Abrir menu principal

Alterações

392 bytes adicionados, 17h49min de 31 de março de 2015
Corrigi erros de ortografia.
| nome_batalha= Cerco a Leningrado
| imagem = RIAN archive 5634 Antiaircrafters guarding the sky of Leningrad.jpg
| descr = Duas [[Defesa antiaérea|armas anti-aéreasantiaéreas]] soviétivassoviéticas perto da [[Catedral de Santo Isaac]], no centro[[Centro Histórico de São Petersburgo e Conjuntos Monumentais Relacionados|Centro de Leninegrado.]]
| conflito = [[Segunda Guerra Mundial]]
|data= [[8 de Setembro]] de [[1941]] - [[27 de Janeiro]] de [[1944]]
| local = [[Leninegrado]], na [[URSS]]
| resultado = Vitória soviética, com terríveis perdas civis e militares.
| combatente1 = {{DEUb|1935}} [[Alemanha Nazista]]<br />{{ITAb}} [[Reino de Itália (1861–1946)|Itália]]<br />{{FIN}}
}}
<!-- ARTIGO -->
O {{PEPB|O Cerco a Leninegrado|Cerco a Leningrado}} (em [[Língua russa|russo]]: блокада Ленинграда, ''Blokada Leningrada'') foi um [[cerco|cerco militar]] à cidade de [[Leningrado]], na então [[União Soviética]], pelas tropas da [[Alemanha Nazista]], [[Itália]] e [[Finlândia]] durante a [[Segunda Guerra Mundial]],. durouDurou cerca de 900 dias, de [[8 de Setembro]] de [[1941]], a [[27 de Janeiro]] de [[1944]].<ref name="gov.spb.ru">''Site'' do governo de [[São Petersburgo]], ''Сопротивление города. "Дорога Жизни". Художественные сокровища города во время блокады. Пискаревское кладбище.'' [http://gov.spb.ru/history/spb_XX/spb_blockade <nowiki>[em linha]</nowiki>]</ref><ref name="saint-petersburg">Site ''www.saint-petersburg.com'' (de uma companhia privada de turismo), ''The 900-day Siege of Leningrad'' [http://www.saint-petersburg.com/history/siege.asp <nowiki>[em linha]</nowiki>]</ref>
[[Ficheiro:RIAN archive 324 In besieged Leningrad.jpg|300px|thumb|Uma rua de Leningrado, em 1942.]]
== Ofensiva alemã ==
A [[27 de Junho]] de 1941, o Conselho de disputas dos trabalhadores de Leningrado decidiu mobilizar milhões de pessoas para a construção de fortificações. Várias defesas foram construídas. Uma das fortificações percorria desde o [[rio Luga]] até [[Chudovo]], [[Gatchina]], [[Uritsk]], [[Pulkovo]] e depois através do [[rio Neva]]. A outra defesa passava através de [[Petergof]] até Gatchina, Pulkovo, [[Kolpino]] e [[Koltushy]]. Uma outra defesa contra os finlandeses foi construída no norte dos arredores de Leninegrado. Em todos os 190&nbsp;km de barricadas de madeira, 700&nbsp;km de trincheiras antitanque, 5 mil km de trincheiras de terra e madeira e de instalações de ferro e betão e 25 mil km de trincheiras abertas foram construídas por civis, sendo inclusive o canhão do cruzador ''[[Cruzador russo Aurora|Aurora]]'' montado na montanha de Pulkovo no sul de Leninegrado. Contudo, quando as forças soviéticas na frente noroeste no fim de Junho foram derrotadas nas Repúblicas Soviéticas do Báltico, a [[Wehrmacht]] tinha forçado a sua passagem por [[Ostrov]] e [[Pskov]]. A [[10 de Julho]] ambas as cidades foram capturadas e os alemães alcançaram [[Kunda]] e [[Kingisepp]], de onde avançaram para Leninegrado a partir de [[Narva]], da região Luzhski e a partir do sudoeste e também do norte e sul do [[Lago Ilmen]] de modo a isolar Leninegrado do leste e juntar os finlandeses na margem leste do [[Lago Ladoga]]. O bombardeamento de Leninegrado começou a [[4 de Setembro]]. O bombardeamento a [[8 de Setembro]] causou 178 incêndios. No início de Outubro os alemães recusaram-se a assaltar a cidade e a directiva de Hitler a [[7 de Outubro]], assinada por [[Alfred Jodl]], foi uma lembrança para não aceitar uma capitulação por parte dos soviéticos.<ref>Lubbeck, William; Hurt, David B. (2010), At Leningrad's Gates: The Story of a Soldier with Army Group North, Casemate, ISBN 1-935149-37-7</ref>
 
Uma outra defesa contra os finlandeses foi construída no norte dos arredores de Leninegrado. 190&nbsp;quilômetros de [[barricada]]s de madeira, 700&nbsp;quilômetros de [[trincheira]]s antitanque, 5 mil quilômetros de trincheiras de terra e madeira, instalações de [[ferro]] e [[betão]] e 25 mil quilômetros de trincheiras abertas foram construídas por civis, sendo inclusive o canhão do cruzador ''[[Cruzador russo Aurora|Aurora]]'' montado na montanha de Pulkovo no sul de Leninegrado. Contudo, quando as forças soviéticas na frente noroeste no fim de Junho foram derrotadas nas Repúblicas Soviéticas do Báltico, a [[Wehrmacht]] tinha forçado a sua passagem por [[Ostrov]] e [[Pskov]].
 
A [[10 de Julho]], ambas as cidades foram capturadas e os alemães alcançaram [[Kunda]] e [[Kingisepp]], de onde avançaram para Leninegrado a partir de [[Narva]], da região Luzhski e a partir do sudoeste e também do norte e sul do [[Lago Ilmen]] de modo a isolar Leninegrado do leste e juntar os finlandeses na margem leste do [[Lago Ladoga]]. O bombardeamento de Leninegrado começou a [[4 de Setembro]]. O bombardeamento a [[8 de Setembro]] causou 178 incêndios. No início de Outubro, os alemães recusaram-se a assaltar a cidade e a directiva de Hitler a [[7 de Outubro]], assinada por [[Alfred Jodl]], foi uma lembrança para não aceitar uma capitulação por parte dos soviéticos.<ref>Lubbeck, William; Hurt, David B. (2010), At Leningrad's Gates: The Story of a Soldier with Army Group North, Casemate, ISBN 1-935149-37-7</ref>
 
== Ofensiva finlandesa ==
Por volta de Agosto, os finlandeses tinham reconquistado o [[Istmo da Carélia]], ameaçando Leninegrado a partir do oeste, e estavam a avançar através de [[Carélia]] a leste do [[Lago Ladoga]], ameaçando Leninegrado a partir do norte. Ocorreu, contudo, que as forças finlandesas pararam na fronteira de 1939. O quartel-general finlandês recusou o pedido alemão para ataques aéreos contra Leninegrado e não avançou mais a sul do [[rio Svir]] na cidade ocupada do leste da Carélia. Em contraste, o progresso alemão foi rápido e, por volta de Setembro, a Wehrmacht tinha cercado Leninegrado. No norte, as forças finlandesas continuaram o seu avanço até chegarem ao Svir em Dezembro, a 160&nbsp;kmquilômetros a nordeste de Leningrado.
 
A [[4 de Setembro]], Jodl tentou persuadir [[Carl Gustaf Mannerheim|Mannerheim]] a continuar a ofensiva finlandesa, o que, diz-se, Mannerheim recusou. Após a guerra, o ex-presidente finlandês [[Risto Ryti|Ryti]] disse: «A [[24 de Setembro]] de [[1941]] visitei o quartel-general do Marshall Mannerheim. Os alemães quiseram dirigir-nos para o cruzamento da antiga fronteira e o prosseguimento da ofensiva contra Leninegrado. Eu disse que a captura de Leningrado não era o nosso objectivo e que nós não faríamos parte da ofensiva. Mannerheim e o ministro da defesa Walden concordaram comigo e recusaram as ofertas dos alemães. O resultado foi uma situação paradoxal: os alemães não puderam se aproximar de Leningrado a partir do norte...». Mais tarde foi declarado que não houve qualquer bombardeamento sistemático a partir do território finlandês.
{{quote2|A [[24 de Setembro]] de [[1941]] visitei o quartel-general do [[marechal]] Mannerheim. Os alemães quiseram dirigir-nos para o cruzamento da antiga fronteira e o prosseguimento da ofensiva contra Leninegrado. Eu disse que a captura de Leningrado não era o nosso objetivo e que nós não faríamos parte da ofensiva. Mannerheim e o ministro da defesa Walden concordaram comigo e recusaram as ofertas dos alemães. O resultado foi uma situação paradoxal: os alemães não puderam se aproximar de Leningrado a partir do norte...}}
Mais tarde, foi declarado que não houve qualquer bombardeamento sistemático a partir do território finlandês.
 
== Mantimentos ==
=== Comida ===
A [[2 de Setembro]], as rações foram reduzidas: os trabalhadores tinham 600 gramas de pão por dia, crianças e dependentes 400 gramas. Um grande número de milho, farinha e açúcar foi eliminado a 8 de Setembro devido àa falha de medidas de defesa aérea. Contudo, durante vários dias depois de o cerco começar, era possível comer em alguns restaurantes "comerciais" que utilizavam 10% de toda a carne que a cidade consumia. A [[12 de Setembro]] de 1942 foi calculado que as provisões para ambos os exército e civis eram as seguintes:
* Milho e farinha - para 35 dias;
* Massa - para 30 dias;
* Gorduras - para 45 dias;
* Açúcar - para 60 dias;
Ao mesmo tempo, uma nova redução nas rações teve lugar: os trabalhadores recebiam 500 ggramas de pão, os empregados e crianças 300 ggramas e os dependentes 250 ggramas. A distribuição de [[carne]] foi diminuída mas a distribuição do açúcar e das gorduras foi aumentada. O exército e a Frota do Báltico tinham algumas rações de emergência mas não eram suficientes. A frota de Ladoga estava mal equipada e tinha sido bombardeada pela aviação alemã. Várias barcas com milho foram afundadas em Setembro. Contudo, uma parte significantesignificativa foi, mais tarde, recuperada por mergulhadores[[mergulhador]]es. Este milho foi, depois, utilizado na concepçãofabricação de [[pão]]. A [[aveia]] para os cavalos foi também utilizada, enquanto que os cavalos eramforam alimentados com folhas de árvores.
 
Durante o cerco, foramfoi efectuadasefetuado um total de cinco reduções de comida: a 2 de Setembro, 10 de Setembro, [[13 de Novembro]], [[1 de Outubro]] e a [[20 de Novembro]]. UmO nível de [[desnutrição]] foi melhoradoatenuado devido aaos novos [[Jardim|jardins de vegetais]] que cobriam a maioriamaior daparte terrado naterritório da cidade por volta de 1943.
 
=== Energia ===
Devido à falta do fornecimento de energia, várias fábricas foram fechadas e, em Novembro, já não existia um serviço de eléctricos[[elétrico]]s. A utilização de energia foi proibida em toda a cidade, exceptoexceto no quartel-general soviético, nos comités do distrito, nas bases de defesa aérea, e em algumas outras instituições. Pelo final de Setembro, o fornecimento de óleo e de carvão terminou. A utilização de árvores foi a única opção para energia. A [[8 de Outubro]], o comité executivo de Leninegrado (Ленгорисполком) e o comité executivo regional (облисполком) decidiram começar a cortar as árvores no distrito de Pargolovo e também no distrito de Vsevolzhskiy, no norte da cidade. Por volta de [[24 de Outubro]], apenas 1% do plano de corte de árvores tinha sido executado.<ref>Ganzenmüller, Jörg (2005), Das belagerte Leningrad 1941–1944, Ferdinand Schöningh Verlag, Paderborn, ISBN 3-506-72889-X</ref>
 
{{Referências}}