Diferenças entre edições de "Sepse"

3 bytes adicionados ,  01h39min de 21 de junho de 2014
→‎Definições: Mudei o uso da palavra shock, para choque, conforme o uso em livros de medicina.
(Alterei o uso da palavra shock para o equivalente portugues choque. É o termo usado em livros de medicina.)
(→‎Definições: Mudei o uso da palavra shock, para choque, conforme o uso em livros de medicina.)
* '''Sepse''': é definida como SIRS em resposta a um processo infeccioso.
* '''Sepse severa''': é definida como sepse em conjunto com uma consequente disfunção de órgão ou hipoperfusão tissular (que se manifesta através de hipotensão, lactato elevado ou diminuição da diurese)
* '''ShockChoque séptico''': é definida por sepse severa mais hipotensão persistente após a administração de fluidos intravenosos.
 
'''Síndrome de resposta inflamatória sistêmica'''
 
=== Esteroides ===
O uso de esteroides na sepse é controverso. Em uma doença crítica, um estado de insuficiência ad-renal e resistência tissular aos corticoesteroides pode ocorrer. Esse fenômeno é chamado de ''insuficiência corticoesteroide relacionada a doença critica''. O tratamento com corticoesteroides pode ser benéfico em aqueles em shockchoque séptico e ''síndrome de distress respiratório agudo'' (SDRA), enquanto que em outros casos, como o de pancreatite ou pneumonia severa, o seu papel não está bem estabelecido. Entretanto, o modo exato de determinar a insuficiência corticoesteroide permanece difícil. Deve ser suspeitada naqueles que respondem mal a ressuscitação volêmica e vasopressores. O teste de estimulação ACTH não é recomendado para confirmar o diagnóstico. O método de retirada das drogas glucocorticoides é variável e não está claro se deve ser progressivo ou simplesmente abrupto.
 
=== Proteína C Ativada ===
 
== Prognóstico ==
Aproximadamente 20-35% das pessoas com sepse severa e 30-70% das pessoas com shockchoque séptico morrem. O lactato sérico é um método bastante útil para determinar o prognóstico, sendo que aqueles que tem um nível maior que 36 mg/dL (4mmol/L) tem uma mortalidade de 40% e aqueles com um nível de lactato menor a 18 mg/dL (2 mmol/L) tem uma mortalidade de menos de 15%.
 
Existem vários sistemas de estratificação prognóstica, como o APACHE II e Mortalidade de Sepse em Departamentos de Emergência. APACHE II avalia a idade da pessoa, condições subjacentes e variáveis fisiológicas que ajudam a estimar o risco de morte de sepse severa. Destes fatores, a severidade da condição subjacente é a que mais influencia no risco de morte. O choque séptico é também um forte preditor de morte a curto e longo prazo. Taxas de letalidade são similares para culturas positivas e culturas negativas de sepse severa. O sistema de Mortalidade de Sepse em Departamentos de Emergência é mais simples e útil em um ambiente de emergência.
Utilizador anónimo