Abrir menu principal

Alterações

24 bytes adicionados, 06h36min de 25 de abril de 2014
sem resumo de edição
 
== Eleição ao Senado ==
Nas eleições de 2010, Marinor foi a 4ª colocada na disputa pelo Senado em 2010 com 727.583 votos (27,11% dos válidos).<ref name="veja.abril.com.br">{{citar web |url=http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/tag/marinor-brito/.shtml |publicado=[[Veja]] |obra= |titulo=Com jader fora de combate, Lula perde um aliado no Senado. Vaga é do PSOL |autor= |data=27 de outubro de 2010 |acessodata=27 de outubro de 2010}}</ref> Ela foi beneficiada pela lei ''[[Ficha Limpa]]'', a qual impugnou as candidaturas de Jader Barbalho (PMDB) e de [[Paulo Rocha (político)|Paulo Rocha]] (PT), ambos adversários diretos dela na disputa pelo Senado.<ref name="g1.globo.com">{{citar web |url=http://g1.globo.com/especiais/eleicoes-2010/noticia/2010/10/pa-reelege-flexa-ribeiro-para-o-senado.html.shtml |obra= |titulo=PA reelege Flexa Ribeiro e elege Marinor Brito para o Senado |publicado=[[G1]] |autor= |data=3 de outubro de 2010 |acessodata=4 de outubro de 2010}}</ref> Era possível votar em 2 candidatos diferentes ao Senado Federal, pois a renovação da Casa era de 2 terços de seus membros. Com isso, cada estado elegeu 2 senadores diferentes já que o total de votos para o cargo não totalizava 100% mas sim 200%.
 
Jader foi o 2° colocado com 1.799.762 votos (28,95% dos válidos), e Rocha foi o 3° colocado com 1.733.376 votos (27,88% dos válidos). Como no dia da votação do 1° turno ainda não havia decisão final sobre a aplicação da ''Ficha Limpa'', o [[Tribunal Superior Eleitoral|TSE]] decidiu que os candidatos "''[[sub judice]]''" poderiam concorrer mas os votos ficariam suspensos até uma decisão final. Como não se tornaram autorizados a concorrer, os [[voto]]s que obtiveram foram considerados nulos.
4 857

edições