Diferenças entre edições de "John Langshaw Austin"

178 bytes adicionados ,  01h36min de 16 de novembro de 2013
 
== Pensamento ==
 
Na filosofia da linguagem alinhouAlinhou-se com [[Ludwig Wittgenstein]], preconizando o exame da maneira como as palavras são ''usadas'' para elucidar seu significado. Entretanto, o próprio Austin considerava-se mais próximo da filosofia do [[senso comum]] de [[George Edward Moore|G.E. Moore]].
Elaborou um estudo sobre conceitos de verdade e falsidade, qualificando os atos de fala como sendo verdadeiros ou falsos a depender da descrição que é feita. Iniciou as idéias sobre o ''performativo'', onde falar é fazer, diferenciando atos de meras descrições, porque nada descreviam, nada relatavam, etc. Sobre o ''performativo'', desenvolveu uma teoria que transformava os atos em felizes ou infelizes, ligando o ato da fala a circunstâncias ideais de proferimento. Esse tema é tratado intensamente em sua obra póstuma, ''How to do things with words'' (1962), uma série de conferências realizadas na Universidade de Oxford. Ao contrário do [[Genebra|genebrino]] formalista [[estrutura]]l [[Ferdinand de Saussure]], encontram-se nos objetos pessoais de Austin centenas de anotações escritas a próprio punho somadas a outras informações colhidas de ex-alunos.
 
Elaborou um estudo sobre conceitos de verdade e falsidade, qualificando os atos de fala como sendo verdadeiros ou falsos a depender da descrição que é feita. Iniciou as idéias sobre o ''performativo'', onde o falar implica num fazer, diferenciando estes atos de meras descrições, porque nada descreviam, nada relatavam, etc.
 
=== Atos da fala ===
São coisas feitas com palavras (Austin 1962b, 1956b, 1963), onde qualquer sentença pode ser usada para realizar uma variedade de atos linguísticos. Se em declarações produzimos aquilo que pode ser considerado "verdadeiro ou falso", em '''atos performativos''' não precisamos produzir coisas que são verificáveis pela verdade ou falsidade. Os atos ou enunciados performativos podem ser '''atos ilocucionários''' (locutionary acts), '''atos ilocucionários''' (illocutionary act) e '''atos perlocucionários''', que poderia ser a distinção entre dizer alguma coisa, alguma coisa com alguma ênfase e os efeitos de se dizer alguma coisa ou de conseguir que alguém faça alguma coisa que se deseje (1962b: 83–164).
 
== John Searle ==