Diferenças entre edições de "Nicolas Grenier"

186 bytes adicionados ,  05h58min de 28 de maio de 2014
correções e busca de maior neutralidade na linguagem que comunica dos fatos
(correções e busca de maior neutralidade na linguagem que comunica dos fatos)
{{Sem-fontes-bpv|data=fevereiro de 2013}}
'''Nicolas Grenier''', homônimo do famoso artista plástico radicado no Canadá, é um jornalista, [[letrista]], poeta, ensaísta e tradutor de [[língua francesa]] (letrista principalmente, tradutor de poesia e teórico da poesia moderna). Ele vive atualmente em [[Paris]].
 
Estudou no [[Institut d'Etudes Politiques de Paris]] e na [[Sorbonne]], sendo um professor da HEC.
 
Apontado por alguns jornalistas dos [[EUA]] como "uma nova voz na poesia francesa", costuma citar em seus poemas, sem apresentar julgamento crítico, o nome de marcas comerciais famosas e grandes [[corporações]], buscando apenas o lúdico, em sentido opostodiferenciado aodo [[Ludismo|ludismo]] como ideal político. Conforme o [[Tower Jornal]], seus poemas foram publicados em uma dezena de idiomas, sendo seus textos adaptados em inglês e francês para [[música eletrônica]] e [[música erudita]].
 
Embora suas traduções sejam de poetas de vanguarda e seus poemas busquem uma renovação nos temas e a renovação de antigos modelos (ele desenvolveu um trabalho destacado de [[Tanka]] e [[Haiku]], renovando a linguagem destesdestas estereótiposformas tradicionais japonesas na França, tendo recebido o Prêmio Paul Eluárd 2011 por este trabalho) sua poesia não se enquadra em padrões muito ousados, conforme sua palavras a Paul Grunelius, para a revista eletrônica PROFONDEUR DE CHAMPS.
 
Além de traduzir inúmeros poetas das [[Poesia de vanguarda|vanguardas]] (principalmente expressionistas, mas também [[Pierre Reverdy]]} e também da [[Segunda vanguarda|segunda vanguarda]], ele traduziu para o francês, com David Rochefort, poemas de [[Barack Obama]] e outros presidentes estadunidenses, como [[Lincoln]]. Também já escreveu sob encomenda para [[Bill Clinton]], repetindo o que faziam alguns poetas da Antiguidade, como [[Píndaro]].
 
==Fontes==
Utilizador anónimo