Diferenças entre edições de "Problema do mal"

159 bytes removidos ,  05h02min de 2 de abril de 2014
Parcial.
(Parcial.)
 
[[Richard Swinburne]] sustenta que não faz sentido assumir que existe esse bem maior, a não ser que se saiba o que ele é, ou seja, até que tenhamos uma boa teodiceia <ref name=swinburne05 />. Muitos filósofos contemporâneos discordam. O Ceticismo teísta, que se baseia na posição de que seres humanos nunca podem esperar entender o divino, é talvez a mais popular resposta ao problema do mal entre os filósofos da religião contemporâneos.
 
Os paradoxos existem em função da crença em Deus ser fictícia. No mundo sem seres imaginários e deuses, o mal não apenas é entendido como é esperado.
 
 
Utilizador anónimo