Diferenças entre edições de "Problema da parada"

1 byte adicionado ,  15h33min de 4 de agosto de 2014
→‎Histórico do problema da parada: a palavra em questão estava faltando um caractere "natual" <> "natural"
(updating interwiki link)
(→‎Histórico do problema da parada: a palavra em questão estava faltando um caractere "natual" <> "natural")
Em qualquer caso, ''f'' não pode ser a mesma função que ''h'', porque ''f'' foi uma função parcial computável ''arbitrária'' com dois argumentos, todas estas funções devem divergir de ''h''.
 
Esta prova é análoga ao [[Argumento de diagonalização de Cantor]]. O indivíduo deve visualizar um array bidimensional com uma coluna e uma linha para cada número natualnatural, como indicado na tabela acima. O valor de ''f''(''i'',''j'') é colocado na coluna ''i'', linha ''j''. Porque assumimos que ''f'' deve ser uma função parcial computável, qualquer elemento do array pode ser calculado usando ''f''. A construção da função ''g'' pode ser visualizada utilizando a diagonal principal deste array. Se o array tem um 0 na posição (''i'',''i''), então ''g''(''i'') é 0. Caso contrário ''g''(''i'') é indefinido. A contradição vem do fato que existe uma coluna ''e'' do array correspondendo ao ''g''. Se ''f'' fosse a função de parada ''h'', haveria um 1 na posição (''e'',''e'') se e somente se ''g''(''e'') for definido, mas ''g'' é construído de forma que se e somente se há um 0 na posição (''e'',''e'').
 
== Histórico do problema da parada ==
Utilizador anónimo