Diferenças entre edições de "Gramática de estrutura frasal"

Sem alteração do tamanho ,  19h05min de 20 de fevereiro de 2015
 
==Relação de dependência==
Na época de [[Gottlob Frege]], um entendimento diferente surgiu para a lógica de sentenças. Frege rejeitou a divisão bináriobinária das sentenças e substituiu com um entendimento de sentenças lógicas em termos de predicados e seus argumentos. Na concepção desta alternativa, a divisão binária da cláusula em sujeito e predicado não seria mais possível. Por isso foi aberta a porta para a relação de dependência (embora a relação de dependência tenha existido de modo menos óbvio em gramáticas tradicionais bem antes de Frege). A relação de dependência foi reconhecida concretamente pela primeira vez e desenvolvida como base para uma teoria abrangente de sintaxe e gramática por [[Lucien Tesnière]] em sua obra publicada postumamente ''Éléments de syntaxe structurale'' (Elementos de sintaxe estrutural).<ref>Veja Tesnière (1959).</ref>
 
A relação de dependência é uma correspondência um-para-um: para cada elemento (palavra) em uma sentença, existe apenas um nó na estrutura sintática. A diferença é, portanto, grafo-teórica. A relação de dependência restringe o número de nós na estrutura sintática para o número exato de unidades sintáticas (palavras) que a sentença contém. Assim, a sentença de duas palavras ''Luke riu'' implica em apenas dois nós sintáticos, um para ''Luke'' outro para ''riu''. Algumas gramáticas de dependência proeminente são listadas aqui:
Utilizador anónimo