {{Lknb|Justiniano|I}} {{nwrap|r.|527|518}}, a província foi dividida: as partes a norte, incluindo MartyropolisMartirópolis, foram para a nova província de {{ilc|Arménia&nbsp;IV|Arménia IV|Armênia IV|Armenia IV}}; o resto foi dividido em dois distritos civis e eclesiásticos. O primeiro desses distritos foi formado pela região a sul do Tigre, com capital em Amida; o segundo compreendia a região de [[Tur Abdin]] e tinha a capital em Dara.<ref name=Kaz1348 />
 
A província foi muito afetada com as quasesquase constantes guerras com a Pérsia no {{séc|VI}}. Em 573 os Persas chegaram a conquistar Dara, que seria recuperada pelos Bizantinos com o acordo de paz de 591. A cidade-fortaleza voltaria a ser perdida para os Persas na grande [[Guerra bizantino-sassânida de 602-628|guerra de 602–628]], mas voltou a ser retomada. A região seria depois definitivamente perdida durante as [[Conquista muçulmana da Síria|invasões muçulmanas de 633–640]].<ref name=Kaz1348 />
 
==Notas e referências==