Abrir menu principal

Alterações

Sem alteração do tamanho, 15h41min de 27 de abril de 2015
sem resumo de edição
| origyear=original paper manuscript from 1969
| publisher=[[Academic Press]] | location=Boston, MA | isbn=978-0-12-349050-6 | month=09 | year=1980}}.</ref> Seu último padrão semi-oficial é o Haskell 98, destinado a especificar uma versão mínima e portável da linguagem para o ensino e como base para futuras extensões.
 
Haskell é a linguagem funcional sobre a qual mais se realizam pesquisas atualmente. Muito utilizada no meio acadêmico. É uma linguagem nova, elaborada em 1987, derivada de outras linguagens funcionais como por exemplo Miranda e ML. Ela se baseia em um estilo de programação em que se enfatiza mais o que deve ser feito (what) em detrimento de como deve ser feito (how). É uma linguagem que possui foco no alcance de soluções para problemas matemáticos, clareza, e de fácil manutenção nos código, e possui uma variedade de aplicações e apesar de simples é muito poderosa.
 
== História ==
O conceito de [[avaliação preguiçosa]] já estava difundido no meio acadêmico desde o final da [[década de 1970]]. Esforços nessa área incluíam técnicas de [[redução de grafo]] e a possibilidade de uma mudança radical na [[arquitetura de von Neumann]].<ref>Hudak 2007, p. 2</ref> Após o lançamento de [[Miranda (linguagem de programação)|Miranda]] em [[1985]], diversas outras linguagens funcionais de semântica não rígida proliferaram, como Lazy ML, Orwell, Alfl, Id, Clean, Ponder e Daisy (um dialeto de [[Lisp]]). Mesmo após dois anos, Miranda ainda era a mais usada, mas não estava em domínio público.
 
Em setembro 1987 foi realizada uma conferência ''Functional Programming Languages and Computer Architecture'' (FPCA '87), em Oregon, o consenso foi a criação de um comitê com o objetivo de construir um [[padrão aberto]] para tais linguagens.<ref>Hudak 2007, p. 3</ref> Isso consolidaria as linguagens existentes, servindo como base para pesquisas futuras no desenvolvimento de linguagens.<ref>{{citar web|url=http://haskell.org/onlinereport/preface-jfp.html|titulo=Preface|obra=Haskell 98 Language and Libraries: The Revised Report|publicado=Sítio oficial|data=dezembro de 2002|acessodata=29 de setembro de 2008|lingua=inglês}}</ref> A primeira reunião do comitê foi realizada em janeiro de 1988, e algumas das metas da linguagem foram discutidas. A linguagem deveria ser de fácil ensino, deveria ser completamente descrita através de uma sintaxe e semântica formal, deveria estar disponível livremente. Haskell foi criada da necessidade de unir as outras linguagens do mesmo paradigma em uma só.
 
Os objetivos principais deste comitê, ao projetar essa nova linguagem, deveria seguir algumas especificações:
* Ser viável para o ensino, pesquisa e aplicações, incluindo sistema de larga escala;
 
* Ser completamente descritiva via publicação no tocante à sua sintaxe e sua semântica;
 
* Não ser proprietária, tal que qualquer um pudesse implementá-la e distribuí-la;
 
* Basear-se em ideias que envolvessem o senso comum;
 
* Deveria reduzir a diversidade desnecessária de outras linguagens funcionais.
A primeira versão de Haskell foi definida em [[1 de abril]] de [[1990]].<ref>{{citar web|url=http://www.haskell.org/haskell-history.html|titulo=The History of Haskell|publicado=Sítio oficial|acessodata=29 de setembro de 2008|lingua=inglês}}</ref> Seguiu-se a versão 1.1 em agosto de ano seguinte, a versão 1.2 em março de 1992, a versão 1.3 em maio de 1996 e a versão 1.4 em abril de 1997.<ref>Hudak 2007, p. 5</ref> Esforços posteriores culminaram no Haskell 98, publicado em janeiro de 1999 e que especifica uma versão mínima, estável e portável da linguagem e a [[biblioteca (computação)|biblioteca]] para ensino. Esse padrão sofreu uma revisão em janeiro de 2003.<ref name="revisão">{{citar web|url=http://haskell.org/onlinereport/|titulo=Haskell 98 Language and Libraries: The Revised Report|data=dezembro de 2002|autor=Simon Peyton Jones|publicado=Sítio oficial|acessodata=29 de setembro de 2008|lingua=inglês}}</ref>
 
Utilizador anónimo