Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais: diferenças entre revisões

Retirei muita informação inútil e de pouca relevância para o artigo (bibliotecas); comecei a adicionar uma estrutura básica para ele. Ao longo do tempo, irei melhorando.
(Inserido a rede de bibliotecas da CPRM - Rede ametista)
(Retirei muita informação inútil e de pouca relevância para o artigo (bibliotecas); comecei a adicionar uma estrutura básica para ele. Ao longo do tempo, irei melhorando.)
Etiqueta: Remoção considerável de conteúdo
{{Info/Empresa
[[Ficheiro:Cprm.jpg|right|thumb|300px|Entrada da '''CPRM''' na cidade do [[Rio de Janeiro (cidade)|Rio de Janeiro]].]]
|nome_empresa = CPRM - Serviço Geológico do Brasil
A '''Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais''' - '''CPRM''' é uma empresa governamental [[brasil]]eira, vinculada ao [[Ministério de Minas e Energia]], que tem as atribuições de Serviço [[Geologia|Geológico]] do Brasil.
|razao_social = Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais
|logo = CPRM_(2015).jpg
|tipo_empresa = [[Empresa pública|Pública]]
|fundação = [[15 de agosto]] de [[1969]] (CPRM)
[[28 de dezembro]] de [[1994]] (SGB)
|sede = [[Brasília]], [[Brasil]]
|presidente = Manoel Barretto da Rocha Neto
|num_empregados = 1805 <ref>http://transparencia.gov.br/servidores/OrgaoExercicio-ListaOrgaos.asp?CodOS=32000</ref>
|produtos = Mapas geológicos, hidrogeológicos e de risco; avaliação de recursos minerais; análises químicas
|página = [http://www.cprm.gov.br www.cprm.gov.br]
}}
 
A '''Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais''' - '''CPRM''' é uma empresa governamental [[brasil]]eira, vinculada ao [[Ministério de Minas e Energia]], que tem as atribuições de Serviço [[Geologia|Geológico]] do Brasil. Sua missão básica é "Gerar e difundir o conhecimento geológico e [[Hidrologia|hidrológico básico]] necessário para o desenvolvimento sustentável do Brasil", segundo diz sua página na [[internetInternet]].
 
== Histórico ==
A CPRM conta com infraestrutura operacional instalada em todo o país, constando de oito Superintendências Regionais, em Manaus - AM, Belém - PA, Recife - PE, Goiânia -GO, Salvador - BA, Belo Horizonte - MG, São Paulo - SP e Porto Alegre - RS. São as unidades executoras dos projetos, onde se concentra o grosso da capacidade operacional da instituição. Além disso, temos três Residências, que são estruturas operacionais menores, localizadas em Porto Velho - RO, Teresina - PI e Fortaleza - CE. Finalmente, contamos com três Núcleos de Apoio, pequenos escritórios de representação e apoio operacional, nas cidades de Natal-RN, Cuiabá-MT e Criciúma-SC. A sede política da empresa localiza-se em Brasília - DF e o escritório central da administração e dos departamentos técnicos situa-se no Rio de Janeiro – RJ. Afora a rede de unidades operacionais, a CPRM tem três centros de treinamento nas cidades de Apiaí – SP, Morro do Chapéu – BA e Caçapava do Sul – RS.
A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais foi instituída através do decreto-lei nº 764, de 15 de agosto de 1969, como empresa de economia mista vinculada ao Ministério de Minas e Energia com a missão estratégica de organizar e sistematizar o conhecimento geológico do Brasil. A empresa executava os programas do Departamento Nacional de Produção Mineral - DNPM, do Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica - DNAEE e ainda vendia no mercado serviços de sondagens para água e pesquisa mineral.
 
Circunstâncias conjunturais difíceis, especialmente a partir da segunda metade dos anos 80, levaram a mudanças institucionais profundas na vida da CPRM, culminando, em 1994, com a Lei 8.970, que alterou o regime jurídico vigente para empresa pública. Do ponto de vista de atuação, essa data encerra o ciclo da empresa prestadora de serviços e inicia a era do Serviço Geológico propriamente dito. O foco institucional volta-se, drasticamente, para a geologia e a hidrologia básicas, com o desenvolvimento concomitante das áreas de aplicações, como geologia ambiental, hidrogeologia e riscos geológicos. Sai a atuação empresarial e fortalece-se a atuação em parcerias institucionais com outros órgãos da administração federal, estados e municípios.
'''Rede Ametista - Rede de Bibliotecas'''
 
== Organograma ==
A Rede Ametista contempla um conjunto de 12 bibliotecas especializadas em geociências, sob a coordenação de analistas em geociências – bibliotecários. Elas estão localizadas em Belém, Belo Horizonte, Fortaleza, Goiânia, Manaus, Porto Alegre, Porto Velho, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo e Teresina.
[[FicheiroImagem:Cprm.jpg|right|thumb|300px|Entrada da '''CPRM''' na cidade do [[Rio de Janeiro (cidade)|Rio de Janeiro]].]]
Por se tratar de uma empresa pública federal, a CPRM conta com infraestrutura operacional instalada em todo o país, conforme listadas abaixo:
* Sede: Brasília (DF)
* Escritório Central da Administração: Rio de Janeiro (RJ)
* Superintendências Regionais: Manaus (AM), Belém (PA), Goiânia (GO), Salvador (BA), Belo Horizonte (MG), São Paulo (SP) e Porto Alegre (RS).
* Residências: Porto Velho (RO), Teresina (PI) e Fortaleza (CE).
* Núcleos de Apoio: Natal (RN) e Cuiabá (MT)
* Centros de Treinamento: Apiaí (SP), Morro do Chapéu (BA) e Caçapava do Sul (RS).
 
A rede constitui um referencial de pesquisa para a comunidade geocientífica, expandindo o conhecimento gerado pela instituição e fortalecendo parcerias nacionais e internacionais.
 
Missão
Integrar as bibliotecas do Serviço Geológico do Brasil, promovendo a cooperação entre os seus membros, além de otimizar o intercâmbio de informação geocientífica e ampliar o acesso à pesquisa, subsidiando a demanda informacional da sociedade.
 
Implantação
Criada em 2005 a partir da implantação do Sistema PHL, a Rede Ametista tem por objetivo prover o compartilhamento e o gerenciamento dos acervos institucionais da CPRM especializados em geociências.
 
Vinculação
As bibliotecas integrantes da rede encontram-se vinculadas à Diretoria de Relações Institucionais (DRI), subordinadas administrativamente às superintendências regionais e respectivas Gerências de Relações Institucionais e Desenvolvimento (GERIDEs) de cada unidade. A exceção é a Biblioteca do Rio de Janeiro, que é subordinada ao Departamento de Informações Institucionais (DEINF).
 
Acervo
O acervo físico da rede é formado por livros, anais de congresso, simpósios, periódicos, normas da ABNT, teses, dissertações, monografias, perfis de sondagem, relatórios técnicos diversos, CD-ROMs, DVDs, folhetos, enciclopédias, glossários, tesauros, dicionários, além de uma expressiva coletânea de documentação fotocartográfica envolvendo cartas, mapas, fotoíndices e fotografias aéreas.
 
Desenvolvimento das coleções
O desenvolvimento das coleções é realizado por aquisição, doação, permuta, convênios ou por outros meios admitidos, sendo a documentação obrigatoriamente incorporada ao patrimônio da instituição. As doações são incorporadas ao acervo após a análise de sua pertinência. Os itens não pertinentes são repassados para outras unidades de informação.
 
Atendimento
Congregando dados e informações impressas e digitais, a rede promove o intercâmbio e a interação de um expressivo acervo em geociências, propiciando o atendimento adequado à demanda informacional da sociedade. Além disso, proporciona acesso online à coleção de relatórios técnicos, e-books, periódicos eletrônicos e diversificadas coleções de boletins e mapas pertinentes às geociências. Desde sua implantação, a rede vem se ajustando às tendências tecnológicas, na expectativa de propiciar agilidade ao fornecimento da informação geocientífica, além de fomentar a pesquisa sobre os conhecimentos geológico e hidrológico básicos, necessários para o desenvolvimento sustentável do Brasil.
 
Origem do nome
O nome Rede Ametista foi dado em setembro de 2011, na ocasião da realização, no Rio de Janeiro, do I Encontro de Bibliotecários da Rede de Bibliotecas do SGB. O nome veio em virtude de a ametista ser uma pedra preciosa/gema e também o símbolo do anel de colação de grau do bibliotecário.
 
Integrantes da Rede Ametista
♦ Belém - Nelma Fabrícia da Paixão Ribeiro.
♦ Belo Horizonte - Maria Madalena C. Ferreira.
♦ Fortaleza - Giovania Freire Barros.
♦ Goiânia - Maria Gasparina de Lima.
♦ Manaus - Jean Charles Racene S. Martins.
♦ Porto Alegre - Ana Lúcia Borges Fortes Coelho.
♦ Porto Velho - Terezinha de Jesus Foro.
♦ Recife - Dalvanise Bezerril.
♦ Salvador - Isabel Ângela Matos.
♦ São Paulo - Cláudia Lopes.
♦ Teresina - Mônica Cordulina da Silva.
♦ Rio de Janeiro: Roberta Pereira da S. de Paula, Flasleandro de Oliveira, Roberta Pereira da Silva, Margareth Lopes de Moraes, Sonja Henie da Silva Pinheiro, Priscila Cristina de Faria Ururahy e Teresa Cristina Sampaio Rosenhayme.
 
=={{Links externos}}==
* [http://www.cprm.gov.br Página da Companhia de Pesquisa de Recursos]
* [http://www.redegeochronos.gov.br RedeGeochronos - Rede Nacional de Estudos Geocronológicos, Geodinâmicos e Ambientais]
* [http://www.cprm.gov.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=1723&sid=8 Rede Ametista]
{{esboço}}
 
37

edições