Diferenças entre edições de "Alberto Seixas Santos"

194 bytes adicionados ,  00h15min de 24 de novembro de 2006
sem resumo de edição
m (corrigido corte de parágrafo e gralha)
Pertencente a uma geração de cineclubistas, Seixas Santos, cineasta do movimento do [[Cinema Novo Português]], começou por filmar documentários - ''A Arte e o Ofício de Ourives'' e ''Indústria Cervejeira em Portugal'' (1968). Foi, em [[1970]], um dos fundadores do [[Centro Português de Cinema]].
 
''Brandos Costumes'', a sua primeira longa-metragem, rodada entre [[1972]] e [[1975]] e escrita em parceria com os escritores [[Luíza Neto Jorge]] e [[Nuno Júdice]], traça um paralelo entre o quotidiano de uma família da média burguesia e o trajecto do regime emanado do golpe militar de [[28 de Maio]] de [[1926]]. Este filme foi seleccionado, em competição, para o [[Festival de Berlim|Festival de Cinema de Berlim]] e é uma das obras representativas do movimento do [[Cinema Novo]] em Portugal (Ver: [http://pt.wikipedia.org/wiki/Cinema_de_Portugal#Anos_setenta Cinema de Portugal, anos setenta] - wikipedia).
 
Foi um dos realizadores de ''As Armas e o Povo'', também de 1975, filme colectivo que retrata a primeira semana de [[Revolução dos Cravos]], cobrindo os acontecimentos do [[25 de Abril]] ao [[1 de Maio]] de [[1974]]. Seguindo a mesma linha política, realizou em [[1976]] o filme, também colectivo, ''A Lei da Terra'', exibido no [[Festival de Leipzig]], que tem como tema o processo de reforma agrária então em curso. Neste mesmo ano foi nomeado presidente do IPC – [[Instituto Português de Cinema]]. Foi um dos fundadores da cooperativa Grupo Zero, à qual pertenceram cineastas como [[João César Monteiro]], [[Jorge Silva Melo]], [[Ricardo Costa]], [[Margarida Gil]], [[Solveig Nordlund]] e o director de fotografia [[Acácio de Almeida]].
Utilizador anónimo