Diferenças entre edições de "Albatroz"

Sem alteração do tamanho ,  18h11min de 28 de abril de 2015
m
m (Foram revertidas as edições de 2001:8A0:D115:2C01:59B9:6C8:3757:AA11 (usando Huggle))
Os albatrozes atingem a [[maturidade sexual]] tardiamente, com cerca de cinco anos de idade, mas mesmo depois de atingirem a maturidade, não acasalam por mais alguns anos (mais de 10, em algumas espécies). Os albatrozes jovens, ainda não preparados para acasalar, retornam por vários anos às colónias apenas para praticar os elaborados rituais de acasalamento e as danças pelas quais esta família de aves é famosa.<ref>JOUVENTIN, P., MONICAULT, G. de & BLOSSEVILLE, J.M. (1981) "La danse de l'albatros, ''Phoebetria fusca''". ''Behaviour'' '''78''': 43–80.</ref> As aves que voltam pela primeira vez à colónia já apresentam os comportamentos estereotipados que compõem a sua [[linguagem]], mas são ainda incapazes de interpretar esses mesmos comportamentos quando exibidos por outros, nem responder de forma apropriada.<ref name="tick"/> Depois de um período de aprendizagem por tentativa e erro, as jovens aves começam a entender a [[sintaxe]] própria destes comportamentos e aperfeiçoam as dança. Esta linguagem será dominada mais rapidamente se estiverem em contacto com as aves mais velhas. {{carece de fontes}}
 
O repertório destes comportamentos involveenvolve actuações sincronizadas de acções diversas, como gestos de higiene pessoal (catar-se), apontar para determinadas direcções, chamamentos, fazer sons batendo com os bicos, fixar o olhar em determinadas poses e combinações mais ou menos complexas destes comportamentos, como o "chamamento para o céu" (''sky-call'').<ref>PICKERING, S.P.C., & BERROW, S.D., (2001) [http://www.marineornithology.org/PDF/29_1/29_1_6.pdf "Courtship behaviour of the Wandering Albatross ''Diomedea exulans'' at Bird Island, South Georgia"] ''Marine Ornithology'' '''29''': 29–37</ref> Quando um albatroz volta à colónia, dança com vários parceiros, mas, após anos sucessivos, o número de aves com que interage vai decaindo, até que é escolhido apenas um parceiro, formando-se um par monogâmico que se manterá para o resto da vida. Continuam, contudo, a aperfeiçoar a sua linguagem individual, que poderá, eventualmente, tornar-se única para esse par, ainda que parte das danças não voltem a ser, depois, usadas. {{carece de fontes}}
 
Crê-se que os albatrozes efectuam estes cuidadosos e elaborados rituais para assegurar que a escolha feita é a mais correcta e para permitir um melhor reconhecimento do seu parceiro, já que a postura do ovo e o acompanhamento da cria é um investimento importante. Mesmo espécies que conseguem completar um ciclo reprodutivo em menos de um ano raramente efectuam posturas em anos consecutivos.<ref name = "Brooke"/> Os grandes albatrozes levam mais de um ano a cuidar da cria desde a postura até que esta aprende a voar. Os albatrozes põem um único [[ovo]] durante a estação reprodutiva. Se o ovo for capturado por predadores ou partido acidentalmente, não haverá qualquer tentativa adicional de acasalamento nesse ano. A ocorrência de "divórcios" entre pares de albatrozes é algo de muito raro e, quando acontece, é apenas depois de vários anos de acasalamento falhado.<ref name = "Brooke"/>
10 947

edições