Abrir menu principal

Alterações

84 bytes removidos ,  23h44min de 25 de novembro de 2014
=== A intercessão dos santos ===
[[Imagem:Rozhen Monastery - fresco.jpg|175px|thumb|direita|Afresco de um grupo de [[santo]]s no [[Céu (religião)|Céu]], do Monastério de Rozhen, [[Grécia]].]]
 
{{Artigo principal|[[Intercessão]]}}
{{quote1citar bíblia|"Jeremias|15|1|citação = E o Senhor disse-me: ainda que [[Moisés]] e [[Samuel (Bíblia)|Samuel]] se pusessem diante de mim, meu coração não se voltaria para esse povo; tira-os da minha face e retirem-se"'' (''[[Livro de Jeremias|Jer]] 15, 1'')}}. No tempo de [[Jeremias]], Moisés e Samuel estavam mortos, mas sua possível intercessão é confirmada pelo próprio Deus: ''"ainda que Moisés e Samuel se pusessem diante de mim..."'', ou seja, eles poderiam se colocar diante de Deus, intercedendo e pedindo clemência para aquele povo. ''"Então tomando-lhe a palavra, disse-lhe Onias: "Eis o amigo de seus irmãos, aquele que reza muito pelo povo e pela cidade santa, Jeremias, o profeta de Deus."'' ([[II Macabeus]] 15:14). Jeremias já estava morto nesta época, e Onias relata que ele está intercedendo e orando pela cidade de [[Jerusalém]].
 
Os [[católicos]], [[ortodoxos]] e [[anglicanos]] acreditam que [[Maria (mãe de Jesus)|Maria]], os [[Anjo]]s e os [[Santo]]s são seres espirituais que oram no [[Céu (religião)|Céu]] pelos pedidos e súplicas dos homens, intercedendo junto de Deus, é o [[Dogmas da Igreja Católica|dogma]] da ''"[[comunhão dos santos]]''". Os santos conhecem as preces a eles dirigidas por dom de Deus, de quem vem ''“todo{{citar bíblia|Tiago|1|17|citação=todo dom melhor e todo dom perfeito”'' (''[[Epístola de Tiago|Tg]] 1, 17'')perfeito}}. A passagem mais significativa é ''[[{{citar bíblia|Apocalipse]] |5, |8''}}, em que [[Sãoo João]]autor diz que Deus recebe as orações dos santos. Outras passagens bíblicas dizem que os ''"{{citar bíblia|Mateus|22|30|citação = santos são como os anjos de Deus no céu"'' (''[[Evangelho de Mateus|Mateus]] 22, 30'')}}. [[Zacarias (profeta)|Zacarias]] diz: ''"{{citar bíblia|Zacarias|1|12|13|citação = que o anjo intercedeu por Jerusalém ao Senhor dos exércitos"'' (''[[Livro de Zacarias|Zc]] 1, 12 -13'')}}. O próprio Jesus fez uma narrativa de uma intercessão, em que uma pessoa que se encontrava no [[inferno]] implorava a [[Abraão]] que mandasse alguém para lhe refrescar a língua com água (''[[Evangelho de{{citar bíblia|Lucas|Lucas]], 16, |19-|31''}}).
{{quote1|"E o Senhor disse-me: ainda que [[Moisés]] e [[Samuel (Bíblia)|Samuel]] se pusessem diante de mim, meu coração não se voltaria para esse povo; tira-os da minha face e retirem-se"'' (''[[Livro de Jeremias|Jer]] 15, 1''). No tempo de [[Jeremias]], Moisés e Samuel estavam mortos, mas sua possível intercessão é confirmada pelo próprio Deus: ''"ainda que Moisés e Samuel se pusessem diante de mim..."'', ou seja, eles poderiam se colocar diante de Deus, intercedendo e pedindo clemência para aquele povo.
 
Os referidos grupos religiosos também acreditam que Cristo seria o único mediador de redenção e salvação perante Deus, conforme relatado em ''[[Primeira{{citar Epístola abíblia|I Timóteo|1 Timóteo]] 2:|5-|7''}}, quando [[Paulo de Tarso|São Paulo]] diz "''Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens: Jesus Cristo, homem que se entregou como resgate por todos. Tal é o fato atestado em seu tempo''", como Paulo escreve ''"homem que se entregou como resgate por todos"'' ou seja para a [[salvação]] de todos, afirmando que os santos poderiam interceder em outras questões, mais cabe unicamente a Cristo a mediação de salvação, também sustentam que podem haver mediadores que dependem de Jesus, como Maria, considerada "[[medianeira]]".
''"Então tomando-lhe a palavra, disse-lhe Onias: "Eis o amigo de seus irmãos, aquele que reza muito pelo povo e pela cidade santa, Jeremias, o profeta de Deus."'' (''[[II Macabeus]] 15,14''). Jeremias já estava morto nesta época, e Onias relata que ele está intercedendo e orando pela cidade de [[Jerusalém]].}}
 
Os [[católicos]], [[ortodoxos]] e [[anglicanos]] acreditam que [[Maria (mãe de Jesus)|Maria]], os [[Anjo]]s e os [[Santo]]s são seres espirituais que oram no [[Céu (religião)|Céu]] pelos pedidos e súplicas dos homens, intercedendo junto de Deus, é o [[Dogmas da Igreja Católica|dogma]] da ''[[comunhão dos santos]]''. Os santos conhecem as preces a eles dirigidas por dom de Deus, de quem vem ''“todo dom melhor e todo dom perfeito”'' (''[[Epístola de Tiago|Tg]] 1, 17''). A passagem mais significativa é ''[[Apocalipse]] 5, 8'', em que [[São João]] diz que Deus recebe as orações dos santos. Outras passagens bíblicas dizem que os ''"santos são como os anjos de Deus no céu"'' (''[[Evangelho de Mateus|Mateus]] 22, 30''). [[Zacarias (profeta)|Zacarias]] diz: ''"que o anjo intercedeu por Jerusalém ao Senhor dos exércitos"'' (''[[Livro de Zacarias|Zc]] 1, 12 -13''). O próprio Jesus fez uma narrativa de uma intercessão, em que uma pessoa que se encontrava no [[inferno]] implorava a [[Abraão]] que mandasse alguém para lhe refrescar a língua com água (''[[Evangelho de Lucas|Lucas]], 16, 19-31'').
 
Os referidos grupos religiosos também acreditam que Cristo seria o único mediador de redenção e salvação perante Deus, conforme relatado em ''[[Primeira Epístola a Timóteo|1 Timóteo]] 2:5-7'', quando [[São Paulo]] diz "''Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens: Jesus Cristo, homem que se entregou como resgate por todos. Tal é o fato atestado em seu tempo''", como Paulo escreve ''"homem que se entregou como resgate por todos"'' ou seja para a [[salvação]] de todos, afirmando que os santos poderiam interceder em outras questões, mais cabe unicamente a Cristo a mediação de salvação, também sustentam que podem haver mediadores que dependem de Jesus, como Maria, considerada [[medianeira]].
 
=== Confecção de imagens ===
Na Bíblia existem alguns exemplos em que [[Deus]] mandou fazer imagens para o uso religioso. {{quote1citar bíblia|"Êxodo|20|4|citação = Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra." ([[Êxodo|Ex]] 20:4)}}. ''Os referidos grupos religiosos acreditam esta passagem teria proibido apenas a representação simbólica de Deus sob a forma de um [[astro]] e de um [[pássaro]] (que são o "que há em cima nos céus"), de um [[homem]], de uma [[planta]] ou [[animal]] ("em baixo na terra" - como ocorreria com o [[Bezerro de Ouro]]), ou de um [[animal aquático]] ("nas águas") (''[[{{citar bíblia|Deuteronômio|Dt]] 4:|16-|18''}}).<ref>Notas explicativas no [[Dez Mandamentos|Décalogo]] da Tradução da [[Bíblia Sagrada (editora Ave Maria)|Bíblia Sagrada]] revisada por Frei José Pedreira de Castro. [[O.F.M.]] e pela equipe auxiliar da "Editora Ave-Maria". ISBN 85-276-0549-X.</ref>.
Na Bíblia existem alguns exemplos em que [[Deus]] mandou fazer imagens para o uso religioso:
 
''"{{citação2|{{citar bíblia|Êxodo|25|18|19|citação = Farás também ''dois [[Querubim|querubins]] de ouro; de ouro batido os farás'', nas duas extremidades do propiciatório. Farás um querubim na extremidade de uma parte, e outro querubim na extremidade de outra parte; de uma só peça com o propiciatório fareis os querubins nas duas extremidades dele.''" (''[[Livro do Êxodo|Ex]] 25,18-19'')}}}}
{{quote1|"Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra." ([[Êxodo|Ex]] 20:4). ''Os referidos grupos religiosos acreditam esta passagem teria proibido apenas a representação simbólica de Deus sob a forma de um [[astro]] e de um [[pássaro]] (que são o "que há em cima nos céus"), de um [[homem]], de uma [[planta]] ou [[animal]] ("em baixo na terra" - como ocorreria com o [[Bezerro de Ouro]]), ou de um [[animal aquático]] ("nas águas") (''[[Deuteronômio|Dt]] 4:16-18'').<ref>Notas explicativas no [[Dez Mandamentos|Décalogo]] da Tradução da [[Bíblia Sagrada (editora Ave Maria)|Bíblia Sagrada]] revisada por Frei José Pedreira de Castro. [[O.F.M.]] e pela equipe auxiliar da "Editora Ave-Maria". ISBN 85-276-0549-X.</ref>
 
''“E{{citação2|{{citar bíblia|Números|21|8|9|citação = E disse o Senhor a Moisés: Faze uma ''serpente ardente e põe-na sobre uma haste''; e será que viverá todo mordido quem olhar para ela. E Moisés fez uma ''serpente de metal'' e pô-la sobre uma haste; e era que, mordendo alguma serpente a alguém, olhava para a serpente de metal e ficava vivo.”'' (''[[Livro dos Números|Nm]] 21,8-9'')}}}}
''"Farás também ''dois [[Querubim|querubins]] de ouro; de ouro batido os farás'', nas duas extremidades do propiciatório. Farás um querubim na extremidade de uma parte, e outro querubim na extremidade de outra parte; de uma só peça com o propiciatório fareis os querubins nas duas extremidades dele.''" (''[[Livro do Êxodo|Ex]] 25,18-19'')
 
Estes grupos religiosos utilizam objetos tais como [[cruz]]es, [[ícone]]s, [[incenso]], [[vela]]s e etc. Eles acreditam que a proibição de fazer imagens de Deus no mandamento do [[Antigo Testamento]], devia-se ao fato de que Deus era invisível e retratá-lo seria realmente errado, mas que a encarnação de Deus em seu Filho, [[Jesus Cristo]], {{citar bíblia|João|1|14|citação = ''"O [[Logos (cristianismo)|Verbo]] se fez carne"'' (''[[Evangelho de João|Jo]] 1:14'')}}, assim o Deus invisível se tornou visível em Cristo (''[[Epístola aos{{citar bíblia|Colossenses|Colossenses]] 1:|15''}}) e, portanto é admissível que se retrate Jesus. A [[Igreja ortodoxa]] ensina que a encarnação de Jesus torna obrigatório a confeçãoconfecção e veneração de seus ícones, a fim de preservar a verdade da Encarnação, pois não venerá-los implicaria negar que Jesus foi totalmente Deus, e negar que Ele tinha um corpo físico real. No entanto, os ortodoxos não utilizam estátuas, mas apenas pinturas.<ref>{{cite web| url= http://mundoestranho.abril.com.br/religiao/pergunta_286142.shtml| last = | first = | title = Qual é a diferença entre a Igreja Católica e a Ortodoxa?| accessdate=2010-02-08 | work = Mundo Estranho}}</ref>
''“E disse o Senhor a Moisés: Faze uma ''serpente ardente e põe-na sobre uma haste''; e será que viverá todo mordido quem olhar para ela. E Moisés fez uma ''serpente de metal'' e pô-la sobre uma haste; e era que, mordendo alguma serpente a alguém, olhava para a serpente de metal e ficava vivo.”'' (''[[Livro dos Números|Nm]] 21,8-9'')}}
 
Estes grupos religiosos utilizam objetos tais como [[cruz]]es, [[ícone]]s, [[incenso]], [[vela]]s e etc. Eles acreditam que a proibição de fazer imagens de Deus no mandamento do [[Antigo Testamento]], devia-se ao fato de que Deus era invisível e retratá-lo seria realmente errado, mas que a encarnação de Deus em seu Filho, [[Jesus Cristo]], ''"O [[Logos|Verbo]] se fez carne"'' (''[[Evangelho de João|Jo]] 1:14''), assim o Deus invisível se tornou visível em Cristo (''[[Epístola aos Colossenses|Colossenses]] 1:15'') e, portanto é admissível que se retrate Jesus. A [[Igreja ortodoxa]] ensina que a encarnação de Jesus torna obrigatório a confeção e veneração de seus ícones, a fim de preservar a verdade da Encarnação, pois não venerá-los implicaria negar que Jesus foi totalmente Deus, e negar que Ele tinha um corpo físico real. No entanto, os ortodoxos não utilizam estátuas, mas apenas pinturas.
<ref>{{cite web| url= http://mundoestranho.abril.com.br/religiao/pergunta_286142.shtml| last = | first = | title = Qual é a diferença entre a Igreja Católica e a Ortodoxa?| accessdate=2010-02-08 | work = Mundo Estranho}}</ref>
 
=== Veneração ===
Exemplos de veneração são demonstradas na [[Bíblia]]: {{citar bíblia|Gênesis|18|2|citação = Abraão levantou os olhos e viu três homens de pé diante dele. Levantou-se no mesmo instante da entrada de sua tenda, veio-lhes ao encontro e ''prostrou-se por terra}}, {{citar bíblia|Êxodo|18|7|citação = Moisés saiu ao encontro de seu sogro, ''prostrou-se e beijou-o''. Informaram-se mutuamente sobre a sua saúde e entraram na tenda}} e {{citar bíblia|Josué|7|6|citação = Josué rasgou suas vestes e 'prostrou-se com a face por terra até a tarde diante da arca do Senhor', tanto ele como os anciãos de Israel, e cobriram de pó as suas cabeças.}}
Exemplos de veneração são demonstradas na [[Bíblia]]:
{{quote1|"Abraão levantou os olhos e viu três homens de pé diante dele. Levantou-se no mesmo instante da entrada de sua tenda, veio-lhes ao encontro e ''prostrou-se por terra''” (''[[Gênesis|Gn]] 18,2'')
 
Na passagens acima, [[Abraão]] e [[Moisés]] põem-se de joelhos como forma de respeito e veneração por outros homens ou seres espirituais ([[anjo]]s no caso de Abraão), o ato de súplica não é um ato de adoração, mas de humildade, onde eles reconhecem no outro sua superioridade ou seu poder de atender-lhe um pedido. Porém a passagem mais significativa é a de [[Josué]], em que ele se prosta diante da [[arca da aliança]], sendo um exemplo explícito de veneração de uma imagem ou objeto. Portanto a própria Bíblia difere a adoração (''[[latria]]'') de veneração (dulia).<ref>Outros exemplos incluem ''[[Gênesis|Gndulia]] 23,12; Gn 33,3; [[Êxodo|Ex]] 18,7; [[I Samuel|1Sm]] 25,41; [[II Samuel|2Sm]] 9,6; 14,4; [[II Reis|2Rs]] 1,13'').</ref>
''"Moisés saiu ao encontro de seu sogro, ''prostrou-se e beijou-o''. Informaram-se mutuamente sobre a sua saúde e entraram na tenda"'' (''[[Livro do Êxodo|Ex]] 18,7'')
 
''"Josué rasgou suas vestes e ''prostrou-se com a face por terra até a tarde diante da arca do Senhor'', tanto ele como os anciãos de Israel, e cobriram de pó as suas cabeças."'' (''[[Livro de Josué|Josué]] 7, 6'')"}}
 
Na passagens acima, [[Abraão]] e [[Moisés]] põem-se de joelhos como forma de respeito e veneração por outros homens ou seres espirituais ([[anjo]]s no caso de Abraão), o ato de súplica não é um ato de adoração, mas de humildade, onde eles reconhecem no outro sua superioridade ou seu poder de atender-lhe um pedido. Porém a passagem mais significativa é a de [[Josué]], em que ele se prosta diante da [[arca da aliança]], sendo um exemplo explícito de veneração de uma imagem ou objeto. Portanto a própria Bíblia difere a adoração (latria) de veneração (dulia).<ref>Outros exemplos incluem [[Gênesis|Gn]] 23,12; Gn 33,3; [[Êxodo|Ex]] 18,7; [[I Samuel|1Sm]] 25,41; [[II Samuel|2Sm]] 9,6; 14,4; [[II Reis|2Rs]] 1,13.</ref>
 
=== Relíquias ===
{{Artigo principal|[[Relíquia]]}}
{{quote1citação2|"{{citar bíblia|Atos|19|11|12|citação = Deus fazia milagres extraordinários por intermédio de [[Paulo de Tarso|Paulo]], de modo que lenços e outros panos que tinham tocado o seu corpo eram levados aos enfermos; e afastavam-se deles as doenças e retiravam-se os espíritos malignos."'' (''[[Atos dos Apóstolos|At]] 19, 11-12''). Nesta passagem bíblica é relatado que Deus por meio dos lenços e panos de [[São Paulo]] curava doentes . }}
Nesta passagem bíblica é relatado que Deus por meio dos lenços e panos de [[Paulo de Tarso|São Paulo]] curava doentes.
 
Os referidos grupos religiosos conservam e atribuem milagres a [[relíquia]]s, ou seja, ossos ou objetos de [[santo]]s e [[mártir]]es, porém não acreditam que o milagre é produzido ''"materialmente pelas relíquias"'', mas pela vontade de Deus através delas. No Antigo Testamento os hebreus já tinham este costume, por exemplo, Moisés levou do Egito o corpo de [[José (''[[Êxodofilho de Jacó)|ExJosé]] 13,({citar bíblia|Êxodo|13|19''}}), um morto ressuscitou ao contato dos ossos do profeta [[Eliseu]] (''[[{{citar bíblia|II Reis]], |13, |21''}}). No [[Novo Testamento]], a sombra de [[São Pedro]] curava doentes (''[[Atos{{citar dos Apóstolosbíblia|Atos|At]] 5, |15''}}). Na [[Igreja Primitiva]], [[Santo Inácio de Antioquia]], devorado por leões no [[Coliseu]] de [[Roma]], teve alguns ossos recuperados por seus discípulos e levados para [[Antioquia]] (no ano [[107]]) para serem venerados. O mesmo ocorreu com [[São Policarpo]], [[bispo]] de Esmirna ([[166Esmirna]] (166), queimado vivo; os seus restos foram recuperados e venerados<ref>Cave, ''Primitive Christianity: or the Religion of the Ancient Christians in the First Ages of the Gospel''. 1840, revised edition by H. Cary. Oxford, London, pp. 84-85).</ref>. Registros indicam que desde o [[século II]], o [[túmulo de São Pedro|túmulo com os restos mortais de São Pedro]] no [[Vaticano]] era um local de [[peregrinação]] e veneração.<ref>Roger T. O'Callaghan, "''Recent Excavations underneath the Vatican Crypts''", na "''The Biblical Archaeologist 12''" (1949:1-23) e "''Vatican Excavations and the Tomb of Peter''", "''The Biblical Archaeologist 16.4''" (Dezembro de 1953:70-87).</ref>
{{quote1|"Deus fazia milagres extraordinários por intermédio de [[Paulo de Tarso|Paulo]], de modo que lenços e outros panos que tinham tocado o seu corpo eram levados aos enfermos; e afastavam-se deles as doenças e retiravam-se os espíritos malignos."'' (''[[Atos dos Apóstolos|At]] 19, 11-12''). Nesta passagem bíblica é relatado que Deus por meio dos lenços e panos de [[São Paulo]] curava doentes . }}
 
Os referidos grupos religiosos conservam e atribuem milagres a [[relíquia]]s, ou seja, ossos ou objetos de [[santo]]s e [[mártir]]es, porém não acreditam que o milagre é produzido ''"materialmente pelas relíquias"'', mas pela vontade de Deus através delas. No Antigo Testamento os hebreus já tinham este costume, por exemplo, Moisés levou do Egito o corpo de José (''[[Êxodo|Ex]] 13, 19''), um morto ressuscitou ao contato dos ossos do profeta [[Eliseu]] (''[[II Reis]], 13, 21''). No Novo Testamento a sombra de [[São Pedro]] curava doentes (''[[Atos dos Apóstolos|At]] 5, 15''). Na [[Igreja Primitiva]] [[Santo Inácio de Antioquia]], devorado por leões no [[Coliseu]] de [[Roma]], teve alguns ossos recuperados por seus discípulos e levados para [[Antioquia]] (no ano [[107]]) para serem venerados. O mesmo ocorreu com [[São Policarpo]], bispo de Esmirna ([[166]]), queimado vivo; os seus restos foram recuperados e venerados<ref>Cave, ''Primitive Christianity: or the Religion of the Ancient Christians in the First Ages of the Gospel''. 1840, revised edition by H. Cary. Oxford, London, pp. 84-85).</ref>. Registros indicam que desde o [[século II]], o [[túmulo de São Pedro|túmulo com os restos mortais de São Pedro]] no [[Vaticano]] era um local de [[peregrinação]] e veneração.<ref>Roger T. O'Callaghan, "''Recent Excavations underneath the Vatican Crypts''", na "''The Biblical Archaeologist 12''" (1949:1-23) e "''Vatican Excavations and the Tomb of Peter''", "''The Biblical Archaeologist 16.4''" (Dezembro de 1953:70-87).</ref>
 
=== Bênção e sagração de objetos ===
{{Artigo principal|[[Bênção]]}}
{{quote1citação2|"{{citar bíblia|Êxodo|30|25|30|citação = Farás com tudo isso [[óleo]] para a sagrada [[unção]] (...). Tal será o óleo da sagrada unção. Ungirás como ele a tenda de reunião, a arca do Senhor, a mesa e seus acessórios, o [[candelabro]] e seus acessórios, o altar dos perfumes (...). Depois que os consagrar eles se tornarão objetos santíssimos, e tudo os que o tocar será consagrado". (Ex 30, 25-28.30). }}}}
 
{{quote1|"Farás com tudo isso [[óleo]] para a sagrada [[unção]] (...). Tal será o óleo da sagrada unção. Ungirás como ele a tenda de reunião, a arca do Senhor, a mesa e seus acessórios, o [[candelabro]] e seus acessórios, o altar dos perfumes (...). Depois que os consagrar eles se tornarão objetos santíssimos, e tudo os que o tocar será consagrado". (Ex 30, 25-28.30). }}
 
Os capítulos 25 a 31 de [[Êxodo]] são a enumeração de todos os objetos que Deus manda fazer e reservar para o seu culto, como por exemplo, o [[incenso]], utilizado em rituais desde o [[Antigo Testamento]]. Deus manda utilizar estes objetos, bem como exige que sejam ''"consagrados, bentos ou ungidos"'' com uma unção especial, mandando fazer o azeite para a unção, sendo esta a base bíblica original nestes grupos religiosos da [[bênção]] dos objetos e das pessoas consagradas a Deus.