Diferenças entre edições de "Usuário(a) Discussão:Cristina Terres Santos"

3 417 bytes adicionados ,  23h47min de 9 de novembro de 2014
m (Foram revertidas as edições de Cristina Terres Santos para a última revisão de Marcos dias de oliveira, de 22:09, novembro 9, 2014 (UTC))
 
É convidado a contribuir com conteúdos desde que estes estejam de acordo com as [[Wikipedia:Políticas da Wikipédia lusófona|políticas da Wikipédia]] e no âmbito de uma [[Wikipedia:O_que_a_Wikipédia_não_é|enciclopédia]]. Por favor não volte a criar o mesmo artigo com o mesmo conteúdo. Obrigado pela compreensão. [[Usuário:Marcos dias de oliveira|<span style="color: blue; font-size:115%;text-decoration: underline;">'''''Marcos Dias'''''</span>]] <sup>[[Usuário Discussão:Marcos dias de oliveira|<span style="color:blue;font-size:110%;">'''''?'''''</span>]]</sup> 22h09min de 9 de novembro de 2014 (UTC)
 
== Relatório Bioquímica I - 2.2014 - Reações Enzimáticas ==
 
Bioquímica I
 
Tutora Juliana Gil Melgaço
 
Relátorio de Aula Pratica - 2
Alunos Cristina Terres Santos Marilia Cardoso
Experimento II – Efeito da concentração de enzima na reação da Bromelina
- Objetivo
Verificar o quanto a concentração de enzimas pode altera a velocidade das reações enzimáticas.
- Material
Leite em pó, 10 ml de suco natural de abacaxi, 100 ml de água, 5 placas de Petri, 5 tubos de ensaio, 5 mexedores de café, 1 pazinha de plastico grande, 1 espátula, caneta de retroprojetor, estante para tubos, proveta de 10ml, 1 pipeta automática 1ml, 1 cronometro ou relógio, balança.
- Procedimentos
Devemos marcar as placas de Petri com a numeração de 1 a 5 e colocar em cada uma delas 10 gramas de leite em pó, pesados em balança de precisão. Misture em cada uma , 9 ml de água, medidos na pipeta, misture com os mexedores de café. Durante todo o processo as placas de Petri deverão estar cobertas. Numere os tubos de ensaio de 1 a 5 e coloque na estante para tubos. De acordo com a tabela abaixo, prepara-se diferentes concentrações de bromelina nos tubos de ensaio numerados, misture bem:
Tubo Água (ml) Suco de Abacaxi (ml)
1- Controle 4 0
2 3 1
3 2 2
4 1 3
5 0 4
Em cada placa de Petri adiciona-se 1 ml da solução de cada tubo de ensaio na respectiva placa de Petri (1ml da solução do tubo de ensaio 1 na placa de Petri de numero 1, e assim, sucessivamente). Misture bem a solução em cada amostra e acione o cronometro para cada uma. A cada cinco minutos passe a pazinha de plástico no fundo de cada uma das placas, observamos a consistência de cada amostra e anotamos em uma tabela. Quando a amostra formar um linha mostrando o fundo da placa dividindo a mistura em dois por mais de um minuto, considera-se o fim da reação para a respectiva placa, marca-se na tabela.
- Resultado
Tabela de coleta de dados
No. Placa/ Tempo Velocidade Reação
Concentração Enzima 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55
1/ 0% - - - - - - - - - - -
2/25% - - - - - - - - - - Fim 0,018 1/mim
3/50% - - - - - Fim 0,033 1/min
4/75% - - - Fim 0,050 1/min
5/100% - Fim 0,1 1/min
 
vr = 1/min
vr1 = 1/0 = 0
vr2 = 1/55 = 0,018
vr3 = 1/30 = 0,033
vr4 = 1/20 = 0,05
vr5 = 1/10 = 0,1
A caseína do leite sob a ação da bromelina hidrolisa as ligações peptídicas desta proteína, tendendo a enrijecer a mistura. Quando observamos a tabela e o gráfico podemos constatar que a reação enzimática é proporcional a quantidade de substrato/reagente, é uma reação gradativa. Em todas as amostras tivemos a mesma quantidade de substrato, valor de pH e a mesma temperatura, tendo como variável a concentração de enzimas, assim, a velocidade da reação é diretamente proporcional a quantidade de enzima presente no meio, dentro das condições estabelecidas anteriormente.
Abaixo, gráfico referente a evolução do acima descrito.