Diferenças entre edições de "Jesus curando o paralítico em Cafarnaum"

318 bytes adicionados ,  10h45min de 31 de dezembro de 2014
sem resumo de edição
De acordo com [[John Gill]], o fato de Jesus conhecer o pensamento das pessoas era um sinal suficiente para demonstrar que Jesus era o Messias, conforme o ensinamento dos judeus. [[Bar Coziba]], que reinou por dois anos e meio e se declarou, aos rabinos, como Messias, foi desmascarado por não ter este poder e executado<ref name="john.gill.mat.9">[[John Gill]], ''Exposition of the Old and New Testament'' (1746-63), ''Matthew Chapter 9'' [http://www.sacred-texts.com/bib/cmt/gill/mat009.htm <nowiki>[em linha]</nowiki>]</ref>
 
É possível que fosse mais fácil dizer ao homem alguma coisa do que comandar que ele se levantasse e andasse<ref name="Brown et al. 602">Brown ''et al.'' 602</ref>, mas Jesus escolhe provar sua habilidade de perdoar pecados com uma demonstração da habilidade do homem de andar. Ele perdoa e cura através de sua palavra apenas, realçando seu poder<ref name="Brown et al. 602"/>. Segundo Marcos, ''"todos"'' ficaram impressionados, mas ele não detalha se entre estes estavam os doutores da Lei ou os ''"obstinados"'' fariseus.
 
Jesus se refere a si mesmo como [[Filho do homem]] ({{lang-el|''ho huios tou anthrōpou''}}, literalmente "filho do ser humano") pela primeira vez das muitas que o fará no Evangelho de Marcos. O termo em si pode ser interpretado de diversas formas em Marcos, mas a interpretação aceita pela [[ortodoxia doutrinária]] do [[cristianismo]] é de que trata-se de uma referência ao seu caráter [[Messias|messiânico]]<ref name="Brown et al. 602"/>. A expressão aparece em diversas fontes nas [[Escrituras]], como em {{citar bíblia|Daniel|7|31}}, por exemplo, e também está no [[Livro de Enoque]]. Na [[escatologia judaica|tradição apocalíptica judaica]], o título é utilizado para fazer referência ao juiz do [[Juízo Final|julgamento final]], geralmente um ser [[anjo|angélico]] ou celestial que se faz carne e osso. Apenas Jesus menciona este título nos evangelhos, geralmente utilizando-o para falar de si próprio na [[pessoa gramatical|terceira pessoa]]. Ele também é interpretado como um símbolo do plano de Jesus para a humanidade<ref name="Miller 17">Miller 17</ref>.
Alguns estudiosos entendem que Jesus teria ligado doenças e pecados numa relação causal neste episódio, mesmo tendo Marcos afirmado que Jesus o curou depois de ter Jesus ''"visto sua fé"'' ({{citar bíblia|Marcos|2|5}}). Este conceito é rejeitado tanto em [[Evangelho de Lucas|Lucas]] ({{citar bíblia|Lucas|13|1|5}}) quanto em [[Evangelho de João|João]] ({{citar bíblia|João|9|2|3}}). Em outras partes da Bíblia, como no [[Livro de Jó]], aparece uma visão similar, de que justos e os pecadores estão sujeitos às agruras da vida, que não são "castigos" divinos. Por outro lado, histórias como a de [[Sodoma e Gomorra]], no [[Livro do Gênesis|Gênesis]], parecem de fato demonstrar que pecados podem resultar numa intervenção divina e num castigo terreno.
 
Neste trecho, os doutores da Lei afirmam que apenas Deus pode perdoar pecados, possivelmente uma referência a {{citar bíblia|Êxodo|34|6|7}}, {{citar bíblia|Isaías|43|25}} e {{citar bíblia|Isaías|44|22}}. Marcos novamente deixa implícito que Jesus é, portanto, Deus e que a fé no poder dele pode levar não apenas à cura de doenças físicas, mas também ao perdão dos pecados<ref>Kilgallen 53</ref>. Porém, esta afirmação precisa ser contraposta com a aceitação de [[Paulo de Tarso|Paulo]] de seu {{citar bíblia|II Coríntios|12|7|citação=espinho na carne}}, que deixa claro que a fé não resulta automaticamente na cura do corpo. Os [[primeiros cristãos]] podem ter utilizado esta história para reforçar sua crença de que Jesus era capaz de perdoar pecados<ref name="Brown et al. 601">Brown ''et al.'' 601</ref>. Por isto, para os doutores, esta alegação de Jesus é uma blasfêmia, mas para o público alvo de Marcos seria uma confirmação de sua fé na divindade de Jesus<ref name="Brown et al. 602"/>.
 
== Ver também ==
{{Referências}}
{{Commonscat|Paralytic lowered through the roof|Jesus curando o paralítico em Cafarnaum}}
 
== Bibliografia ==
{{refbegin}}
* [[Raymond E. Brown|Brown, Raymond E.]] ''An Introduction to the New Testament'' Doubleday 1997 ISBN 0-385-24767-2
* Brown, Raymond E. ''et al.'' ''The New Jerome Biblical Commentary'' Prentice Hall 1990 ISBN 0-13-614934-0
{{refend}}
 
[[Categoria:Milagres de Jesus|P]]