Númidas: diferenças entre revisões

Sem alteração do tamanho ,  18h23min de 17 de novembro de 2014
Sífax tentou convencer Hanão Barca e [[Cipião Africano|Públio Cornélio Cipião]] a fazerem um acordo de paz entre as duas nações, depois que os [[Roma Antiga|romanos]] haviam desembarcado suas tropas na [[África]]. Com o auxílio de [[Massinissa]], no entanto, as tropas de Cipião colocaram fogo no acampamento de Sífax. Cipião colocou então Massinissa no comando da maior parte do território de Sífax, reconhecendo seu valor no combate contra Cartago. Após o fim da guerra Massinissa começou a organizar as tribos, reunindo a população nômade e formando uma nação unida e desenvolvendo sua agricultura.
 
O tratado de paz entre Cartago e a República Romana prevenia que a cidade norte-africana se envolvesse em outros conflitos bélicos sem a permissão de Roma. Massinissa se aproveitou deste tratado para tomar terra dos cartaginenses, utilizando-se de diversos expedientes para isso. Num deles, declarou aos romanos que Cartago estava reconstruindo sua [[marinha]] - contrariando a cláusula do tratado que proibia isto; Cartago apelou da decisão romana inicial, que puniu a cidade, e [[Catão, o Velho]] foi enviado, juntamente com uma comissão, para mediar um possível acordo. A comissão insistiu que ambos os lados concordassem com sua decisão final; Massinissa consentiu, porém os governantes de Cartago se recusaram. Catão havia servido nas legiões romanas durante a Segunda Guerra Púnica, e o impasse o convenceu de que uma [[Terceira Guerra Púnica]] seria necessária - proposta que defendeu numa série de discursos ao [[Senadosenado Romanoromano]], todos os quais terminavam com a frase "''[[Carthago delenda est|Ceterum censeo Carthaginem esse delendam]]''" (''No mais, sou da opinião de que Cartago deve ser destruída'').<ref>[[Plutarco]], [http://penelope.uchicago.edu/Thayer/E/Roman/Texts/Plutarch/Lives/Cato_Major*.html Vida de Catão] {{en}}</ref>
 
Um grupo de senadores cartaginenses procurou estabelecer um tratado de paz com os númidas, porém este grupo acabou sendo exilado, em parte porque a população de Cartago não desejava se submeter a um povo que havia dominado tradicionalmente. Uma vez no exílio, estes senadores procuraram a ajuda de Massinissa, que enviou dois de seus filhos para interceder aos cidadãos de Cartago pelo retorno deles. [[Cartalão]], líder de uma facção democrática que se opunha à influência númida, bloqueou sua entrada; e [[Amílcar]], outro líder do mesmo grupo, ordenou que alguns homens atacassem os filhos de Massinissa.
42 835

edições