Through the Looking-Glass: diferenças entre revisões

708 bytes adicionados ,  08h21min de 12 de abril de 2014
reversão de vandalismo
(reversão de vandalismo)
| editora = Macmillan
| editor =
| lançamento = 18781871
| formato = capa dura
| páginas = 233333224
| isbn = 989
| título_br = alice no pais das maravilhas
| tradutor_br = ana
| editora_br = brasil
| lançamento_br = 2014
| páginas_br = 65555
| isbn_br =
| título_pt =
| seguido_por =
}}
'''''Through the Looking-Glass and What Alice Found There''''' (publicado em [[inglaterraPortugal]] como '''''Alice do Outro Lado do Espelho''''' e no [[Brasil]] como '''''Alice Através do Espelho e O Que Ela Encontrou Por Lá''''' e ainda '''''Alice No País Dos Espelhos''''') é um [[livro]] de [[1871]], a continuação do célebre ''[[Alice's Adventures in Wonderland]]'' (''Alice no País das Maravilhas''), de 1865. O autor é Charles Lutwidge Dogson, conhecido como [[Lewis Carroll]] (1832-1898).
 
Em ''Alice no País das Maravilhas'', a menina protagonista segue o Coelho Branco, cai no País das Maravilhas e conhece os mais variados e estranhos personagens. Nesta continuação, Alice tem de ultrapassar vários obstáculos - estruturados como etapas de um [[xadrez|jogo de xadrez]] - para se tornar rainha. À medida que ela avança no tabuleiro, surgem outros tantos personagens instigantes e enigmáticos. O livro exalta essa esperteza que os adultos tantas vezes tomam por insolência. Sem tal qualidade, Alice não sobreviveria ao País das Maravilhas e ao estranho mundo do outro lado do espelho. Esses são, afinal, universos de pesadelo, povoados por essas criaturas esquisitas que vivem aprisionadas em paradoxos lógicos e argumentos circulares.
 
Carroll, apaixonado por crianças, elaborou as duas narrativas como um contraponto fantasioso e feérico que ridicularizava a compostura exigida às histórias edificantes e moralistas que eram lidas para os pequenos súditos da [[Inglaterra]] [[Era Vitoriana|vitoriana]]. Um claro exemplo é o momento em que a sentenciosa Rainha Vermelha diz: "Fale só quando falarem com você". Alice observa que, se essa regra fosse seguida por todos igualmente, a conversa deixaria de existir.<ref>{{citar web|url=http://veja.abril.com.br/210410/subterraneo-fantasia-p-130.shtml|titulo=No subterrâneo da fantasia| publicado=Veja|data=21-04-2010|língua2=pt|acessodata=07-05-2010}}</ref> Porém, tanto ''Alice no País das Maravilhas'' quanto ''Alice Através do Espelho'' mostraram ser muito mais do que histórias infantis: são obras-primas da [[literatura fantástica]] de todos os tempos, para leitores de todas as idades.