Abrir menu principal

Alterações

Sem alteração do tamanho, 16h11min de 3 de abril de 2015
sem resumo de edição
|nome completo =
|imagem = [[Ficheiro:Germans in Stalingrad.jpg|200px]]
|descricao = [[Segunda Guerra Mundial]], um dos temas retratados pelo [[Repórter Esso|Esso]]
|formato = [[Noticiário]]
|país = {{BRA}}
'''Repórter Esso''' (também conhecido como '''O Seu Repórter Esso''') foi um noticiário histórico do [[rádio (comunicação)|rádio]] e da [[televisão]] [[brasil]]eira e seguia a versão americana do programa chamada de "Your Esso Reporter". Foi o primeiro noticiário de [[radiojornalismo]] do Brasil que não se limitava a ler as notícias recortadas dos jornais, pois as matérias eram enviadas por uma agência internacional de notícias sob o controle dos Estados Unidos. O repórter Esso era patrocinado por uma empresa estadunidense chamada ''[[Standard Oil Company|Standard Oil Company of Brazil]]'', conhecida como [[Esso]] do Brasil. Os locutores que fizeram maior sucesso no noticioso foram: [[Kalil Filho]], [[Gontijo Teodoro]], [[Luís Jatobá]] e [[Heron Domingues]]. Os slogans mais famosos eram: ''O Primeiro a Dar as Últimas'' e ''Testemunha Ocular da História''.<ref name="O Repórter Esso">[http://www.recantodasletras.com.br/artigos/1511551 O Repórter Esso] ''Recanto das Letras.''</ref>
[[Ficheiro:Logo Esso.gif|Logotipo da companhia americana patrocinadora do programa|direita|thumb|200px]]
O programa trouxe para o radiojornalismo brasileiro a informação por ele divulgada não apenas como notícia, mas constituidaconstituída também, em texto dirigido, propaganda político-ideológica, produzindo e construindo sentido e com alvo certo: o governo e determinados segmentos da sociedade brasileira. Não obstante, ''A [[Segunda Guerra Mundial|Segunda Guerra]] acabou depois que o Repórter Esso noticiou'', célebre frase de um jornal da época, exprime a importância e credibilidade que o Repórter Esso conquistou. A primeira transmissão ocorreu na [[Rádio Nacional Rio de Janeiro|Rádio Nacional]] do Rio de Janeiro, em 28 de agosto de 1941, iniciando a cobertura do Brasil na [[Segunda Guerra Mundial]].<ref>[http://www.terrabrasileira.net/folclore/influenc/esso.html O Repórter Esso] ''Terra brasileira.''</ref> Antes da estreia oficial, o programa havia ido ao ar experimentalmente na [[Rádio Farroupilha]] de [[Porto Alegre]].<ref>
Cessada a guerra, a Esso determinou que o seu noticioso tivesse o seu perfil progressivamente modificado, restringindo o noticiário internacional a fatos relevantes com ênfase nas noticias locais e nacionais. Um rigoroso Manual de Produção proibia o envolvimento do noticioso em polêmicas e fatos desimportantes. O esporte, especialmente futebol, passou a ocupar expressiva quota na seleção das noticias.
 
O jornalista Israel Alves de Castro foi editor-chefe do ReporterRepórter Esso da TvTV-Tupi do Rio de Janeiro. Era contratado pela agência de propaganda da Esso Brasileira de Petróleo, McCann-Erickson, que pagava seu salário repassado pela emissora de televisão. Foi demitido em 1º de abril de 1964, taxado de "comunista perigoso", num conluio da cúpula lacerdista da McCann com o celCel. Gustavo Borges, secretário de segurança do governador Carlos Lacerda. Castro foi alvo da represália por não permitir que o ReporterRepórter Esso fosse engajado na campanha política de Lacerda com vistas à derrubada do presidente João Goulart. Antes,por outros seis anos, o jornalista editava o noticioso da Rádio Nacional para a United Press International (UPI), que produzia o programa informativo.
[http://www.infoescola.com/comunicacao/reporter-esso/ Repórter Esso] ''InfoEscola.''</ref>
A primeira transmissão do programa se deu no dia [[28 de agosto]] de [[1941]]. O Repórter Esso se especializou em divulgar principalmente notícias ligadas ao modo de vida americana da época, conhecida como ''[[American way of life]]''. Os informes do [[United Press International]] traziam ainda aos ouvintes a evolução das guerras travadas pelos [[Estados Unidos]] em todas as partes do planeta.
 
Realizou ampla cobertura da [[Guerra da CoréiaCoreia]] em [[1950]], enviando correspondentes para o campo de batalha. Além das guerras, o programa radiofônico dava bastante ênfase às notícias de autoridades, notáveis, estrelas e astros de cinema e feitos científicos norte-americanos. O Repórter Esso não informava notícias da [[Europa]], da [[Ásia]] e da [[África]] se não houvesse interesses [[Estados Unidos|norte-americanos]] envolvidos.<ref name="O Repórter Esso"/>
 
Noticiou com exclusividade o suicídio de Getúlio Vargas em [[1954]] pelo fato de a empresa patrocinadora ter amplo trânsito no [[Palácio do Catete]]. Em [[1957]], informou com grande ênfase a explosão da [[Bomba de Hidrogênio]]. Em [[1959]] informou que [[Fidel Castro]] vencera a [[Revolução Cubana]] reforçando o avanço do ''perigo comunista'' na [[América Latina]].<ref name="O Repórter Esso"/>
 
== O último Repórter Esso ==
O Repórter Esso terminou suas transmissões em [[31 de dezembro]] de [[1968]].<ref name="O Repórter Esso"/> Na última edição, transmitida pela [[Rádio Nacional Rio de Janeiro|Rádio Nacional]] e pela [[Rádio Globo]] do Rio de Janeiro, a partir das 20:25 da noite, o radialista Guilherme de Sousa fez a identificação da emissora e dando a hora certa, antes de anunciar: "Alô, alô, ReporterRepórter Esso! Alô!" Ao som das tradicionais trombetas, o locutor Roberto Figueiredo entrou no ar, noticiando sobre as festividades do ano novo ([[1969]]); o pronunciamento do presidente [[Costa e Silva]] sobre o momento nacional e a instituição do [[AI-5]], além do mesmo assinar decretos sobre o setor financeiro; a condenação de [[Israel]] por parte das [[Nações Unidas]] pelo atentado contra o [[Líbano]]; a Missa de Ano Novo realizada pelo [[Papa Paulo VI]]; a previsão do tempo nas principais cidades do país; e as principais notícias dadas pelo Repórter Esso em 27 anos de atividade. Durante a leitura desta última, Roberto Figueiredo começou a chorar e se emocionar, chegando a um ponto em que o locutor reserva Plácido Ribeiro, que estava no estúdio na hora do noticiário, seguiu a leitura. Roberto tentou se recompor e, aos prantos, encerrou o último Repórter Esso, desejando uma boa noite e um feliz ano novo.<ref>[http://www.agenciabrasil.gov.br/media/audios/2006/09/12/015_PROGRAMETE_70_ANOS_-__REPORTER_ESSO_02.mp3 Programa da Rádio Nacional sobre última transmissão radiofônica do Repórter Esso no Rio de Janeiro] ''AGÊNCIA BRASIL.'' (Acessado em 01 de Agosto de 2008.)</ref>
 
Na televisão, o noticiário foi apresentado pela última vez em 31 de dezembro de 1970 na [[Rede Tupi|TV Tupi]] e na [[Rede Record|TV Record]].<ref name="O Repórter Esso"/>
2 997

edições