Diferenças entre edições de "Meditações"

1 076 bytes removidos ,  21h41min de 22 de abril de 2014
m
BOT - Possível teste de 187.32.77.51, revertendo para a edição 36689512 de Addbot.
(Acrescenta conteúdo sobre o livro.)
m (BOT - Possível teste de 187.32.77.51, revertendo para a edição 36689512 de Addbot.)
Suas idéias estóicas frequentemente giram em torno da negação de uma emoção, de uma habilidade, que, segundo o autor, libertarão o homem das dores e dos prazeres do mundo material. A única maneira de um homem ser atingido pelos outros seria se ele permitisse que sua reação tomasse conta de si. Marco Aurélio não mostra qualquer fé religiosa em particular nos seus escritos, mas parecia acreditar que algum tipo de força lógica e benevolente organizasse o universo de tal maneira que até mesmo os acontecimentos "ruins" ocorressem para o bem do todo.
 
Nessa obra é marcante a ideia de que o mundo pode ser dividido em dois domínios:
* Uma realidade dos objetos externos, que é mecânica e que não podemos alterar. Nessa esfera, não podemos nos sentir culpados.
* Uma realidade subjetiva, onde somos livres e exercemos o livre arbítrio. Somente nessa esfera pode haver atribuição de culpa e
responsabilidade.
De acordo com as Meditações, o que afasta a tranquilidade (Ataraxia) dos homens são os juízos que fazemos sobre o mundo, e não o mundo em si.
<nowiki> </nowiki>O caminho, portanto, é intervir sobre nossos juízos sobre o mundo, por meio da disciplina do Desejo, que consiste em não nos perturbamos com os
<nowiki> </nowiki>objetos físicos externos. Assim, é possível construir uma "Cidadela Interior", fortificada contra as adversidades do mundo.
 
Na disciplina do Impulso, por outro lado, tratamos de nossa ação moral (nossa responsabilidade). Nessa, é necessário fazer o bem para a
sociedade, atentando para a justiça e a prudência, e é assim que encontramos a paz em nossa natureza humana.
== {{Ligações externas}} ==
* {{Link|pt|2=http://portalveritas.blogspot.com/2009/04/as-meditacoes-de-marcus-aurelius.html|3=}}, Meditações de Marcus Aurelius: artigo científico.
40 705

edições