Diferenças entre edições de "A Obra de Arte na Era de Sua Reprodutibilidade Técnica"

acrescento de algumas alterações na introdução
(acrescento de algumas alterações na introdução)
'''''A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica''''' (no original [[Língua alemã|em alemão]], ''Das Kunstwerk im Zeitalter seiner technischen Reproduzierbarkeit'') é um ensaio depublicado pela primeira vez em 1936, e, poteriormente, em 1955, do crítico cultural, filósofo e sociólogo [[Walter Benjamin]], que tem sido influente através nas áreas de humanas, especialmente nas áreas de Estudos Culturais, influência da mídia, teoria da arquitetura<ref> Brian Elliott,''[[Adolf Hitler| Benjamin para Arquitetos'']], Routledge, Londres, 2011. </ref> e [[história da arte]]. Escrito em um momento em que [[Adolf Hitler]] já era o chanceler da Alemanha, foi produzido em um esforço para descrever uma teoria de arte que seria "útil para a formulação das exigências revolucionárias na política da arte". Ele argumentou que, na ausência de qualquer valor ritual tradicional, a arte na era da reprodução mecânica seria inerentemente baseada na prática da política.
</ref> e [[história da arte]]. O ensaio foi produzido em um esforço para descrever uma teoria materialista da arte, que seria "útil para a formulação das exigências revolucionárias na política da arte". Ele argumentou que, na ausência de qualquer valor ritual tradicional, a arte na era da reprodução mecânica seria inerentemente baseada na prática da política.<ref>Walter Benjamin, ''A Obra de Arte na Era da sua Reprodutibilidade Técnica'', 1936, capítulo IV.
 
</ref>Para tal, o autor fez uma reflexão sobre como a reprodutibilidade técnica causou uma deterioração da "aura", que estaria ligada ao aqui e agora da obra de arte; a partir do advento de tal reprodutibilidade técnica, o objeto artístico acaba por perder sua "unicidade", "singularidade" e "autenticidade" e, seu valor de culto, é drasticamente alterado graças à tecnologia industrial vigente. Neste cenário abrem-se as portas para o valor de exposição, onde o fundamental é distribuir cópias e faturar em cima da distribuição da arte.<ref>Walter Benjamin, ''A Obra de Arte na Era da sua Reprodutibilidade Técnica'', 1936, capítulo V.
</ref>
O ensaio foi escrito para um pequeno círculo de acadêmicos para posicionar arte na esfera dos meios de comunicação de massa,<ref>Scannell, Paddy (2003) "Benjamin Contextualized: On 'The Work of Art in the Age of Mechanical Reproduction'" Canonic Texts, p. 74–89, in Katz et al. (eds.). Polity Press, Cambridge. ISBN 9780745629346 p. 55</ref> e publicado pela primeira vez em francês (1936, traduzido por Pierre Klossowski).<ref>"L'œuvre d'art à l'époque de sa reproduction méchanisée" in ''Zeitschrift für Sozialforschung'' Jahrgang V, Félix Alcan, Paris, 1936, pp. 40–68.</ref>
 
28

edições