Diferenças entre edições de "Homem do pântano"

6 bytes adicionados ,  07h12min de 20 de maio de 2015
sem resumo de edição
''Suponha que Davidson vá caminhar no pântano e é atingido e morto por um relâmpago.
Ao mesmo tempo, nas proximidades desse pântano, outro relâmpago espontaneamente reorganiza um grupo de moléculas de tal forma que, inteiramente por coincidência, elas assumem exatamente da mesma forma e estrutura que o corpo Davidson tinha no momento de sua morte prematura.
Este, a quem Davidson chama "Homem do pântano", tem, naturalmente, um cérebro que é estruturalmente idêntico ao que Davidson tinha, e assim, presumivelmente, se comporta exatamente como Davidson. Ele vai sair do pântano, e retornar ao cargo de Davidson, em Berkeley, e vai escrever os ensaios da mesma forma que ele teria escrito, ele irá interagir como uma pessoa amigável com todos os amigos de Davidson e da família, e assim por diante.''<ref>Davidson, Donald (2001 (1987)). "Knowing One's Own Mind." Reprinted in Subjective, Intersubjective, Objective (pp. 15–38). New York and Clarendon: Oxford University Press. Originally published in Proceedings and Addresses of the American Philosophical Association, 60 (1987), 441-58.</ref></blockquote>
 
Davidson sustenta que haveria, no entanto, que existir uma diferença, embora ninguém iria notar. O "Homem do pântano" irá parecer que reconhece os amigos de Davidson, mas é impossível para ele realmente reconhecê-los, pois ele nunca os viu antes. Como Davidson diz, "Ele não pode reconhecer qualquer coisa, porque nada por ele jamais foi conscientizado em primeiro lugar."
Utilizador anónimo