George Sand: diferenças entre revisões

142 bytes adicionados ,  18 de abril de 2015
Histoire de ma vie. George Sand. Balade en Essonne sur les pas des écrivains. Marie-Noëlle Craissati. Éditions Alexandrines. George Sand à Palaiseau. Société historique de Palaiseau. Les amis de George Sand, revue publiée par l’Associati...
(bibliografia Histoire de ma vie. George Sand. Balade en Essonne sur les pas des écrivains. Marie-Noëlle Craissati. Éditions Alexandrines. George Sand à Palaiseau. Société historique de Palaiseau. Les amis de George Sand, revue publiée par...)
(Histoire de ma vie. George Sand. Balade en Essonne sur les pas des écrivains. Marie-Noëlle Craissati. Éditions Alexandrines. George Sand à Palaiseau. Société historique de Palaiseau. Les amis de George Sand, revue publiée par l’Associati...)
{{mais-notas|data=janeiro de 2012}}
[[Imagem:George_Sand_by_Nadar,_1864.jpg|100px|right|thumb|direita|200px|George Sand em sua maturidade, fotografada por [[Felix Nadar]].]]
[[Imagem:Die junge George Sand.jpg|thumb|right|200px|George Sand em sua juventude.]]
'''George Sand''' é o pseudônimo de '''Amandine''' '''Aurore Lucile Dupin''', baronesa de Dudevant ([[Paris]], [[1 de Julho]] de [[1804]] — [[Nohant]], [[8 de Junho]] de [[1876]]), aclamada [[romancista]] e [[memorialista]] [[francesa]], considerada a maior escritora francesa e uma das precursoras do [[feminismo]].<ref>[http://www.enotes.com/george-sand-criticism/sand-george George Sand 1804-1876]</ref>
Sua avó era neta do célebre [[Marechal de França]], o [[conde]] [[Maurício de Saxe]], sendo este, filho [[bastardo]] de [[Augusto II da Polónia|Augusto II]], rei da [[Polónia]] e de [[Saxe]], e da sua amante, a condessa Maria Aurora von Königsmark.
 
Durante sua infância, ao lado de sua avó, Amandine passava os dias brincando e descobrindo cada canto da propriedade de Nohant com seu meio- irmão [[Hippolyte Chatiron]] (filho do seu pai com uma amante da região), companheiro e parceiro em todas as suas aventuras e travessuras. Os dois estudavam em casa com um preceptor, quando não desapareciam nas profundezas da região. Sua avó preocupada com a educação e o comportamento de sua neta, a matriculou no ''Couvent des Anglaises'' em Paris e enviou Hippolyte para uma grande escola de cavalaria de uma cidade vizinha. Acontece que a menina se apaixonou pela vida silenciosa e introspectiva que levava dentro das paredes de pedra do convento e desejou ser freira. Lá, se interessou também por música e teatro e para alegrar suas amigas, decidiu criar pequenas peças de teatro e montar um grupo de meninas para representá-las. As peças eram um sucesso, e Amandine gostava cada vez mais da vida no convento. Sua avó sabendo disso, levou a neta de volta a Nohant.
 
pedra do convento e desejou ser freira. Lá, se interessou também por música e teatro e para alegrar suas amigas,
 
decidiu criar pequenas peças de teatro e montar um grupo de meninas para representá-las.
 
As peças eram um sucesso, e Amandine gostava cada vez mais da vida no convento. Sua avó sabendo disso, levou a neta de volta a Nohant.
 
De volta ao convívio com Aurore de Saxe, ela começou a compreender e amar cada vez mais a sua avó e quando esta morreu, pouco tempo depois, Amandine sofreu de maneira inconsolável. Para que herdasse Nohant seria preciso que se casasse, assim, pouco tempo depois, ela se casou com François-Casimir Dudevant,em [[1822]]. Desse casamento nasceram dois filhos - Maurice e Solange. Essa união, devido a infidelidades e alcoolismo de Casemir, desencadeou incontáveis problemas, culminando com o divorcio- fato incomum para a época - em 1836.
De 1838 a 1845, Sand expressou suas preocupações com os problemas sociais em romances como Consuelo (1842-1843) e O Companheiro da Viagem pela França (Le Compagnon du Tour de France, 1840). Sonhava com um mundo em que o amor fraterno unisse as classes sociais. Teve participação ativa na [[revolução de 1848]]. De 1846 a 1853, escreveu romances leves, idealizando a vida nas províncias francesas. Estes incluem Francisco, o Bastardo (François le Champi, 1847-1848), A Pequena Fada (La Petite Fadette, 1849) O Charco do Diabo (La Mare au Diable, 1846), Mauprat, (1837 entre tantos outros de igual sucesso. Finalmente, de 1854 a 1876, escreveu contos simples, à maneira das histórias de fadas. Desse período destaca-se Contos de uma Avó (Contes d'une Grand-Mère, 1873), com histórias que ela escreveu para seus netos.
 
Os personagens de George Sand e suas histórias são invariavelmente repletos de ingenuidade, poesia e otimismo. Como dizia a escritora: "O romance não precisa ser necessariamente a representação da realidade." Ela faz parte também dos escritores políticos, contando em sua obra mais de 70 títulos, entre novelas, contos, peças de teatro e textos políticos. Suas memórias constituem suas obras de maior interesse, especialmente A História de Minha Vida (Histoire de Ma Vie, 1854-1855) e Ela e Ele (Elle et Lui, 1859), referência à sua ligação com [[Alfred de Musset.]]
 
George Sand faleceu no dia 8 de junho de 1876, em Nohant, na França. Alguns dos seus romances se transformariam em filmes e séries de tv, como; Mauprat (1926) Mauprat (1972) Les Beaux Messieurs des Bois Dorées (1976) La Petite Fadette (2004), La Mare au Diable (1972), Les Enfants du Siècle (1999), entre outros. Seus romances continuam a serem versionados para o teatro e realizados muitos filmes e livros sobre sua vida, assim como grupos de estudo sobre ela, seu tempo e sua obra.
 
Considerada a maior escritora francesa e a primeira mulher a viver de direitos literários, sua propriedade em Nohant foi doada ao governo francês, por sua neta Aurore e está aberta a visitação publica - [[Maison de George Sand]]. Seus restos mortais e de quase toda a sua família está no pequeno cemitério ao lado de sua casa em Nohant.
 
Na ocasião de sua morte Victor Hugo escreveu; ''Je pleure une morte, et je salue une immortelle- Eu choro uma morta e saúdo uma imortal. VH''
 
''mais detalhes''
 
http://fr.wikipedia.org/wiki/[[George_Sand]]
 
{{referências|extra = Histoire de ma vie (G.SAND),
1

edição