Abrir menu principal

Alterações

19 bytes adicionados ,  06h03min de 29 de novembro de 2014
m
Desambiguando ligações a Censo com DisamAssist.
Devido à ação reflexiva, o intelectual é portador de uma autoridade científica quando se expressa. Como apresentado acima em relação à Universidade, o intelectual estabelece relações com a sociedade através de seu ''status'' de intelectual.
 
Estas relações, inseridas num conjunto maior de relações de poder, colocam o intelectual em situação de comprometimento político: suas ideias não são desvinculadas da existência social e suas proposições seguem uma orientação determinada (como exemplo, a prática do [[Censo demográfico|censo]] e da criação de [[mapa]]s<ref>Consultar o livro ''Comunidades Imaginadas'' de [[Benedict Anderson]]</ref>). O intelectual pode então, através de seu [[intelecto]], contribuir para determinado regime político ou determinada concepção de mundo.<ref>[[Norberto Bobbio]] afirma:
 
:''"Embora com nomes diversos, os intelectuais sempre existiram, pois sempre existiu, em todas as sociedades, ao lado do poder econômico e do poder político, o poder ideológico, que se exerce não sobre os corpos como o poder político, jamais separado do poder militar, não sobre a posse de bens materiais, dos quais se necessita para viver e sobreviver, como o poder econômico, mas sobre as mentes pela produção e transmissão de ideias, de símbolos, de visões de mundo, de ensinamentos práticos, mediane o uso da palavra (o poder ideológico é extremamente dependente da natureza do homem como animal falante) Toda sociedade tem os seus detentores do poder ideológico, cuja função muda de sociedade para sociedade, de época para época, cambiantes sendo também as relações, ora de contraposição ora de aliança, que eles mantêm com os demais poderes."'' In: BOBBIO, Norberto. ''Os intelectuais e o poder: dúvidas e opções dos homens de cultura na sociedade contemporânea''. São Paulo: Editora UNESP, 1997. p.11</ref>
21 732

edições