Diferenças entre edições de "Noigandres"

651 bytes adicionados ,  11h12min de 28 de fevereiro de 2014
sem resumo de edição
Etiqueta: Internetês ou miguxês
'''Noigandres''' foi um grupo de poetas formado em 1952, em [[São Paulo]], [[Brasil]]. Foi integrado por [[Haroldo de Campos]], [[Décio Pignatari]], [[Augusto de Campos]] e, posteriormente, por [[Ronaldo Azeredo]] e [[José Lino Grünewald]], resultando em uma revista homônima (1952-1962). Com este grupo se inicia o movimento da [[Poesia concreta|Poesia Concreta]] no Brasil e no seu círculo se desenvolve toda a teoria deste tipo de poesia em sua plenitude.
 
NoigandresA é umaenigmática palavra possivelmente"noigandres" que aparece em um dos poemas utilizadado portrovador [[Arnaut Daniel]], um(Henri poetaPascal [[Provença|provençal]]de Rochegude, deautor sentidodo nãoEssai identificadod'un glossaire occitanien: pour servir à l'intelligence des poésies des Troubadours um dicionário publicado em Toulouse em 1819 registra a palavra como sendo a noz moscada, todavia, há a qualhipótese [[Hughde Kenner]]vir consideraa ser um erro, além de, possivelmenteortografia, inexistentesendo emo absolutoverso nooriginal textojois delo Arnautgrans Daniele l'olors d'enuo gandres)<ref>[http://www.letraslibres.com/index.php?art=9125&rev=2 Revista Letras Libres Hugh Kenner.]</ref> serviu de título da revista divulgadora e nome do grupo da poesia concreta.
 
Esta é a versão mais aceita dos versos do trovador, de onde se extraiu a palavra:
 
«Er vei vermeills, vertz, blaus, blancs, gruocs,
 
vergiers, plais, plans, tertres e vaus;
 
e'il votz dels auzels son'e tint
 
ab doutz acort maitin e tart:
 
so'm met en cor q'ieu colore mon chan
 
d'un'aital flor don lo fruitz si'amors
 
e jois lo grans e l'olors de noigandres»
 
 
==Ligações externas==
 
{{Ref-section}}
 
{{esboço}}
 
{{Portal3|Literatura}}
Utilizador anónimo