Diferenças entre edições de "Jesus curando o paralítico em Cafarnaum"

 
== Análise do texto ==
De acordo com [[Adam Clarke]], Jesus primeiro perdoa os pecados do paralítico para, em seguida, o curar, porque, de acordo com as crenças dos judeus da época, nenhuma pessoa doente poderia ser curada sem que, antes, seus pecados fossem expiados. Nesta passagem, há não apenas um milagre, mas três milagres de Jesus: o perdão dos pecados, a descoberta do pensamento secreto dos escribas e a cura do paralítico.<ref name="adam.clarke.mat.9">[[Adam Clarke]], ''Commentary on the Bible'' (1831), ''Matthew Chapter 9'' [http://www.sacred-texts.com/bib/cmt/clarke/mat009.htm <nowiki>[em linha]</nowiki>]</ref>. De acordo com [[John Gill]], o fato de Jesus conhecer o pensamento das pessoas era um sinal suficiente para demonstrar que Jesus era o Messias, conforme o ensinamento dos judeus. [[Bar Coziba]], que reinou por dois anos e meio e se declarou, aos rabinos, como Messias, foi desmascarado por não ter este poder e executado<ref name="john.gill.mat.9">[[John Gill]], ''Exposition of the Old and New Testament'' (1746-63), ''Matthew Chapter 9'' [http://www.sacred-texts.com/bib/cmt/gill/mat009.htm <nowiki>[em linha]</nowiki>]</ref>
 
De acordo com [[John Gill]], o fato de Jesus conhecer o pensamento das pessoas era um sinal suficiente para demonstrar que Jesus era o Messias, conforme o ensinamento dos judeus. [[Bar Coziba]], que reinou por dois anos e meio e se declarou, aos rabinos, como Messias, foi desmascarado por não ter este poder e executado<ref name="john.gill.mat.9">[[John Gill]], ''Exposition of the Old and New Testament'' (1746-63), ''Matthew Chapter 9'' [http://www.sacred-texts.com/bib/cmt/gill/mat009.htm <nowiki>[em linha]</nowiki>]</ref>
 
É possível que fosse mais fácil dizer ao homem alguma coisa do que comandar que ele se levantasse e andasse<ref name="Brown et al. 602">Brown ''et al.'' 602</ref>, mas Jesus escolhe provar sua habilidade de perdoar pecados com uma demonstração da habilidade do homem de andar. Ele perdoa e cura através de sua palavra apenas, realçando seu poder<ref name="Brown et al. 602"/>. Segundo Marcos, ''"todos"'' ficaram impressionados, mas ele não detalha se entre estes estavam os doutores da Lei ou os ''"obstinados"'' fariseus.