Diferenças entre edições de "Bobby Fischer"

18 bytes adicionados ,  22h10min de 8 de abril de 2014
Correções varias na língua de Camões.
(Correções varias na língua de Camões.)
 
== Vida e carreira ==
Filho de pai alemão, Hans-Gerhardt Fischer, um biofísico e mãe judia-suíça naturalizada norte-americana, Regina Wender, aprendeu a jogar [[xadrez]] aos seis anos com a sua irmã mais velha, que o entretinha com diversos jogos (dentre eles o xadrez) enquanto a mãe ia trabalhar<!-- Favor citar a fonte do seguinte trecho: o pai era ausente e pouco se sabe dele -->. Mudou-se cedo para a [[Califórnia]] e pouco tempo depois para [[Nova Iorque]], onde pôde desenvolver-se em grandes clubes seculares como o Marshall e o Manhattan.
 
Aos treze anos jogou a "[[Partida do Século]]" num torneio de Mestres em [[1956]] contra [[Donald Byrne]], irmão de [[Robert Byrne]], o qual também era Grande Mestre e foi vítima de uma das maiores partidas de Fischer no US-ch 1963, o qual Fischer venceu com 100% de aproveitamento, 13 em 13 possíveis e ''rating performance'' acima de 3000, feito igualado por [[Emanuel Lasker]], na [[Alemanha]].
 
Fischer venceu também o campeonato estadunidensedos estados unidos oito vezes em oito participações (1957, 1958, 1959, 1960, 1961, 1962, 1973, 1975 e 1986), sendo a primeira aos catorze anos em [[1957]] e a segunda aos quinze, em [[1958]]. Venceu jogadores tão fortes como [[Samuel Reshevsky]] (considerado pelo próprio Fischer como um dos dez melhores de todos os tempos - até então TOP 10), com tão pouca idade. De dezembro de [[1962]] até o fim da sua carreira, em [[1992]], Fischer venceu todos os torneios que disputou, exceto dois, nos quais terminou em segundo lugar: Capablanca Memorial, 1965, vencido por [[Boris Spassky]] e a Piatigorsky Cup, 1966, vencida por [[Smyslov]]. Geralmente Fischer vencia os abertos e grandes torneios de que participava com 3 ou 3,5 pontos de vantagem em relação ao segundo colocado.
 
A principal façanha da sua carreira foi a classificação para chegar à final do mundial contra Spassky. Fischer venceu [[Mark Taimanov|Taimanov]] (enxadrista ''top 10'') por 6x0 num jogo à melhor de 10. Fischer venceu [[Bent Larsen|Larsen]] (que era um dos cinco melhores jogadores do mundo) por 6x0 num jogo à melhor de 10 e venceu [[Petrosian]] por 7,5x2,5 num jogo à melhor de 10. Havia uma hegemonia [[Rússia|russa]] desde quando [[Alekhine]] derrotou [[Capablanca]] em 1921. Após a recusa de Fischer de defender o título em 1975, a hegemonia dedos russos voltou e durou até oao [[Índia|indiano]] [[Viswanathan Anand]] vencer o Mundial FIDE de 2000.
 
Em [[1992]], Fischer voltou a disputar um encontro contra [[Boris Spassky]].<ref name="NYTimes" /> Mesmo Fischer estando afastado à 20 anos afastado, enquanto Spassky permaneceu ativo durante todo este tempo, Fischer venceu com relativa facilidade e introduziu diversas novidades teóricas.
 
Fischer foi preso no [[Japão]] e lutou contra sua extradição para os Estados Unidos por quase um ano. A [[Islândia]] ofereceu cidadania a Fischer, tendo ele aceitado. Livre então pela cidadania islandesa, Fischer seguiu viagem para a Islândia chegando no dia [[23 de março]] de [[2005]].
 
Em eleição feita pelo principal periódico internacional de xadrez, o ''Sahovski Informator'', Fischer foi considerado pelos grandes mestres como o melhor enxadristaxadrezista do [[século XX]], à frente de [[Kasparov]].
 
Fischer foi o único enxadristaxadrezista a vencer por 6x0 dois matches no Torneio de Candidatos e também o único a jamais defender o título. Tinha memória extraordinária, capaz de memorizar mais de 20 partidas relâmpago consecutivas. Em <http://www.surfonby.com/iqtest/iqfacts.html> consta QI = 187. Outras fontes indicam 184 e 181.
 
Bobby Fischer morreu em [[17 de janeiro]] de [[2008]], na [[Islândia]], aos 64 anos.<ref name="NYTimes">{{citar web
== Citações ==
* "Não sou um computador como os outros querem pensar. Botvinnik disse uma vez que calculo melhor que os demais, que sou uma máquina, um homem prodígio e também fui uma criança prodígio. Aqui não há prodígio algum. Sou meramente um homem, mas um homem extraordinário. Estudo e aprendo cada dia mais e mais, um dia hão de ser meus o carro mais caro e a casa mais bonita. Na América não há ninguém que possa comparar-se comigo. Fui campeão nacional 7 vezes o que começa a ser fatigante. Aos 14 anos fui campeão nacional, com 16 "grande mestre", com 27 anos sou o melhor do mundo e com 28 serei declarado oficialmente campeão mundial. Meu objetivo é que ninguém no planeta saiba "mexer as peças" melhor do que eu!" Robert James (Bobby) Fischer, 1971.
* "No final dos anos 1990 surgiu no ICC (Internet Chess Club) um jogador anônimo que superou muitos dos melhores jogadores do mundo em jogos relâmpago de 3 minutos, e rapidamente se disseminaram os boatos de que este jogador poderia ser Bobby Fischer. Nada ficou comprovado e até hoje não se sabe quem foi este jogador, mas um episódio envolvendo o vice-campeão mundial Nigel Short foi bastante marcante. Short havia sido informado sobre estas "aparições", mas não as levava a sério, até que em certa ocasião foi convidado por um ''guest'' para uma partida. Ele aceitou e o ''guest'' começou a jogar lances exóticos e passear com o Rei pela frente dos Peões logo nos primeiros lances. Porém, repentinamente, depois de intencionalmente ter degradado muito a própria posição, o ''guest'' passou a jogar lances fortíssimos e o venceu. Jogaram várias outras partidas, e em todas elas o ''guest'' passeava com o Rei, deteriorava a própria posição, e depois começava a jogar 'paraa valersério' e vencia. Ao relatar o episódio, Short apresenta vários motivos para ter concluído que de fato foi Fischer quem o venceu daquela maneira. Short comentou que há alguns meses ele havia empatado em 12x12 um ''match'' relâmpago contra Kasparov, portanto não havia muitas pessoas no mundo que pudessem vencê-lo por 7x0 ou algo assim, sobretudo iniciando o jogo com ''handcaphandicap'' de roque e vários lances a mais, aliás, provavelmente só uma pessoa poderia ter feito isso: Bobby Fischer."
 
{{referências}}
Utilizador anónimo