Abrir menu principal

Alterações

157 bytes removidos, 22h38min de 11 de março de 2015
m
Foram revertidas as edições de 177.133.135.79 para a última revisão de Ixocactus, de 18h57min de 10 de março de 2015 (UTC)
 
== Heresias religiosas ==
=== Heresia no cristianismo ===
{{Artigo principal|prefixo=Mais informações|Ortodoxia doutrinária}}
Desde Jesus Cristo (Jo 17,21) passando por todos os apóstolos, especialmente [[Paulo de Tarso|São Paulo]], existiu um esforço para manter unidade no [[cristianismo]]. A primeira forma de demonstração desse impulso foi a manutenção da unidade em torno de [[São Pedro|Pedro]]. Se há um só Deus, que se revelou em Jesus Cristo, que fundou Sua única Igreja (Mt 16,18) e se Jesus Cristo mesmo diz que Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida, argumenta-se que não poderiam existir outras verdades verdadeiras. Tal asserção, contudo, foi contestada ao longo da história. Pois se o cristianismo conheceu o impulso e desejo de unificação e centralização ao longo dos séculos, que praticamente se confunde com a história das sociedades ocidentais, a religião cristã também conheceu numerosos desdobramentos, cisões, rejeições da autoridade única, e desde cedo proliferaram as mais diversas formas de religiosidade relacionadas com o cristianismo. As Heresias, de fato, constituem formas de religiosidade cristã ou concepções do cristianismo destoantes daquela perpetuada pelo grupo sucessor dos [[apóstolo]]s e/ou dos [[mártir]]es e primeiros cristãos em geral, cujas acepções eram afins com o grupo que despontava desde o século primeiro como "oficial", no qual se incluíam, no século primeiro, o próprio [[apóstolo João]] em idade avançada, bem como [[Clemente Romano]], e, nos seguintes, [[Orígenes]], [[Inácio de Antioquia]], [[Pápias de Hierápolis]], [[Policarpo de Esmirna]], [[Irineu de Lyon]], [[Santo Antão do Deserto|Antão]], entre outros vários. Esse grupo rejeitou firmemente qualquer desvio da doutrina que proclamavam, não sem gerar estigmatização e perseguição aos grupos hereges. A designação de determinada prática religiosa como heresia é construída, evidentemente, a partir de um ponto de vista que se propõe ortodoxo (BARROS, 2007-2008, p. 125).
 
É preciso esclarecer que a pena de excomunhão era aplicada e se uma pessoa ficasse mais de um ano excomungada era considerada herege e processada pela Igreja como tal. Geralmente este processo culminava com a sentença da entrega do herege ao braço secular. Corroboram esse raciocínio, não apenas relatos históricos, como também o teor dos sermões realizados pelos padres que se referiam aos crimes dos hereges, bem como a presença de autoridades eclesiásticas aos [[autos-de-fé]]. Há farta documentação histórica sobre os autos de fé e seus critérios, merecendo destaque a obra "Manual dos Inquisidores" de [[Nicolau Eymerich]] e posteriormente modificado, mais ou menos 200 anos após, por [[Francisco de La Pena]].
 
É importante notar que a ação secular foi maior no período da Idade Média, sobretudo após a instalação do Santo Ofício, ou seja, a Inquisição. Antes, porém, como é o ensinamento do Evangelho e, portanto, da própria Igreja, a execução de hereges pelo braço secular não era aprovada, como no caso da morte de [[Prisciliano]] que provocou protestos do [[Papa Sirício]]. [[Ambrósio de Milão|Santo Ambrósio]] e [[São Martinho de Tours]] também pronunciavam-se contra a intervenção secular, considerando um crime fazê-lo. Foi a partir de certas considerações conexas como a de [[Santo Agostinho]] de que a heresia constituia um atentado fundamental contra a sociedade cristã e que esta deveria defender-se com moderação, e, sendo assim, aceitava a pena de morte em caso de perigo social evidente, que a ideia da pena pelas forças do Estado tiveram mais forçaeresia e o Bob Esponja e o Patrck na igreja catolica comendo cachorro quente e hamburguer de siri e com o naruto jogando todos os seus jutsus clone das sombras e o munddo explodindo porque as pesssoa s jogam minecrft egta430força.
 
.
 
=== Seitas consideradas heréticas do cristianismo ===
122 136

edições