Diferenças entre edições de "Zona de desenvolvimento proximal"

Sem alteração do tamanho ,  02h53min de 5 de julho de 2014
Chaiklin (2003) critica a ''interpretação comum'' em três fundamentos. Primeiro, a ZDP deve estar relacionada ao desenvolvimento global ao longo do tempo, ao invés de tratar da aprendizagem de qualquer habilidade específica; segundo, é fato aceite que uma criança pode fazer mais se houver a direção e colaboração de uma pessoa mais capaz. O que muitos pesquisadores evitam é entender o significado da assistência provida, em relação à aprendizagem de habilidades e o desenvolvimento global do estudante. Finalmente, o potencial de um estudante não é propriedade de uma criança (como em "nesta fase ela está em sua Zona de Desenvolvimento Proximal"), pelo contrário, a ZDP é uma indicação de presença de imaturidade, ou do processo de amadurecimento, como se queira, funções psicológicas que podem ser um trampolim para intervenções significantes.
 
Chaiklin (2003) conclui seu ensaio com vários assuntos para discussão futura (inclusive as relações entre a ZPD e o "scaffolding"), e nos estimula a revisar o constructo teórico original em seu contexto histórico e cultural, antes de afastá-lo das intenções originais de VigotskiVygotsky.
 
(a) VigotskiVygotsky estava tentando levantar uma série de temas que não foram adequadamente confrontadas na literatura contemporânea que recorre a este conceito;
 
(b) muitas das "resoluções" ou "desenvolvimentos novos" que diversos autores propuseram parecem ser uma diluição destes assuntos teóricos gerais, em lugar de uma clarificação ou aprofundamento; e
Utilizador anónimo